OCORRÊNCIA DE OOCISTOS DE TOXOPLASMA GONDII EM FEZES DE GATOS DOMICILIADOS (FELIS CATUS DOMESTICUS), NO MUNICÍPIO DE XANXERÊ, SC

Autores

  • Ney Aroldo Auller Fachinello Unoesc Xanxerê
  • Nikoli Krahl

Resumo

A toxoplasmose é uma zoonose de grande importância para a saúde pública. É provocada pelo protozoário Toxoplasma gondii. Estudos sorológicos indicam significativa exposição das populações ao parasita. A maior importância da toxoplasmose refere-se à infecção em gestantes, pois pode ocorrer comprometimento grave do feto, resultando em aborto. O objetivo com este trabalho foi analisar a ocorrência de oocistos de Toxoplasma gondii presentes em fezes de gatos jovens domiciliados (Felis catus domesticus) na área urbana do Município de Xanxerê, SC. Foram coletadas fezes de gatos de até seis meses de idade, independente de raça e sexo, com prévia autorização do tutor do animal, mediante assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido. Também foi aplicado ao tutor do animal um questionário composto de cinco perguntas a respeito do conhecimento e cuidados em relação à doença. As amostras de fezes foram analisadas por meio de três métodos: método de Willis, método de Ritchie e método de Faust, e foram realizadas em dois momentos: até um dia após o recolhimento e após cinco dias da data de coleta. Até o momento, foram realizadas análises de 20 amostras. Todas foram consideradas negativas, pois em nenhuma delas houve registro do oocisto. Em relação aos questionários, 100% dos entrevistados leem e se informam sobre a doença e afirmam conhecer os meios de transmissão. Sobre a incidência da toxoplasmose entre os entrevistados ou seus familiares, 10% apresentam a doença. Quanto aos cuidados que os tutores têm com os animais em relação ao acompanhamento veterinário, conclui-se que 40% dos animais possuem acompanhamento frequente, 45% apenas quando necessário e 15% não possuem. Em relação à higienização da caixa de areia, 60% são higienizadas todos os dias, 15% a cada dois dias e 25% dos animais não possuem caixa de areia. Considerando a alimentação, 55% se alimentam apenas de ração, enquanto 45% consomem ração acompanhada de outros tipos de alimento. Todos os animais possuem livre acesso ao exterior das residências. A ausência de oocistos nas fezes pode estar relacionada à baixa eficiência dos métodos para a pesquisa destes, o curto período de eliminação dos oocistos ou ao maior cuidado dos tutores com os animais em relação à doença. Pode-se associar essas altas soroprevalências a outras fontes de contaminação, como o consumo de carnes malcozidas e de outros alimentos e água infectados com oocistos.

Palavras-chave: Toxoplasmose. Oocisto. Gato. Fezes.

Downloads

Publicado

08-09-2015

Como Citar

Auller Fachinello, N. A., & Krahl, N. (2015). OCORRÊNCIA DE OOCISTOS DE TOXOPLASMA GONDII EM FEZES DE GATOS DOMICILIADOS (FELIS CATUS DOMESTICUS), NO MUNICÍPIO DE XANXERÊ, SC. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/8280

Edição

Seção

Xanxerê - Ensino