Experiência museal no distrito de Mazagão Velho-AP: visitação em movimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v46.26473

Palavras-chave:

Distrito de Mazagão Velho, Memória individual/coletiva, Territorialidade museal, Patrimônio cultural, educação para as relações étnico-raciais

Resumo

Neste artigo, deu-se enfoque ao território distrital de Mazagão Velho, localizado no município de Mazagão, estado do Amapá, como espaço museal afro-amapaense, ante a sua relevância histórica e cultural, como reduto de negras e negros que protegem do apagamento e esquecimento suas heranças culturais/religiosas, as quais resistem ao tempo e conformam a geografia social da comunidade. A metodologia utilizada pautou-se em estudo teórico-bibliográfico e com base em entrevistas semiestruturadas, endereçado a oito guardiões culturais, sendo quatro mulheres e quatro homens atuantes na comunidade. Concluiu-se que a cultura, a memória e a territorialidade, numa perspectiva educativa e patrimonial, sinalizam ser uma ação comunitária e recurso didático-pedagógico estratégico para salvaguardar  patrimônio cultural na/da comunidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Piedade Lino Videira, UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ

[1]Graduada em Educação Artística com Habilitação em Artes Plásticas pela Universidade Federal do Amapá –UNIFAP. Psicopedagoga pela Faculdade de Macapá – FAMA. Mestre e Doutora em Educação Brasileira pelo Programa de Pós-graduação Stricto Sensu da Faculdade de Educação – FACED da Universidade Federal do Ceará –UFC.  Pós-Doutoramento na Faculdade de Educação/FACED - UFC, na linha de pesquisa: História e Memória da Educação (NHIME), sob a supervisão do Prof. Dr.  José Gerardo Vasconcelos. Líder do Grupo de Estudo, Pesquisa, Extensão e Intervenção em Corporeidade, Artes, Cultura e Relações Étnico- Raciais com Ênfase em Educação Quilombola – certificado pelo CNPq. E-mail: piedadevideira08@gmail.com

José Gerardo Vasconcelos, Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará

Pós-doutor em História da Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professor titular da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira da Universidade Federal do Ceará (UFC). Coordenador do Núcleo de História e Memória da Educação (NHIME).E-mail: gerardovasconcelos1964@gmail.com

Referências

ALBUQUERQUE, Marcos; LUCENA, Veleda. Prospecção arqueológica em Mazagão Velho. [S. l.: s. n.], jun. 2006.

ALBUQUERQUE, E. C. Vejo um museu de grandes novidades, o tempo não para: sociopoetizando o museu e musealizando a vida. Fortaleza: UFC, 2013.

BELÉM. Anais do Arquivo Público do Pará. Belém: Arquivo Público do Estado do Pará, 1995.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília, DF: MEC, 2019.

BRASIL. Constituição. República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, 5 out. 1988.

BRASIL. Educação patrimonial: inventários participativos: manual de aplicação. Brasília, DF: Iphan, 2016.

BRASIL. Parecer CNE/CP nº 3, de 10 de março de 2004. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 maio 2004.

CANTO, F. P. Literatura das pedras: a Fortaleza de São José de Macapá como lócus das identidades amapaenses. 2016. 251 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Programa de Pós-graduação em Sociologia, Universidade Federal do Ceará e Fundação Universidade Federal do Amapá, Fortaleza, 2016.

CUNHA JÚNIOR, H. Africanidade, afrodescendência e educação. Educação em Debate, v. 2, n. 23, p. 5-15, 2001a.

CUNHA JÚNIOR, H. Educação e diversidade: africanidades, afrodescendências e educação. Boletim Debates, Educação, Direito e Cidadania, 2001b.

FERREIRA, A. R. Diário da viagem philosophica pella capitania de São José do Rio Negro: com a informação do estado presente. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, t. 48, p. 1-234, 1786.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. 2. ed. Paris: Universitaires de France, 1968.

HAMPATÉ BÂ, A. Tradição viva: história geral da África: metodologia e pré-história da África. Brasília, DF: Unesco, 2010. v. I.

HENRY, A. V.; FIGUEIREDO, A. N. A presença africana na Amazônia colonial: uma notícia histórica. Belém: Arquivo Público do Pará, 1990.

HORTA, M. L. P. 20 anos depois de Santiago: a declaração de Caracas. In: ARAÚJO, M. M.; BRUNO, M. C. O. (ed.). A memória do pensamento museológico contemporâneo: documentos e depoimentos. São Paulo: Comitê Brasileiro do ICOM, 1995. p. 67-83.

LODY, R. O negro no museu brasileiro: construindo identidades. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

MASULLO, A. S. C.; PETIT, S. H. Produção de saberes e marcadores das africanidades: a pretagogia e a brincadeira do coco das mulheres da batateira. In: OLIVEIRA, A. F. B. et al. (org.). Artefatos da cultura negra: educação afropensada: repensar o currículo e construir alternativas de combate ao racismo. Curitiba: CRV, 2016. p. 13-26.

PEREIRA, M. N. A introdução na Amazônia. Boletim geográfico, ano 7, n. 77, 1949.

PEREIRA, N. O Sahiré e o Marabaixo. Recife: Massangana, 1989.

RAMOS, M. N. L. Povoamento do Gram-Pará: famílias de Mazagão. Anais do Arquivo Público do Pará, v. 1, n. 1, p. 13-178, 1995.

SALLES, V. O negro no Pará sob o regime da escravidão. 3. ed. Belém: Programa Raízes, 2005.

SANTOS, M. C. T. M. Encontros museológicos: reflexões sobre a museologia, a educação e o museu. Rio de Janeiro: Iphan, 2008.

SPIX, J. B. V.; MARTIUS, K. F. P. V. Viagens pelo Brasil, 1817-1820. 2. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1962.

TAUNAY, A. de E. Subsídios para a história do tráfico africano no Brasil colônia. In: CONGRESSO DE HISTÓRIA NACIONAL, 39., Rio de Janeiro, 1941. Anais [...] Rio de Janeiro: Imp. Nacinal, 1941.

VIDEIRA, P. L. Batuques, folias e ladainhas: a cultura do quilombo do cria-ú em Macapá e sua educação. Fortaleza: UFC, 2013.

VIDEIRA, P. L. Marabaixo, dança afrodescendente: significando a identidade étnica do negro amapaense. Fortaleza: UFC, 2009.

VIDEIRA, P. L. O Marabaixo do Amapá: encontro de saberes, histórias e memórias afro-amapaenses. Revista Palmares, v. 10, n. 8, p. 16-21, 2014.

Downloads

Publicado

08-07-2021

Como Citar

VIDEIRA, P. L.; VASCONCELOS, J. G. Experiência museal no distrito de Mazagão Velho-AP: visitação em movimento. Roteiro, [S. l.], v. 46, p. e26473, 2021. DOI: 10.18593/r.v46.26473. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/26473. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Seção temática: Epistemologias Negras e Processos Educativos