TROTE SOLIDÁRIO: ACOLHIMENTO AO INGRESSANTE

Autores

  • Solidê Volpato UNOESC/Joaçaba
  • Andréa Gallon UNOESC/Joaçaba
  • Catiane Moterle UNOESC/Joaçaba
  • Edenilson Padilha Ribeiro UNOESC/Joaçaba

Resumo

Trote é um ritual de iniciação que remonta à Idade Média e designa atos de zombaria, impondo ações em que veteranos sujeitam calouros. Introduzido no Brasil ainda no século XVIII, por influência das universidades de Portugal, com o pretexto de integrar pelo companheirismo, o trote perpetra a violência, a submissão, a ausência de civilidade e o desrespeito às leis. Tornou-se cogente investigar a continuidade do trote universitário e as razões pelas quais a mídia não apenas divulga como também incentiva sua prática na sociedade contemporânea. A preocupação recai na recusa das instituições em assumir a responsabilidade em promover trotes culturais que, em vez de violência, fomentem a cidadania e a participação acadêmica na comunidade. A partir de 1999, em razão da morte de um calouro, ocorreram no país vários progressos com o intuito de tornar o trote mais humano. Já existem instituições que promovem trotes, demonstrando que, com rigor e empenho, é possível transformar ações violentas em ações sociais que conscientizem os estudantes e beneficiem a sociedade. A portaria n. 31/UNOESC-R/2013, que dispõe sobre a aplicação de trote aos calouros nos espaços físicos da instituição, está deliberada no Art. 1º – “Fica terminantemente proibido em todos os espaços físicos da Unoesc, por parte do corpo discente, promover ações que, de qualquer forma, se caracterizem como trote violento ou agressivo aos calouros que ingressam na Instituição, com exceção do trote educativo/cidadão.” Precursor a essa portaria, o Curso de Odontologia promove, desde 2012, o trote solidário a seus acadêmicos ingressantes, em conjunto com diversas instituições parceiras. São atividades para conhecimento dos processos educativos em saúde bucal aos calouros que, precocemente, possibilita desenvolver o interesse no exercício e no aprimoramento da interação social dentro da comunidade em que se encontra inserido, como futuro profissional de Odontologia. Sempre focando na possibilidade futura de extinção dessa chaga ainda existente em nossas sociedades estudantis. 

Palavras-chave: Trote universitário. Direito da pessoa humana. Universidade. Violência.

Biografia do Autor

Solidê Volpato, UNOESC/Joaçaba

Profª Responsável pela Supervisão dos Programas de Extensão do Curso de Odontologia. Profª Especialista e Mestre em Odontopediatria;Profª Especialista em Pacientes Portadores de Necessidades Especiais. Membro da equipe de Profºs nos Componentes Curriculares de Clínica Infantil I e II e Pacientes Portadores de Necessidades Especiais I e II e OSC IV do curso de Odontologia da UNOESC-JBA.

Andréa Gallon, UNOESC/Joaçaba

Profª Especialista e Mestre em Saúde Coletiva; Profª Especialista em Pacientes Portadores de Necessidades Especiais

Catiane Moterle, UNOESC/Joaçaba

Graduanda do Curso de Odontologia UNOESC/Joaçaba

Edenilson Padilha Ribeiro, UNOESC/Joaçaba

Graduando do Curso de Odontologia UNOESC/Joaçaba

Downloads

Publicado

29-08-2014

Como Citar

Volpato, S., Gallon, A., Moterle, C., & Ribeiro, E. P. (2014). TROTE SOLIDÁRIO: ACOLHIMENTO AO INGRESSANTE. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão, 244. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/5264

Edição

Seção

Joaçaba - Extensão