OS JOGOS GIGANTES E OS PROCESSOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM

Autores

  • Sandra Rogéria de Oliveira Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Angela Maria Campagnollo
  • Ana Léia Particheli
  • Andressa Giehl

Resumo

Introdução: A criança vem perdendo o espaço de brincar, ora pelo crescimento dos centros urbanos que reduzem os espaços adequados, ora pela violência das ruas que as limitam a exercerem atividades dentro de casa ou na escola. Nesse sentido, algumas brincadeiras vão se perdendo e as indústrias de brinquedos vão dominando o universo das crianças num contexto cada vez mais consumista. Com o estilo de vida mais acelerado, os pais disponibilizam pouco tempo para construir brinquedo com seus filhos e dar atenção às brincadeiras. Assim, a escola deve possibilitar o lugar de brincar. Diante desses fatos, o  Subprojeto do Curso de Educação Física da Universidade do Oeste de Santa Catarina, Campus de Chapecó, pretende proporcionar  a vivência dos jogos gigantes, possibilitando diferentes formas de brincar, revitalizando jogos tradicionais da cultura universal, como: o Puluk e o Reversi, disponibilizados pelo Laboratório Interdisciplinar do Lúdico e do Comportamento Motor (Lilucom) da Unoesc, possibilitando aos alunos a experiência em recriar o seu próprio jogo com materiais recicláveis e alternativos. Metodologia: O processo de aprendizagem ocorreu de forma interdisciplinar, sendo que a primeira etapa do trabalho aconteceu pela capacitação dos acadêmicos bolsistas e seus supervisores no Lilucom. O segundo momento foi a experiência organizada na escola. Os jogos gigantes oportunizaram vivência em grupo, sendo aplicados em aulas de Educação Física e nos intervalos recreativos nas escolas atendidas pelo PIBID. O terceiro momento possibilitou a construção de textos nas aulas de Língua Portuguesa – redigindo, descrevendo suas opiniões, expressados seus sentidos e significados e em Artes – criando e construindo jogos. Os textos estão em fase de análise para construção de relatos de experiências e artigos, para socialização destes em revistas e eventos científicos. Resultados: O projeto está em andamento, no entanto, os jogos foram aplicados na Escola Estadual de Educação Básica Bom Pastor, com alunos de 2ª e 3ª série, e no intervalo recreativo as crianças foram convidadas a participar. Nas aulas de Educação Física da Escola de Educação Básica Antonio Morandini está sendo aplicado o jogo Reversi. Posteriormente, será organizado sua construção com materiais alternativos e recicláveis e a redação de textos referentes à experiência vivida. Conclusão: Conclui-se que todos os alunos tiveram satisfação ao jogar os jogos gigantes, salientando nos textos que gostariam de repetir a experiência, assim como compreenderam suas origens históricas, aprendendo conceitos de solidariedade e cooperação. Dessa forma, eles podem ser considerados como ferramentas para os processos de ensino e aprendizagem.

Palavras-chave: Jogos Gigantes. Educação Física. Aprendizagem.

Biografia do Autor

Sandra Rogéria de Oliveira, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Mestre em Educação, Graduação em Educação Física e Letras. Professora do Curso de Educação Físicada Unoesc - Area das Ciências da Saúde e Educação.

Downloads

Publicado

2015-11-20

Como Citar

de Oliveira, S. R., Campagnollo, A. M., Particheli, A. L., & Giehl, A. (2015). OS JOGOS GIGANTES E OS PROCESSOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM. Seminário Institucional Do Pibid - Anais eletrônicos. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/sipae/article/view/9193

Edição

Seção

Resumos