A COMUNICAÇÃO ENTRE O SURDO E O OUVINTE

  • Dirlei Weber da Rosa Unoesc
  • Rosane Cardoso Unoesc
  • Pâmela Cristina Alves Cardoso

Resumo

A comunicação é estabelecida de diferentes maneiras, seja ela verbal, gestual, corporal e ou imagética. São  formas utilizadas pelos seres humanos para manter diálogo e expressar suas emoções. Para a pessoa surda a principal maneira de se comunicar é a Linguagem Brasileira de Sinais. A necessidade de manter contato entre surdos e ouvintes é discutida nos diferentes níveis educacionais como forma de estabelecer comunicação. A escola é um espaço de ensino aprendizagem, na qual encontram-se diferentes formas de relações, estratégias e métodos que auxiliam as crianças na elaboração de seu conhecimento. Cabe ressaltar também que a utilização das libras facilita a comunicação entre os surdos e os ouvintes, que passam a se compreender como uma comunidade que tem características comuns e devem ser reconhecidas como tal. Então, enquanto a importância da libras como forma de comunicação questiona-se: quais as possibilidades de utilizar a libras como recurso de aprendizagem e comunicação para crianças ouvintes? O objetivo geral da pesquisa, ficou assim definido: Proporcionar a comunicação   utilizando a língua de sinais como ferramenta de ensino aprendizagem com crianças ouvintes. A pesquisa foi do tipo qualitativa com caráter de exploração, descrição e análise dos fatos, pautada no paradigma interpretativo e descritivo. Desenvolvida na Escola Municipal Felisberto Vilarino Dutra, do Município de Ouro – SC, organizada e a partir de uma rotina percebeu-se a importância do planejamento e sua flexibilidade, além das perspectivas possíveis desta forma inclusiva.

Biografia do Autor

Dirlei Weber da Rosa, Unoesc

área de Ciências da educação

Departamento Educação

Publicado
28-08-2018
Como Citar
da Rosa, D., Cardoso, R., & Cardoso, P. (2018). A COMUNICAÇÃO ENTRE O SURDO E O OUVINTE. Seminário De Iniciação Científica, Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão E Mostra Universitária. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/18579