GESTÃO INOVADORA EM PROPRIEDADES RURAIS E O PROCESSO DE SUCESSÃO FAMILIAR

  • Tânia Aparecida Durigon Unoesc
  • Michel Carlesso Ávila Unoesc
  • Rodrigo André Fernandes Unoesc
  • Michele Balbinot Unoesc

Resumo

Na década de 1970, a política de crescimento da agricultura, estimulava a mecanização e a modernização das propriedades rurais, a monocultura e a produção de grãos em grande escala. Em contraponto a esta condição, pequenos produtores, no desenvolvimento de suas atividades, voltaram-se basicamente para a agricultura de subsistência e muitas vezes, encontravam dificuldades para se manter na propriedade para sobrevivência da família. Este estudo se refere a uma pesquisa qualitativa, descritiva com o objetivo analisar o processo sucessório familiar em pequenas empresas rurais e identificar as variáveis entre as possíveis relações do processo sucessório em empresas rurais familiares inovadoras. O estudo foi realizado em uma região específica, composta por propriedades familiares, dos municípios de Lindóia do Sul e Concórdia, municípios inseridos na região do meio oeste de Santa Catarina. A análise dos dados evidencia que os gestores possuem um anseio muito grande para que seus filhos continuem os negócios porém, de modo geral, há um descontentamento dos proprietários em relação à atividade rural no local, o que aponta para o encerramento das atividades da família na propriedade, uma vez que os descendentes já estão migrando para um centro urbano, constituindo família e construindo carreiras, não tendo preocupações com a sucessão familiar ou com a continuidade da família no meio rural.
Publicado
24-08-2016
Como Citar
Durigon, T. A., Ávila, M. C., Fernandes, R. A., & Balbinot, M. (2016). GESTÃO INOVADORA EM PROPRIEDADES RURAIS E O PROCESSO DE SUCESSÃO FAMILIAR. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/11507
Edição
Seção
Joaçaba - Pesquisa