Redesenhar os mapas do encontro: trabalho de cuidado com os migrantes

  • Rosanna Cima

Resumo

O artigo retoma um percurso de pesquisa, que envolveu vários grupos de profissionaise que começou há mais de 10 anos no Norte da Itália, com o objetivo decriar novos dispositivos no trabalho em âmbito social e psicopedagógico com osmigrantes. Graças à reflexão, à escuta da experiência, à formação contínua e à reelaboraçãodurante o processo com quem cotidianamente está comprometido, foipossível reconhecer o olhar com que se observam os outros e as outras que vêm delonge e compreender que as formas das dificuldades que as famílias, as mulherese os homens que vêm de longe apresentam refletem inevitavelmente a maneira devê-los; os sistemas de análise e de atribuição de sentido e significado das instituiçõesdo país de imigração e dos seus profissionais. Cada profissional, normalmente,acredita ser preparado para acolher o outro, e, talvez por isso, o choque culturaltem sempre a caraterística do imprevisível e de algo que se parece a um embate.Na frente do incognoscível do outro, realiza-se como que um curto-circuito, umaespécie de desnorteamento. Mas a desorientação pode ser um terreno fértil se promovera necessidade e o desejo de parar, voltar a ouvir, voltar a olhar os própriospassos, retomar os próprios confins e as nossas interrogações.Palavras-chave: Modelos de relação. Pensamento da experiência. Encontro.Línguas. Mediação.
Publicado
24-07-2013
Seção
Artigos