CIRCUNFERÊNCIA DE PESCOÇO E FATORES DE RISCO ASSOCIADOS EM ADOLESCENTES

  • Sandra Fachineto
  • Tcherlyn Luana Erlo

Resumo

Medidas elevadas de circunferência de cintura, índice de massa corporal e
hipertensão arterial em adolescentes estão também interligados a uma medida elevada
de circunferência de pescoço, o que os leva a serem indivíduos obesos, diabéticos e com
doenças cardiovasculares. Entende-se que o principal fator que norteia esse fato é sem
dúvida a inatividade física. Objetivou-se associar as medidas de circunferência de
pescoço (CP) com os fatores de risco: índice de massa corporal (IMC), circunferência de
cintura (CC), pressão arterial sistólica (PAS), pressão arterial diastólica (PAD) e prática
de atividade física em adolescentes regularmente matriculados no Ensino Médio em
uma Escola Estadual de São Miguel do Oeste, Santa Catarina. A amostra foi composta por
144 escolares, sendo 75 indivíduos do gênero masculino e 69 indivíduos do gênero
feminino com idade de 14 a 17 anos. Foram feitas medidas de massa corporal e estatura
para determinar o IMC e também medidas de CC, CP, PAS, PAD além de ser aplicado um
questionário para avaliação da prática de atividade física. Foi usada a estatística
descritiva (média, desvio padrão e freqüência relativa) e a correlação de Pearson para
análise dos dados. Para a medida do IMC, a maioria dos alunos se enquadram nos
parâmetros considerados "normais", porém 22,7% dos meninos e 11,5% das meninas
apresentaram "Excesso de peso ou Obesidade". Em relação a CC, 12,0% dos meninos e
11,5% das meninas se classificam com CC "Moderada ou Elevada". Quando aferida a PAS
e a PAD a grande maioria dos alunos se enquadram na classificação dada como
"Normal". De modo geral, ambos os sexos são considerados inativos fisicamente,
alcançando 64,6%, quando comparados aos que são considerados ativos fisicamente,
com apenas 35,4%. Percebe-se também, que meninos são mais ativos fisicamente
quando comparados às meninas (44,0% e 26,1%, respectivamente). Ainda, foi
encontrada correlação significativa (p≤0,05) e positiva, ou seja, comprovou-se que a
medida que a CP aumenta também os fatores de risco, em especial IMC, CC e PAS em
ambos os sexos. Conclui-se que a CP pode ser um bom parâmetro para risco
cardiovascular nos adolescentes avaliados.
Publicado
24-08-2016
Como Citar
Fachineto, S., & Erlo, T. L. (2016). CIRCUNFERÊNCIA DE PESCOÇO E FATORES DE RISCO ASSOCIADOS EM ADOLESCENTES. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/11687
Edição
Seção
São Miguel do Oeste - Ensino