EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DO PROTOCOLO OVSYNCH ASSOCIADO À PROGESTERONA EM CORDEIRAS DA RAÇA TEXEL

Autores

  • Ricardo Xavier da Rocha UNOESC - Xanxerê - SC
  • Paulo Bennemann Unoesc Xanxerê
  • Jose Francisco Bragança Unoesc Xanxerê
  • Scherlon Luiz Severo Unoesc Xanxerê
  • William Naibo Unoesc Xanxerê
  • Ricardo Antonio Sossanovicz Unoesc Xanxerê

Resumo

A sincronização e/ou indução do estro na espécie ovina busca a homogeneização dos lotes de cobertura e consequentemente de parição além da possibilidade de desestacionalização da atividade reprodutiva ou da intensificação do manejo. Assim, esse processo, nos sistemas intensivos de criação ovina, auxilia a manter a produção sazonal de cordeiros. O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência do Protocolo Ovsynch com e sem o uso de progesterona na sincronização/indução de estro em cordeiras. Foram utilizadas 60 (sessenta) cordeiras da raça Texel com 8 meses de idade. O experimento foi realizado em duas etapas. A primeira, utilizando 30 cordeiras, foi realizada no mês de dezembro (fora da estação de monta para a espécie) e a segunda, também com 30 cordeiras, no mês de janeiro (início da estação de monta para a espécie). Para cada etapa as cordeiras foram separadas aleatoriamente em dois grupos: G1, que recebeu no dia 0 uma aplicação de 25µg do análogo de GnRH, no dia 5 foi aplicado 25µg de prostaglandina na submucosa vulvar e no dia 07 a segunda dose de 25µg do análogo de GnRH. O G2 recebeu o mesmo tratamento do G1, no entanto, no dia 0 os animais receberam um dispositivo intravaginal com progesterona natural (CIDR®), retirado no dia 05 com a aplicação de prostaglandina. Foram utilizados três carneiros testados para a identificação do estro e a realização das coberturas, e a taxa de prenhez foi identificada aos 35 dias após a cobertura mediante exame ultrassonográfico. Durante a estação de monta, o G2 apresentou uma taxa de estro de 87% e de prenhez de 75%, enquanto o G1 apresentou 21% de estro e 14% de prenhez. Já no protocolo instituído fora da estação de monta (dezembro), o G1 não apresentou estro e o G2 26% de estro e 13% de prenhez. Conclui-se que o ProtocoloOvsynch fora da estação de monta em cordeiras não foi eficiente na indução/sincronização de estro em cordeiras independente do uso de progesterona e quando implantado na estação de monta, induz/sincroniza o estro, mas com a necessidade do uso de progesterona.

Palavras-chave: Indução/Sincronização. Estro. Ovinos. Estação reprodutiva.

Downloads

Publicado

29-08-2014

Como Citar

Rocha, R. X. da, Bennemann, P., Bragança, J. F., Severo, S. L., Naibo, W., & Sossanovicz, R. A. (2014). EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DO PROTOCOLO OVSYNCH ASSOCIADO À PROGESTERONA EM CORDEIRAS DA RAÇA TEXEL. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão, 424. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/5432

Edição

Seção

Xanxerê - Pesquisa