TRANSPLANTE RENAL

  • Grasiela Cristina BILIBIO Unoesc Xanxerê
  • Marcos Pereira Unoesc Xanxerê
  • Mônica Raquel Sbeghen UNOESC-SC

Resumo

Transplante renal apresenta-se hoje como a melhor forma de tratamento para pacientes com insuficiência renal crônica (IRC) ele é indicado quando os rins passam a desempenhar sua função de maneira insuficiente. As principais funções renais são eliminar as toxinas do metabolismo: ureia, creatinina; manter constante o equilíbrio hídrico, eliminando o excesso de água, sais e eletrólitos, evitando o aparecimento de edemas;  produzir a renina, que intervém na regulação de pressão arterial. Como esta insuficiência renal se desenvolve de maneira lenta e gradual diz-se que a doença é crônica. O transplante é a substituição dos rins doentes por um rim saudável, podendo ser de doador vivo ou cadáver.  Hoje no Brasil aproximadamente 35.000 mil pacientes possuem IRC e estão em tratamento pela hemodiálise. Destes somente três mil conseguem ser transplantados anualmente, número insuficiente para atender a crescente demanda de indivíduos com IRC. O preparo do paciente que aguarda o transplante também começa na hemodiálise, orienta-se para que estejam em acompanhamento com nutricionistas, psicólogos, enfermeiros e médicos. O sucesso de um transplante envolve inúmeros fatores, dentre eles o uso permanente de imunossupressores drogas mais potentes e seletivas que permitem redução na rejeição do órgão,  o novo rim sempre será um corpo estranho no seu organismo. As vantagens do transplante é que ele oferece independência da hemodiálise, o paciente sente-se mais saudável. Transplante não é cura, mas um tratamento que pode prolongar a vida com uma qualidade melhor.
Publicado
28-08-2018
Como Citar
BILIBIO, G., Pereira, M., & Sbeghen, M. (2018). TRANSPLANTE RENAL. Seminário De Iniciação Científica, Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão E Mostra Universitária. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/18384
Edição
Seção
Xanxerê - Pesquisa