RECEPTOR PERIFÉRICO DE BENZODIAZEPINAS: UM ALVO PROMISSOR NO TRATAMENTO DA DOR NEUROPÁTICA

Autores

  • Deise Dessanti Unoesc-Joaçaba
  • Maurício Peruzzo Muller UNOESC-Joaçaba
  • Adarly kroth UNOESC-JBA
  • Geissom Marcos Nardi Unoesc-Joaçaba

Resumo

 

 

A dor crônica é um dos principais problemas de saúde no Brasil e no mundo e é uma das principais causas de afastamento no trabalho. Há 20 anos os medicamentos disponíveis são os mesmos, os quais, muitas vezes, obtém resultados insatisfatórios. Alguns estudos demonstram que o receptor periférido de benzodiazepinas (PBR) está envolvido na indução/manutenção da dor neuropática. Alguns trabalhos demonstram que drogas que interagem com esses receptores reduzem tanto a dor aguda quanto a dor neuropática e promovem a regeneração de axônios e modulam a resposta inflamatória (DALBÓ et al., 2004; GIRARD et al., 2008). Diante desses fatos, este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito de drogas que interagem com o receptor periférico de benzodiapeninas sobre a expressão das NO sintases e sua relação com a dor neuropática. Para a indução da lesão neuropática, utilizou-se o modelo animal de ligadura do nervo ciático. Os experimentos foram divididos em dois momentos: o primeiro experimento, animais desnervados foram divididos em não tratados e tratados com PK 11195, com diferentes doses (0,1, 0,3 e 1 mg/Kg). O segundo experimento, animais desnervados foram divididos em não tratados e tratados com PK 11195 (1 mg/Kg) juntamente com os diferentes inibidores da óxido nítrico sintase, com o inibidor da enzima NOS-1, o 7-nitroindazol (5 mg/kg), inibidor da óxido nítrico sintase, L-NAME (10mg/Kg), inibidor de síntese de esteróides, AMG (5mg/Kg). Todos os animais foram tratados por dois dias consecutivos, uma vez ao dia, caracterizando tratamento agudo; um outro grupo desnervado foi tratado por 14 dias consecutivos com PK 11195 (1 mg/Kg), uma vez ao dia, caracterizando tratamento crônico. Por meio da análise dos resultados, observou-se que os animais tratados com PK 11195 (1 mg/Kg) apresentaram diminuição na hiperalgesia; nas demais doses, não demonstraram nenhuma resposta. Este mesmo resultado ocorreu quando administrado o PK 11195 juntamente com os inibidores da óxido nítrico sintase. Concluiu-se que os animais desnervados apresentam um quadro de hiperalgesia, respondendo ao tratamento de PK 11195 após 21 dias de lesão, aumentando o tempo de retirada da pata. A administração dos inibidores da óxido nítrico sintase não apresentaram melhora no quadro de hiperalgesia. Os resultados até o momento não são conclusivos, necessitando a realização de novos experimentos, possivelmente revendo o modelo de lesão nervosa periférica e as doses empregadas nesse experimento.

Palavras-chave: Dor neuropática. Receptor periférico benzodiazepínico. Óxido nítrico.

Biografia do Autor

Deise Dessanti, Unoesc-Joaçaba

Laboratório de Farmacologia

Maurício Peruzzo Muller, UNOESC-Joaçaba

Laboratório de Farmacologia

Adarly kroth, UNOESC-JBA

Laboratório de Farmacologia

Geissom Marcos Nardi, Unoesc-Joaçaba

Laboratório de Farmacologia

Downloads

Publicado

05-09-2014

Como Citar

Dessanti, D., Muller, M. P., kroth, A., & Nardi, G. M. (2014). RECEPTOR PERIFÉRICO DE BENZODIAZEPINAS: UM ALVO PROMISSOR NO TRATAMENTO DA DOR NEUROPÁTICA. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão, 225. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/5563

Edição

Seção

Joaçaba - Pesquisa