FISIOTERAPIA E ACUPUNTURA VETERINÁRIA PARA PEQUENOS ANIMAIS

  • Priscila Dutra Ramos
  • Aline Kuhn Sbruzzi Pasquali Professora Universidade do Oeste de Santa Catarina - Campos Novos

Resumo

A fisioterapia veterinária é uma especialidade recente e vem crescendo no Brasil e em todo o mundo, devido ao crescente número de profissionais habilitados, assim como o número de eventos e estudos publicados. Esta prática surgiu para agregar na reabilitação dos animais, principalmente animais de companhia com lesão espinhal, pois auxilia no retorno da funcionalidade da região afetada. Ela pode ser associada ao tratamento conservador ou cirúrgico. Para paciente pós-cirúrgicos a fisioterapia tem como objetivo de reduzir a dor, melhorar os movimentos, prevenir atrofia muscular e em muitos casos, recuperar a função neuromotora. Os pacientes se beneficiam da fisioterapia pois é um tratamento que proporciona menos sofrimento, menos incomodo, maior agilidade e até menos desconforto psicológico do proprietário, ao ver seu animal novamente reabilitado. A fisioterapia é indicada para qualquer espécie, porém para cada uma delas há técnicas mais recomendadas, levando em consideração características do animal. Utiliza –se uma variedade de tratamentos, como terapias manuais, exercícios terapêuticos e aparelhos de eletroterapia, fototerapia, magnetoterapia, e ainda a acupuntura. Como técnicas mais empregadas a cinesioterapia se destaca, pois é uma terapia que consiste através do próprio movimento do animal, sendo que o este pode ser ativo, realizado pelo paciente ou passivo através da ajuda do terapeuta para executar o exercício. O uso de exercícios terapêuticos depende das possibilidades clínicas de cada animal e do conhecimento do terapeuta em cada caso.
Publicado
28-08-2018
Como Citar
Ramos, P. D., & Pasquali, A. K. S. (2018). FISIOTERAPIA E ACUPUNTURA VETERINÁRIA PARA PEQUENOS ANIMAIS. Seminário De Iniciação Científica, Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão E Mostra Universitária. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/18504
Edição
Seção
Joaçaba - Pesquisa