PENICILINA DO MEDICAMENTO À TOXICIDADE

  • Isabela Zancanaro
  • Leandra Ceron
  • Fernanda Maurer D´Agostini
  • Marcelina Mezzomo Debiasi
  • Liliane Simara Fernandes

Resumo

O resumo aborda a hipersensibilidade imediata à penicilina, fármaco antimicrobiano caracterizado pela conjugação com proteínas plasmáticas podendo promover haptenos, os quais levam a reposta imunológica. O trabalho apresentará o organismo hipersensível, além de discorrer sobre avaliação e tratamento. Foi realizada uma pesquisa qualitativa, descritiva, bibliográfica, utilizando a seleção de palavras-chaves. De acordo com o estudo bibliográfico pacientes idiossincráticos produzem exacerbadamente IgE contra o antígeno benzilpeniciloil (BPO) após uma pré-sensibilização à droga. Logo, grânulos inflamatórios como histamina e prostaciclina são liberados pelos basófilos e mastócitos, havendo sintomas iniciais como urticária e edemas nos membros, podendo progredir para angiodemas, broncoespasmos, hipotensão e choque anafilático. Na avaliação da hipersensibilidade à penicilina os testes cutâneos são efetivos, como também a pesquisa de Imunoglobulina E (IgE) específico. Os pacientes que apresentam a hipersensibilidade podem ser tratados com antibióticos não beta-lactâmicos e aqueles que precisam ser tratados com a penicilina é recomendado a dessensibilização.
Publicado
28-08-2018
Como Citar
Zancanaro, I., Ceron, L., Maurer D´AgostiniF., Mezzomo Debiasi, M., & Simara Fernandes, L. (2018). PENICILINA DO MEDICAMENTO À TOXICIDADE. Seminário De Iniciação Científica, Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão E Mostra Universitária. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/17722
Edição
Seção
Joaçaba - Pesquisa