A qualidade educacional no Projeto de Educação em Tempo Integral no Estado do Amazonas

Autores

  • Angela Maria de Oliveira Universidade Federal do Amazonas- UFAM

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v46i.26988

Palavras-chave:

Educação em tempo integral, Direito à educação, Educação com padrão de qualidade

Resumo

A temática de educação em tempo integral no Brasil remonta a segunda metade do século XX com a criação, por Anísio Teixeira em 1950, do Centro Educacional Carneiro Ribeiro, em Salvador, na Bahia. Nos anos de 1980 e 1990, grandes experiências vieram à lume por meio de políticas estaduais, a exemplo dos CIEPs (1983, 1994). No século XXI, o tema voltou à baila por intermédio do Programa Mais Educação, em 2007, do Governo Federal. No estado do Amazonas a educação em tempo integral surgiu em 2002, com a criação de um projeto piloto em duas escolas públicas estaduais. Essa experiência pedagógica tem por objetivo, elevar o padrão de qualidade da escola pública. Levando em consideração esse contexto e análise sobre o padrão de qualidade educacional como direito Constitucional, este artigo tem por objetivo demonstrar em que consiste o padrão de qualidade no Projeto de Educação em Tempo Integral, em voga, na rede estadual do Amazonas. Para alcançar tal objetivo, parte da seguinte questão: Qual a concepção de qualidade educacional presente no Projeto de Educação em Tempo Integral no estado do Amazonas. Para responder essa questão, utilizou-se, da pesquisa bibliográfica para a produção científica e da documentação oficial e se chegou à conclusão de que o projeto analisado adotou um conceito de qualidade que caminha na direção contrária à formação integral do sujeito quanto às dimensões intelectuais, físicas, sociais, ética e políticas, uma vez que adotou, como perspectiva formativa o slogan aprender a aprender, oriundo da perspectiva neoliberal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Maria de Oliveira, Universidade Federal do Amazonas- UFAM

Doutora em educação pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp; Mestre em Educação pela Universidade Federal de Rondônia – UNIR; Graduada em Pedagogia (1995) e Serviço Social (2005) pela Universidade Federal do Amazonas – UFAM. Possui especialização em Tecnologia Educacional e Gestão Educacional. Professora Adjunta da Universidade Federal do Amazonas no Campus de Humaitá. Tem experiência na área de educação com ênfase em gestão educacional; políticas educacionais; Gestão Pedagógica; Didática e Metodologia da pesquisa. Pesquisa sobre políticas educacionais, especificamente as políticas de educação em tempo integral e direito à educação.

Referências

ALVES-MAZZOTTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais pesquisa quantitativa e qualitativa. 2.. ed. São Paulo: Thompson, 2002.

AMAZONAS. Constituição Política do Estado do Amazonas. Diário Oficial do Estado

nº 26.824, 5 out. 1989. Disponível em: http://www.ale.am.gov.br/. Acesso em: 6 fev. 2017.

AMAZONAS. Educação em Tempo Integral. Amazonas: SEDUC, 2008a.

AMAZONAS. Padeam. Amazonas: SEDUC, 2012. Disponível em: http://www.educacao.am.gov.br/padeam-2/. Acesso em: 30 jul. 2018.

AMAZONAS. Plano Estadual de Educação do Amazonas - PEE/AM: uma construção da sociedade amazonense. Manaus: [s. n.], abr. 2008b. Disponível em:

http://diario.imprensaoficial.am.gov.br/diariooficial/. Acesso em: 20 jan. 2018.

AMAZONAS. Plano Estadual de Educação do Amazonas - PEE-AM 2015-2025. Manaus: [s. n.], 2015. Disponível em: http://diario.imprensaoficial.am.gov.br/diariooficial/. Acesso em: 20 jan. 2008.

AMAZONAS. Proposta pedagógica das escolas da rede estadual de ensino de educação em tempo integral. Amazonas: SEDUC, 2011.

BANCO MUNDIAL. Prioridades y estrategias para la educación. Examen del Banco Mundial. Washington, DF: Banco Mundial, 1995. Disponível em: http://documents.worldbank.org/curated/pt/715681468329483128/pdf/14948010spanish.pdf . Acesso em: 8 jan. 2019.

BRASIL. Constituição. República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, 5 out. 1988. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/atividade.legislativa/legislacao/Constituicoes_Brasileiras/constituicao1988.html/constituicao-da-republica-federativa-do-brasil_texto-atualizado. Acesso em: 15 jan. 2018.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1996/lei-9394-20-dezembro-1996-362578-norma-pl.html. Acesso em: 12 jan. 2018.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 14 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa mais educação: passo a passo. Brasília, DF, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/passoapasso_maiseducacao.pdf. Acesso em: 28 maio. 2018

CARDOSO, F. H. Reforma do Estado. In: CARDOSO, F. H. Reforma do Estado e administração pública gerencial. 3. ed. Rio de Janeiro, RJ: FGV, 1999.

CARDOSO, I. M. R. Programa escola integral no Amazonas: um estudo sobre a organização do tempo em uma escola de Manaus. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/3113. Acesso em: 14 ago. 2018.

CAVALIERE, A. M. Anísio Teixeira e a educação integral. Paidéia, v. 20, n. 46, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2010000200012&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 20 mar. 2018.

CAVALIERE, A. M.; COELHO, L. M. C. da C. Para onde caminham os Cieps? Uma análise após 15 anos. Cadernos de Pesquisa, n. 119, p. 147-174, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742003000200008&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 20 set. 2018.

