ADIÇÃO DE ALGAS MARINHAS E SEU EFEITO SOBRE O DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CORTES E ÓRGÃOS DE FRANGOS DE CORTE

Autores

  • Maria Sutille Universidade do Oeste de Santa Catarina

Resumo

Avaliação da utilização de algas marinhas relacionado aos ácidos graxos presentes na carne, buscam enriquecer a alimentação com Ômega3 e a carne de frango, podendo se tornar grande fonte veiculadora deste elemento,  a qual é indispensável para o coração, sistema circulatório e nervoso. O experimento foi realizado no setor de avicultura da Unoesc Xanxerê, sendo utilizados 720 animais da linhagem COBB, de 1 à 42 dias de idade, compostos por cinco tratamentos e constituídos por oito repetições, com 18 animais por unidade experimental. Os animais foram alojados em boxes de 2mx2m, sobre cama de maravalha nova, com água e ração fornecidas à vontade durante todo o período experimental. O extrato de algas utilizado foi proveniente da espécie Schizotrichium ssp., fornecidas por uma empresa do município de Araucária-PR. As aves e as sobras de ração foram pesadas aos 7, 21 e 42 dias de idade para a determinação do ganho de peso, consumo de ração e conversão alimentar. Aos 42 dias de idade, foram abatidas uma ave por box para avaliação do rendimento de carcaça, de cortes (asa, coxa, sobre-coxa e dorso) e de órgãos (coração, fígado, moela, pro ventrículo e intestino delgado).  A utilização de algas marinhas (ômega-3), nas rações não influenciou o desempenho das aves, o rendimento de cortes (asa,coxa, sobre-coxa e dorso) e de órgãos (coração, fígado, moela, pró ventrículo e intestino delgado). Conclui-se que a adição da alga marinha Schizotrichium ssp., pode ser utilizada na alimentação sem comprometer o desempenho das aves.

Downloads

Publicado

13-09-2017

Como Citar

Sutille, M. (2017). ADIÇÃO DE ALGAS MARINHAS E SEU EFEITO SOBRE O DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CORTES E ÓRGÃOS DE FRANGOS DE CORTE. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/14092

Edição

Seção

Xanxerê - Pesquisa