A BIÔNICA COMO MEIO CRIATIVO NO DESENVOLVIMENTO DE INFUSOR DE TEMPEROS

  • Karina Tissiani Unoesc Xanxerê
  • Jaqueline Luana Schwingel Cesco
  • Kely Ferronatto

Resumo

O presente estudo tem foco no uso da biônica como técnica criativa para o desenvolvimento de projetos de design. A biônica considera a adaptação de sistemas naturais para a criação de produtos artificiais visando solucionar problemas humanos. A necessidade deste projeto é a confecção de um utensílio de cozinha com a função “prender”, também, são requisitos projetuais a inovação, o design, a tecnologia e a relação homem/produto. Após pesquisas bibliográficas e aplicação do método projetual de design, definiu-se como público-alvo jovens de 25 a 35 anos pertencentes à classe “C”, possuem em sua maioria graduação concluída e buscam a estabilização no mercado de trabalho. Sua vida pessoal é marcada pela contemporaneidade, por estarem inseridos em um mundo de muita informação, por outro lado, preferem o conforto da casa, a companhia dos amigos e familiares e divertem-se ao preparar uma boa refeição. Por meio de  estudos com foco na biônica e análise de observação, identificou-se a planta carnívora científicamente denominada como Dionaea Muscipula, ela foi elegida por exercer a função de prender as suas presas. A partir da observação da planta, abstraiu-se a sua função e forma para a criação de um infusor de temperos em aço inoxidável e silicone, o design remete às estruturas e estética da planta. O objetivo deste utensílio é introduzir sabor ao prato culinário sem deixar o tempero exposto na comida, deixando este oculto, como segredo de um bom chefe de cozinha.
Publicado
24-08-2016
Como Citar
Tissiani, K., Cesco, J. L. S., & Ferronatto, K. (2016). A BIÔNICA COMO MEIO CRIATIVO NO DESENVOLVIMENTO DE INFUSOR DE TEMPEROS. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/10812
Edição
Seção
Xanxerê - Ensino