A LUDICIDADE E O BRINCAR COMO FERRAMENTA E ELO DE CONSTRUÇÃO DE RELAÇÕES AFETIVAS NO PROCESSO EDUCATIVO: DA INCLUSÃO ESCOLAR PARA UMA ESCOLA ACOLHEDORA

  • Janes Terezinha Cerezer Köhnlein
  • Fabiana Glaucia Herbert

Resumo

O presente estudo teve por finalidade identificar se a ludicidade e o brincar
contribuem na construção de relações mais afetivas, visando construir/transformar os
ambientes escolares em ambientes mais acolhedores passando da inclusão escolar para
uma escola acolhedora. Nesse sentido a problemática que envolve o estudo busca
identificar se a ludicidade e o brincar podem ser propulsoras e facilitadoras da
construção de relações mais afetivas no contexto educativo, visando efetivar o processo
inclusivo, não mais como um simples incluir, mas como uma maneira eficaz de
transformação das escolas em espaços acolhedores. Diante da problemática, o estudo
traz as experiências e vivências dos estágios curriculares supervisionados em educação
infantil (6ª fase), anos iniciais (7ª fase) e na gestão escolar (8ª fase). Estes que
objetivaram; Sensibilizar para vivências afetivas a partir da ludicidade utilizando
subsídios e elementos relacionados à primavera. Sensibilizar para o reconhecimento da
leitura e escrita do nome de forma lúdica, interativa e inclusiva; considerar os jogos,
brincadeiras e brinquedos como parte da infância possibilitando rever sentimentos,
sensações, diferentes culturas e linguagens, que contribuem para o desenvolvimento e
aprendizagem da criança e; Desenvolver instrumentos de avaliação numa perspectiva
institucional, entendendo-o como imprescindível num processo de gestão democrática,
visando proporcionar possibilidades de reflexão e melhorias no contexto educacional
respectivamente. Os processos de estágio vieram auxiliar no entendimento da
estruturação e das práticas referentes ao contexto da educação na educação infantil, nos
anos iniciais do ensino fundamental e nos processos de gestão. Para isso, o estudo está
organizado metodologicamente em uma pesquisa qualitativa, recorrente ao
levantamento bibliográfico referente ao tema, bem como observações sistemáticas das
vivências em sala de aula e na gestão, que auxiliaram na elaboração das práticas de
estágio. O processo de análises que se deram em caráter empírico posterior as
atividades práticas, auxiliaram na articulação e reflexão da teoria com a prática,
propiciando a ampliação dos conhecimentos bem como auxiliando no processo de minha
formação. Como resultados e reflexões finais cabíveis ao estudo, pode-se afirmar que o
contexto da educação, é um todo entrelaçado, que envolve diversos aspectos que bem
organizados, e andando juntos, dão rumo a uma educação de qualidade, priorizando as
crianças, seu desenvolvimento pleno e aprendizagem. Também, pode-se destacar como
conclusões possíveis que o lúdico como ferramenta pedagógica, favorece as
aprendizagens e é indispensável na formação global da criança; os jogos, brinquedos e
brincadeiras possibilitam que a criança construa sua subjetividade assim como
compreenda a realidade concreta que a cerca; as interações provenientes das
brincadeiras e do jogo simbólico/lúdico, são deixas marcantes para estabelecer e
trabalhar os vínculos afetivos; a articulação entre ludicidade, afetividade e
aprendizagem permeiam uma prática significativa. Válido salientar também que a
articulação entre a teoria e a prática oportunizadas pelo presente estudo auxilia na
desconstrução da fragmentação dos conhecimentos proveniente do afastamento entre a
teoria e a prática, aqui encontra-se a proeminência do estudo.
Publicado
24-08-2016
Como Citar
Köhnlein, J. T. C., & Herbert, F. G. (2016). A LUDICIDADE E O BRINCAR COMO FERRAMENTA E ELO DE CONSTRUÇÃO DE RELAÇÕES AFETIVAS NO PROCESSO EDUCATIVO: DA INCLUSÃO ESCOLAR PARA UMA ESCOLA ACOLHEDORA. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/11678
Edição
Seção
São Miguel do Oeste - Ensino