GESTÃO EM SAÚDE PÚBLICA: ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE JOAÇABA

Autores

  • Nelzi Ferreira de Queiroz Junior Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Gabriel Weiss

Resumo

Desde sua origem, o Sistema Único de Saúde é alvo de diversas críticas por não oferecer aos usuários, na prática, o que está previsto em parâmetros legais e teóricos. A fim de saber a opinião dos gestores e médicos da rede pública de saúde da região de Saúde do Município de Joaçaba sobre este e diversos outros assuntos relacionados à saúde pública, realizou-se uma pesquisa qualitativa e quantitativa por meio de questionário fechado aplicado aos profissionais supracitados, além da pesquisa bibliográfica sobre o tema. A pesquisa revela que, de acordo com os profissionais entrevistados, a limitação de recursos financeiros é o fator principal pelo qual o SUS não é devidamente executado. Revela-se, também, que a maioria dos gestores trabalha em saúde pública há mais de uma década, o que não ocorre na classe médica. Percebe-se, ainda, que mesmo achando necessária uma preparação adequada para ocupar o cargo de gestor, a maioria deles não possui ensino superior, o que é causa de preocupação entre os médicos, visto que grande parcela não está satisfeita com a gestão da saúde pública em seu município. Nota-se concordância entre os profissionais quanto à qualidade superior do sistema de saúde em seu município se comparado ao SUS no país, de uma forma geral. Constata-se diferença de opiniões quanto aos problemas entre secretários de saúde e médicos, visto que a classe médica acredita que a influência política seja importante e que grande parte da classe dos gestores acredita não haver problemas entre os profissionais. Percebe-se, ainda, concordância entre as classes no quesito satisfação e reconhecimento, visto que a maioria de ambas acredita estar satisfeita e possuir reconhecimento pelo trabalho que faz, mesmo a classe médica em uma porcentagem menor. Concluiu-se que a limitação de recursos é considerada pelos pesquisados o fator principal que impede a realização do que se preconiza legal e teoricamente sobre o SUS e que há divergência de opiniões quanto à principal dificuldade encontrada na relação entre eles, pois, enquanto os gestores acreditam que as dificuldades são mínimas ou inexistentes, os médicos afirmam que a interferência política nos cargos é extremamente relevante e que há uma preocupação por parte deles quanto à gestão pública na saúde, uma vez que a maioria dos gestores não possui formação adequada para ocupar tal cargo.

Palavras-chave: Sistema Único de Saúde. Gestão pública. Saúde pública.

Downloads

Publicado

08-09-2015

Como Citar

Ferreira de Queiroz Junior, N., & Weiss, G. (2015). GESTÃO EM SAÚDE PÚBLICA: ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE JOAÇABA. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/8052

Edição

Seção

Joaçaba - Pesquisa