O lugar das culturas populares no mundo globalizado

  • Lenildo Gomes de Almeida

Resumo

Este artigo focaliza as dinâmicas das culturas populares em sua atuação como partedos movimentos emancipatórios atuantes no mundo globalizado e os estilos dearticulação intercultural contra-hegemônica promovida por essas ações. Aborda atensão entre as culturas populares e a razão cognitivo-instrumental etnocêntricaque se estabelece materialmente pela globalização dos meios técnicos. Afirma que oprojeto emancipatório da modernidade se atrofiou nesse processo pela radical conciliaçãoentre a ciência e as forças produtivas do capitalismo. Contudo, a crescenteurbanização do planeta e a expansão global dos novos meios digitais, promotorasde contatos interculturais, favorecem a desconstrução do etnocentrismo moderno.As culturas populares investem pelos meios informacionais, por redes de saberes queafirmam pensamentos diversos sobre o mundo, subvertendo o mito do pensamentoúnico. O estudo sobre as rodas de samba do Rio de Janeiro apresenta fatos que contribuempara essa interpretação. As rodas de samba se constituem como territóriosque entretecem fios de redes musicais que, oriundos das periferias, atuam na escalanacional e global. Estas redes dialógicas fabricam uma cartografia musical apoiadaem orientações que apoiam o pluralismo epistemológico, a tal ponto que o cancioneiropopular, trazendo vivências e histórias do cotidiano, participa das propostas teóricase políticas, com suas críticas e formas de compreensão dos fenômenos sociais.A música popular brasileira tem sido instrumento de mediação para o exercício dacidadania ativa pelo diálogo entre as culturas populares no mundo globalizado, emque os grupos subalternos promovem participação dos diversos saberes na tessituraintercultural de um mundo sustentável.Palavras-chave: Culturas populares. Globalização. Emancipação. Educação popular.Rodas de samba. Etnocentrismo.
Publicado
24-07-2013
Seção
Artigos