NÍVEL DE OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 9 A 12 ANOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CHAPECÓ, SC

Autores

  • Rafael Cunha Laux Universidade Federal de Santa Maria/ Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Fernando Agenor de Lima Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Carlos Miguel Porto Almeida Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • João Viannei Effting Junior UNOCHAPECÓ

Resumo

A obesidade em crianças é cada dia mais preocupante em razão das inúmeras doenças às quais ela as expõem. Essas crianças poderão futuramente manter essa persistência se não controlada na infância. Partindo desse pressuposto, nosso objetivo foi analisar o nível de obesidade em escolares entre 9 e 12 anos de uma escola da rede pública de ensino do Município de Chapecó, SC. Para tal, foram mensurados os dados antropométricos de massa corporal e de estatura, para identificação do índice de massa corporal (IMC) e comparação entre os gêneros masculino e feminino. A amostra foi composta por 47 escolares, sendo 28 meninos e 19 meninas. Todos os participantes entregaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido devidamente assinado no momento da coleta dos dados. Os instrumentos utilizados para coletar os dados antropométricos de massa corporal e estatura foram, respectivamente, uma balança com resolução digital da marca Filizola® (São Paulo, Brasil) e um Estadiômetro Cescorf® com resolução de 0,1 cm. Para análise estatística dos dados, foi utilizado o programa EXCEL® (versão 2013 para Windows) e o programa MATLAB® (versão R2014a para Windows). Os resultados apontaram que as médias da amostra foram: a) Idade: 10 anos (dp=0,5); b) Massa corporal: 42,4 Kg (dp= 10,4); c) Estatura: 1,50 m (dp= 0,1); e d) IMC: 19,5 Kg/m² (dp= 3,7). O estudo aponta para uma predominância de excesso de peso (obesidade + sobrepeso) nos escolares dessa faixa etária. Observou-se uma incidência maior de meninas (52%) com excesso de peso do que meninos (50%). Na categoria sobrepeso, essa prevalência continuou: as meninas apresentaram 47,3% e os meninos 39,3%. Entretanto, a obesidade foi maior no grupo dos meninos com 10,7%, contra 5,3% no grupo das meninas. Conclui-se que a maior porcentagem dos escolares apresenta excesso de peso (51,1%), o que pode ocasionar inúmeras complicações à saúde.

Palavras-chaves: Obesidade pediátrica. Sobrepeso. Criança. Índice de Massa Corporal.

Biografia do Autor

Rafael Cunha Laux, Universidade Federal de Santa Maria/ Universidade do Oeste de Santa Catarina

Mestrando do Curso de Pós-Graduação em Educação Física (UFSM) Santa Maria/RS, Especializando em Personal Training (UNOESC) Chapecó/SC. 

Fernando Agenor de Lima, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Graduando em Educação Física pela UNOESC Chapecó

Carlos Miguel Porto Almeida, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Mestre em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Professor orientador do curso de Educação Física da Universidade do Oeste de Santa Catariana - UNOESC.

João Viannei Effting Junior, UNOCHAPECÓ

Mestre em Engenharia Biomédica pela Universidade de Mogi das Cruzes. Graduando em Medicina pela UNOCHAPECÓ.

Downloads

Publicado

08-09-2015

Como Citar

Laux, R. C., Lima, F. A. de, Almeida, C. M. P., & Effting Junior, J. V. (2015). NÍVEL DE OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 9 A 12 ANOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CHAPECÓ, SC. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/7680

Edição

Seção

Chapecó - Ensino