CAVALIERE, A. M. Educação integral: uma nova identidade para a escola brasileira? Educação & Sociedade, v. 23, n. 81, p. 247-270, 2002. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302002008100013&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 20 set. 2018.

CAVALIERE, A. M. Escola pública de tempo integral no Brasil: filantropia ou política de Estado? Educação & Sociedade, v. 35, n. 129, p. 1205-1222, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302014000401205&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 20 ago. 2018.

CAVALIERE, A. M. Escolas de tempo integral versus alunos em tempo integral. Educação integral e tempo integral, v. 22, n. 80, p. 51-63, 2009. Disponível em: http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/2220 Acesso em: 20 ago. 2018.

CAVALIERE, A. M. Tempo de escola e qualidade na educação pública. Educação e sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1015-1035, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302007000300018&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 20 set. 2018.

COELHO, L. M. C. da C.; MAURICIO, L. V. Sobre Tempo e Conhecimentos Praticados na Escola de Tempo Integral. Educ. Real., v. 41, n. 4, p. 1095-1112, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-623660673.

COLARES, A. A.; SOUZA, R. Educação e diversidade: interfaces e desafios na escola de tempo integral. Revista HISTEDBR On-line, n. 66, p. 247-266, dez. 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/issue/view/1028. Acesso em: 12 nov. 2018.

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO AMAZONAS. Resolução n. 17/2011 - CEE/AM. Amazonas: CEE, 2011. Disponível em: http://www.cee.am.gov.br/. Acesso em: 20 abr. 2017.

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO AMAZONAS. Resolução n. 112/2008-CEE/AM. Amazonas: CEE, 2008. Disponível em: http://www.cee.am.gov.br/. Acesso em: 20 abr. 2017.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir: relatório para a Unesco da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo, SP: Cortez, 2000.

DOURADO, L. F.; OLIVEIRA, J. F. de; SANTOS, C. de A. A qualidade da educação: conceitos e definições. Brasília, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2007. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/485287/A+qualidade+da+educa%C3%A7%C3%A3o+conceitos+e+defini%C3%A7%C3%B5es/8926ad76-ce32-4328-8a26-5139ccedddb4?version=1.3. Acesso em: 15 mar. 2019.

DUARTE, C. S. Direito público subjetivo e políticas educacionais. São Paulo em Perspectiva, v. 18, n. 2, p. 113-118, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302007000300004&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 20 ago. 2018.

DUARTE, N. As pedagogias do aprender a aprender. E algumas ilusões da assim chamada sociedade do conhecimento. Revista Brasileira de Educação, n. 18, p. 35-40, set./dez. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n18/n18a04.pdf. Acesso em: 4 jul. 2019.

FERREIRA, J. N. O Ensino Médio nas escolas de tempo integral. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2012. Disponível em: https://tede.ufam.edu.br//handle/tede/3180. Acesso em: 6 dez. 2018.

GANZELI, P. O político, o pedagógico e a pesquisa. In: GANZELI, P. Reinventando a escola pública por nós mesmos. Campinas, SP: Editora Alínea, 2011.

MACIEL, A. C. et al. Percursos da Educação Integral em Manaus: gestão currículo e metodologia. In: MACIEL, A. C. et al. Currículo e metodologia da educação integral politécnica: aportes ao trabalho pedagógico coletivo. Porto Velho, RO: Temática Editora, 2016.

MACIEL, A. C. et al. Perfil da Educação Integral em Manaus: elementos para a coleta de dados educacionais a partir do Boto-BDE. In: MACIEL, A. C. et al. Gestão da educação integral politécnica: uma proposta para o Brasil. Porto Velho, RO: EDUFRO, 2013. v. 2.

MANACORDA, M. A. Marx e a pedagogia moderna. Campinas, SP: Editora Alínea, 2007.

MENEZES, S. B. Modelos de gestão escolar no Estado do Amazonas: entre o dito e o feito. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2009. Disponível em: https://tede.ufam.edu.br/bitstream/tede/3214/1/Dissertacao%20Samara%20Barbosa%20de%20Menezes.pdf. Acesso em: 15 maio 2020.

PARO, V. H. Diretor escolar: educador ou gerente? São Paulo: Cortez, 2015.

SAVIANI, D. Aprender a aprender: um slogan para a ignorância. Livre Pensamento, 26 ago. 2014. Disponível em: https://livrepensamento.com/2014/08/26/aprender-a-aprender-um-slogan-para-a-ignorancia/. Acesso em: 14 ago. 2018.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. 43. ed. rev. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2018.

SILVA, C. A. O sistema público de educação de tempo integral em Manaus e as possibilidades da educação integral politécnica. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação) –Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, 2017. Disponível em: http://www.ppge.unir.br/uploads/62248421/arquivos/DISSERTA__O___CINTIA_AD_LIA_DA_SILVA_531361974.pdf. Acesso em: 16 jul. 2018.

UNICEF. Percursos da Educação Integral: em busca da qualidade e da equidade. 1. ed. São Paulo: CENPEC: Fundação Itaú Social, 2013. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/Busca_etds.php?strSecao=resultado&nrSeq=16599@1. Acesso em: 18 jun. 2018.

Downloads

Publicado

23-03-2021

Como Citar

OLIVEIRA, A. M. de. A qualidade educacional no Projeto de Educação em Tempo Integral no Estado do Amazonas. Roteiro, [S. l.], v. 46, p. e26988, 2021. DOI: 10.18593/r.v46i.26988. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/26988. Acesso em: 23 abr. 2021.

Edição

Seção

Seção temática: Educação Integral