INFLUÊNCIA DA DESSECAÇÃO NA SOJA NO SEU POTENCIAL GERMINATIVO E MASSA DE GRÃOS

Autores

  • Mauriel Pedro Lazzari Universidade do Oeste de Santa Catarina

Resumo

Visando o máximo potencial da cultura, tem-se como fotor impressindível a qualidade  fisiológica das sementes. O objetivo deste trabalho foi determinar qual o melhor estádio fenológico em final de ciclo da cultura da soja para realizar a dessecação, visando melhor qualidade fisiológica de sementes, sem afetar rendimento de grãos. O experimento foi conduzido em condições de campo, no município de Santo Antônio do Sudoeste – PR, na safra 2016/2017, utilizando a cultivar Brasmax lança (58I60) ipro®. Foram utilizados dois secantes diquat (Reglone) e glufosinato – sal de amônio (Finale), aplicados nos estádios R6, R6.5 e R7.2, mais a R9 (testemunha, sem aplicação de secante). Foi utilizado arranjo experimental de blocos ao acaso (DBC), em parcelas subdivididas (4 X 2). Na parcela principal foram alocados os estádios fenológicos (R6, R6.5, R7.2 e R9 – testemunha) e nas sub–parcelas os princípios ativos de secantes. Avaliaram-se germinação, vigor, peso de mil grãos, rendimento de grãos e antecipação de colheita. O uso de secante aliado aos estádios fenológicos de aplicação permitiu a antecipação de colheita de 4 a 13 dias, reduziram o rendimento e peso mil grãos, quando aplicado em R6 e R6.5. Ambos os secantes influenciaram negativamente tanto germinação quanto o vigor das sementes, sendo que o glufosinato - sal de amônio foi o secante com pior indicador de germinação e vigor.

Downloads

Publicado

13-09-2017

Como Citar

Lazzari, M. P. (2017). INFLUÊNCIA DA DESSECAÇÃO NA SOJA NO SEU POTENCIAL GERMINATIVO E MASSA DE GRÃOS. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/14677

Edição

Seção

São Miguel do Oeste - Ensino