ANÁLISE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DAS ÁGUAS DO RIO DO PEIXE, NO MUNICÍPIO DE VIDEIRA, SC

Autores

  • Katia Tais Rossi Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC/Biotecnologia Industrial
  • Elisandra Minotto Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC/Biotecnologia Industrial
  • Nei Carlos Santin Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC/Biotecnologia Industrial
  • Simone Furckel Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC/Biotecnologia Industrial
  • Fernanda Megiolaro Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC
  • Bibiana Paula Dambrós Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC/Farmácia
  • Sabrina Pinto Salamoni Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC/Biotecnologia Industrial

Resumo

O Rio do Peixe destaca-se como manancial de abastecimento no Meio Oeste Catarinense, e recebe dejetos oriundos de diversas fonte, contribuindo para sua contaminação e disseminação de microrganismos e de genes de resistência a antimicrobianos. O objetivo deste estudo foi determinar a qualidade microbiológica da água do Rio do peixe, bem como efetuar o perfil de suscetibilidade a antimicrobianos aos microrganismos provenientes destas águas.  Para tanto, coletou-se amostras de água em quatro pontos distintos (P1, P2, P3 e P4) ao longo do Rio do Peixe, Videira, SC, em agosto e outubro de 2016. Após a coleta as amostras foram submetidas a determinação de temperatura, oxigênio dissolvido, colimetria, isolamento e identificação de microrganismos e perfil de suscetibilidade a antimicrobianos. Os resultados para oxigênio dissolvido e para temperatura da água apresentaram-se em conformidade com os padrões da legislação. A colimetria mostrou uma maior concentração de microrganismos indicadores no P3 (28,8 x10-3 NMP). Ao todo 200 microrganismos foram isolados destas amostras, sendo 24 (12,3%) pertencem ao gênero Staphylococcus sp. Destes, 62,5% foram resistentes a penicilina, 58,3% resistentes a eritromicina e 41,67% foram resistentes a cefoxitina, todos os isolados foram sensíveis a gentamicina.  A Resistência a pelo menos três classes de antimicrobianos foi observada em 37,5% dos isolados de Staphylococcus spp. Os resultados demostram que as águas do Rio do Peixe representam um reservatório e uma possível fonte de disseminação de microrganismos e seus genes de resistência.

Biografia do Autor

Katia Tais Rossi, Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC/Biotecnologia Industrial

Acadêmica do curso de Biotecnologia Industrial

Elisandra Minotto, Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC/Biotecnologia Industrial

Biólga pela UFPel, Mestres em fitossanidade pela UFPel, Doutora em Microbiologia Agrícola e do Ambiente. Pós-Doc do Mestrado em Ciência e Biotecnologia -UNOESC.

Nei Carlos Santin, Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC/Biotecnologia Industrial

Farmacêutico, Mestre em Ciência de Alimentos; Docente na Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC).

Simone Furckel, Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC/Biotecnologia Industrial

Acadêmica do curso de Biotecnologia Industrial

Fernanda Megiolaro, Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC

Graduada em Biotecnologia Industrial; Mestre em ciência e biotecnologia, Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC).

Bibiana Paula Dambrós, Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC/Farmácia

Farmacêutica,Mestre em Biotecnologia, professora em tempo integral do curso de Farmácia da Universidade do Oeste De Santa Catarina (UNOESC).

Sabrina Pinto Salamoni, Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC/Biotecnologia Industrial

Doutora em Microbiologia Agrícola e do Meio Ambiente, Universidade Oeste de Santa Catarina – UNOESC
Campus de Videira.

Downloads

Publicado

13-09-2017

Como Citar

Rossi, K. T., Minotto, E., Santin, N. C., Furckel, S., Megiolaro, F., Dambrós, B. P., & Salamoni, S. P. (2017). ANÁLISE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DAS ÁGUAS DO RIO DO PEIXE, NO MUNICÍPIO DE VIDEIRA, SC. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/14910

Edição

Seção

Videira - Pesquisa