Depressão e ansiedade em profissionais da educação das regiões da Amerios e da AMEOSC

  • Roque Strieder

Resumo

Estudos anteriores evidenciaram a existência de baixa autoestima em profissionais da educação. Esta, aliada ao sentimento de pessimismo, sensação de fracasso, culpa e autodepreciação, torna temeroso o sucesso de ações educacionais. São sentimentos que conduzem a atitudes de indecisão e irritabilidade; podem prejudicar o processo educacional e aprendente. Com o uso de escalas oficiais, da psicologia, propõe-se dimensionar a propensão a sintomas de depressão e ansiedade em professores das regiões da Amerios e da AMEOSC, como forma de contribuir com a tomada de decisões tanto em relação à qualificação quanto de ajuda a ser prestada aos professores. Foram envolvidos na pesquisa, aproximadamente, 20% dos professores da rede estadual e municipal das duas regiões. Eles responderam às questões dos formulários: Inventário de Depressão de Beck (depressão) e Escala de Avaliação de Hamilton (ansiedade). Os resultados mostram que os professores pesquisados da rede estadual apresentam tendências a estados depressivos e de ansiedade superiores aos da rede municipal. Conclui-se que, para além da necessária qualificação profissional, os professores necessitam de outras formas de ajuda, como melhor compreensão do ambiente de trabalho, das formas inter-relacionais da atualidade, das formas de fortalecimento da autoestima e confiança, do reconhecimento humano, social e econômico; também, é importante elaborar estratégias de ação que impeçam a perda da autoestima; por último, reconhece-se que os professores precisam de atenção, ajuda e valorização.

Palavras-chave: Educação. Depressão e ansiedade. Autoestima e confiança.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Como Citar
STRIEDER, R. Depressão e ansiedade em profissionais da educação das regiões da Amerios e da AMEOSC. Roteiro, v. 34, n. 2, p. 243-268, 11.
Seção
Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##