A PERCEPÇÃO DE AGRICULTORES FAMILIARES SOBRE O SEU FAZER NO CAMPO E O ADOECIMENTO PSÍQUICO

  • Tânia Regina Aosani
  • Jaine Stein

Resumo

A pesquisa teve por objetivo conhecer a percepção de agricultores familiares
sobre o seu fazer no campo e o adoecimento psíquico, compreendendo as principais
dificuldades vivenciadas e as estratégias de enfrentamento desenvolvidas em relação ao
seu trabalho cotidiano. A pesquisa foi realizada por meio do método qualitativo que
busca compreender os significados e as características situacionais, bem como descrever
e analisar experiências através de reflexões, discutindo as vivências pessoais e coletivas
do grupo. Como técnica de coleta de dados foi utilizada entrevista semiestruturada
elaborada previamente pelo pesquisador. Os participantes da pesquisa foram dez
agricultores, de ambos os sexos, com idade entre 45 a 50 anos, que residiam e
trabalhavam em suas propriedades rurais no município pesquisado, localizado do
extremo oeste catarinense. Por meio desta pesquisa compreendeu-se que a percepção
dos agricultores sobre o seu trabalho no campo é positiva, a maneira como enfrentam
suas dificuldades diz respeito às estratégias criadas por eles ao longo de suas histórias
de vida e às adversidades enfrentadas no campo. Existe a dificuldade de reconhecer e
relacionar questões emocionais com o adoecimento físico ou psíquico, questão esta
decorrente de um contexto histórico de vida e de formação subjetiva.
Publicado
24-08-2016
Como Citar
Aosani, T. R., & Stein, J. (2016). A PERCEPÇÃO DE AGRICULTORES FAMILIARES SOBRE O SEU FAZER NO CAMPO E O ADOECIMENTO PSÍQUICO. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/11608
Edição
Seção
São Miguel do Oeste - Pesquisa