QUALIDADE TECNOLÓGICA DE FEIJÃO ARMAZENADO NO MUNICÍPIO DE CAMPOS NOVOS – SC.

Autores

  • Daniel Palavro Mecabô Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Analu Mantovani Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Tamara Pereira Felicio Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Marcio Zilio Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Silvio Roberto Zanon Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Paulo Tarcilo Graeff Junior Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Vanderleia Mathias Universidade do Estado de Santa Catarina

Resumo

Os grãos de feijão após a colheita estão sujeitos a alterações, que geralmente resultam na perda de qualidade, além da rejeição do produto por parte dos consumidores e desvalorização no momento da venda. O objetivo do trabalho foi avaliar a qualidade tecnológica de cultivares de feijão carioca produzidos e armazenados no município de Campos Novos/SC, em três safras agrícolas. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 5 x 4, 5 cultivares de feijão (IPR Tangará, BRS Pérola, IPR Campos Gerais, Gol e Bola Cheia) e 4 períodos de armazenamento (0, 20, 40 e 60 dias). Avaliou-se o escurecimento de grãos, tempo de cocção, porcentagem de embebição antes do cozimento (Peanc) e após o cozimento (Peapc), percentagem de grãos inteiros (PGI), em três safras (2013/2014, 2014/2015 e 2015/2016).  A cultivar Gol foi a que apresentou maior escurecimento de grãos na colheita e durante a armazenagem. Já a cultivar Perola manteve o maior percentual de grãos na cor Bege até os 60 dias de armazenamento para as 3 safras. As cultivares Pérola, Bola Cheia e Campos Gerais mantiveram o tempo de cocção e todas as cultivares apresentaram Peanc acima de 100% durante 60 dias de armazenagem nas 3 safras agrícolas. As cultivares Pérola, Bola Cheia, Gol e Tangará mantiveram o percentual de grãos inteiros durante 60 dias de armazenagem nas 3 safras agrícolas. Conclui-se que as cultivares Pérola, Bola Cheia e Campos Gerais mantiveram o tempo de cocção e apresnetaram um lento escurecimento durante a armazenagem de 60 dias.

Biografia do Autor

Daniel Palavro Mecabô, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Departamento de Ciências do Solo - Agronomia

Área: Ciências da Vida

Analu Mantovani, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Departamento de Ciências do Solo - Agronomia

Área: Ciências da Vida

Tamara Pereira Felicio, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Departamento de Fitotecnia - Agronomia

Área: Ciências da Vida

Marcio Zilio, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Departamento de Fitotecnia - Agronomia

Área: Ciências da Vida

Downloads

Publicado

13-09-2017

Como Citar

Mecabô, D. P., Mantovani, A., Felicio, T. P., Zilio, M., Zanon, S. R., Graeff Junior, P. T., & Mathias, V. (2017). QUALIDADE TECNOLÓGICA DE FEIJÃO ARMAZENADO NO MUNICÍPIO DE CAMPOS NOVOS – SC. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/14193

Edição

Seção

Joaçaba - Pesquisa