DERMATOGLIFIA E A SUA RELAÇÃO COM A LATERALIDADE OCULAR

Autores

  • Michelli Grigollo UNOESC
  • Amanda Leticia Prato
  • Mariarosa Mendes Fiedler
  • Rudy Jose Nodari junior
  • Gracielle Fin

Resumo

O termo lateralidade vem do latim “lado” e entende-se que seja o lado preferido do indivíduo para realizar suas atividades. Existem algumas teorias que abordam o tema lateralidade. Em uma delas o hemisfério do cérebro especializa-se proporcionando, assim, ao indivíduo uma preferência lateral. Outra teoria é a de que fatores genéticos influenciam na preferência lateral antes mesmo do nascimento e são definidas pelos genes. Existem algumas marcas genéticas na derme humana, entre elas está a impressão digital ou marca dermatoglífica e esta é uma importante manifestação de características genéticas e de desenvolvimento embrionário, pois se desenvolve a partir das informações constantes no DNA agregadas ao fenótipo desenvolvido durante a gestação. O objetivo da pesquisa foi analisar as diferenças das impressões digitais entre destros e canhotos ocular, por meio da dermatoglifia. O protocolo escolhido para analisar o potencial genético por meio da coleta das impressões digitais foi o Dermatoglífico, proposto por Cummins e Midlo (1961), por intermédio do Leitor Dermatoglífico, validado por Nodari Júnior (2009). Para a avaliação da lateralidade ocular dos escolares, foi utilizada a Escala de Desenvolvimento Motor (EDM) (ROSA NETO, 2002), somente o protocolo referente ao teste de lateralidade ocular dos indivíduos. A população deste estudo compreende 326 indivíduos, na faixa etária de 6 a 11 anos de idade, matriculados na escola da rede pública de ensino, do município de Luzerna, Santa Catarina. A amostra foi composta por 154 indivíduos, correspondendo a 47% da população, seguindo como princípios de inclusão e exclusão para participar da pesquisa a autorização dos pais ou responsável, por meio da assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), ter idade entre 6 e 11 anos e não apresentar doenças clinicamente constatadas. As características observadas no Grupo A (sinistros) quando comparadas ao Grupo B (destros), demonstraram que não há uma diferença significativa entre as variáveis quantitativas (número de linhas). Para as variáveis qualitativas (figuras das impressões digitais), foi realizado o teste de qui-quadrado, que não demonstrou diferença significativa entre os grupos. Não houve correlação entre dermatoglifia e lateralidade ocular, portanto, sugerem-se trabalhos com amostras maiores e estudos que observem outras formas de lateralidade que não somente de olho como este foi realizado.

Palavras-chave: Lateralidade. Dermatoglifia. Preferência lateral. 

Downloads

Publicado

04-09-2014

Como Citar

Grigollo, M., Prato, A. L., Fiedler, M. M., Nodari junior, R. J., & Fin, G. (2014). DERMATOGLIFIA E A SUA RELAÇÃO COM A LATERALIDADE OCULAR. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão, 192. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/5444

Edição

Seção

Joaçaba - Pesquisa