A PUBLICIDADE DO EMBARGO DE ÁREAS AMBIENTALMENTE DEGRADADAS À LUZ DO PRINCÍPIO DA PREVENÇÃO

Autores

  • Natália Airana Cevey UNOESC
  • Camila Nunes Pannain UNOESC

Resumo

O presente estudo tem como objetivo a análise da publicidade do embargo de áreas ambientalmente degradadas, em que se salienta como norteador da interpretação e aplicação das normas voltadas à proteção do meio ambiente, o princípio da prevenção. Parte-se, assim,  do estudo da proteção  ambiental no ordenamento jurídico brasileiro a partir dos princípios constitucionais relacionados ao meio ambiente, onde também se destacam o princípio da informação e o da reparação do dano ambiental. Centra-se nos procedimentos do processo administrativo ambiental e nas medidas acautelatórias aplicadas pela Polícia Militar Ambiental, notadamente o embargo. Em seguida, observa- se a ineficácia da publicidade do embargo ambiental quando se trata da transferência de propriedade a terceiro adquirente. A natureza propter rem da obrigação que decorre da medida acautelatória não basta para impedir a reincidência, posto que atende mais à reparação que à prevenção do dano ambiental. Por fim, o  presente trabalho sugere a utilização do sistema registral imobiliário brasileiro para maior efetividade da publicidade dos embargos, para atender às exigências do princípio da prevenção.

Meio Ambiente. Polícia Militar Ambiental. Sistema Registral Imobiliário Brasileiro.  

Downloads

Publicado

13-09-2017

Como Citar

Cevey, N. A., & Pannain, C. N. (2017). A PUBLICIDADE DO EMBARGO DE ÁREAS AMBIENTALMENTE DEGRADADAS À LUZ DO PRINCÍPIO DA PREVENÇÃO. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/15022

Edição

Seção

Joaçaba - Pesquisa