Identidade de estudantes negras e negros: a experiência do projeto Afrocientista NEAB/GERA/UFPA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v46.26303

Palavras-chave:

Identidade, Projeto Afrocientista, Juventudes, Educação para as Relações Étnico-Raciais, NEAB GERA/UFPA

Resumo

Este artigo integra as discussões relativas à juventude negra e à construção da identidade. Seu objetivo consiste em analisar o processo de construção da identidade de adolescentes-juvenis negras e negros no âmbito do Afrocientista do NEAB/GERA. O Projeto Afrocientista promoveu formações para 100 (cem) estudantes do Ensino Médio no país, com o objetivo, definido pela ABPN, de “aproximar os jovens negros e negras oriundos de baixas classes econômicas e com alto potencial de engajamento acadêmico e social ao ambiente acadêmico universitário”. No âmbito da UFPA, o NEAB GERA constituiu um desses Núcleos da Região Norte que integraram este projeto, com a participação de 11 (onze) estudantes de duas escolas públicas situadas na região metropolitana de Belém. Por meio dos conceitos de violência simbólica, identidade, juventudes e juventude negra, o artigo problematiza as formulações das adolescentes-juvenis sobre sua condição étnica, seu lugar no mundo e a sua relação com a escola. Ele discute ainda o potencial de iniciativas correlatas para a formação de adolescentes-juvenis negras e negros, com vistas a superação de desigualdades estruturais. Para tanto, foram analisados os depoimentos e percepções das adolescentes-juvenis ao longo do projeto mediante os Grupos de Discussão. Aqueles foram analisados por meio da metodologia de análise de conteúdo e estas últimas a partir da etnografia escolar. Concluiu-se que as adolescentes-juvenis partícipes deste projeto ampliaram seu suporte conceitual para fortalecer seu compromisso com as próprias trajetórias e a ampliação de suas expectativas de futuro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilma Coelho, Universidade Federal do Pará

Doutora em Educação/UFRN. Professora da UFPA, desde de 1994. Integra o corpo docente da Pós-Graduação em Currículo e Gestão da Escola Básica (PPEB), do Programa em Educação em Ciências e Matemáticas (PPGECM) e atua como Vice Coordenadora e docente do Doutorado em Rede Educação na Amazônia (EDUCANORTE/PGEDA). Coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Formação de Professores e Relações Étnico-raciais (NEAB/GERA/UFPA). Nos últimos 5 cinco anos (2015-2020), publicou 26 artigos em revistas qualificadas; 3 livros autorais; 33 capítulos de livros. Consultora ad hoc do CNPQ e CAPES e pareceristas Ad Hoc de diversas revistas científicas, como: Revista Currículo sem Fronteiras; Revista Unisinos; Revista Brasileira de Educação; Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos; Revista do Instituto de Estudos Brasileiros; Educação & Realidade; Educação e Questão; Revista Reflexão & Ação; Revista Imagens Em Educação; Revista Acta Scientiarum Education; Revista Eletrônica de Educação; Revista Educação e Filosofia; Revista Caderno de Pesquisas;. Integra a Equipe Editorial/Científico das Revista Cocar, desde 2008; da Revista da Associação de Pesquisadores/as Negros/as, desde 2014; Revista da Revista de Ciências Humanas (Coleção Cadernos NEAB/UFPR), desde 2014; Revista Ensaios e pesquisas em Educação e Cultura, desde 2017 e Revista Brasileira de Educação e Diversidade, 2019. Membro do Comitê de Julgamento /Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica nas Ações Afirmativas-AF CNPQ/2020. Atualmente participa da pesquisa em rede nacional com envolvimento de 6 instituições (coordenação nacional/UFS), iniciada em 2019. Integra a Comissão de Avaliação do Edital Equidade Racial na Educação Básica, em 2020. Integrou a Comissão da Oficina Colaborativa para Concepção do Edital Equidade Racial na Educação Básica/2019. É membro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação (ANPED); da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN) e da Associação Nacional de História (ANPUH). Atuou na Diretoria de Apoio ao Docente e Discente da Pró-reitoria da de Graduação da UFPA (2016-2018). Coordenou 2 Cursos de Especialização em Relações Étnico-Raciais para o Ensino Fundamental (2010-2011 e 2015-2016/MEC/UNIAFRO) e o Curso de Aperfeiçoamento Relações Étnico-Raciais na Educação Básica (2017-2018/MEC/UNIAFRO). Foi Pró-reitora de Ensino e Graduação Pró-Tempore da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB (2013-2014). Atuou como Vice Coordenadora Nacional do Consórcio Nacional dos Núcleos de Estudos Afro-brasileiros (CONNEABS-Gestão 2012-2014). Participou da Diretoria da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN-Gestão 2014 -2016). Condecorada com o Diploma de Mérito - 'ZUMBI DOS PALMARES, conferido pela Câmara Municipal de Belém (2016). Atuou em pesquisa em âmbito nacional (2009-2012), envolvendo 7 instituições (coordenação nacional/UFMG); a segunda pesquisa em rede, ocorreu entre 2015-2016, na qual envolveu 7 instituições (coordenação nacional/UFPR). Foi coordenadora do GT21/ANPED (2015-2017). Integrou a Diretoria Regional Norte Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN-Gestão 2010-2012). Coordenou a Linha Currículo e Formação de Professores, do PPGED/UFPA (2007-2009). Atuou na Diretoria Regional Norte/Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN-Gestão (2004-2006). Orientou 17 Dissertações de Mestrado e 5 Teses de Doutorado, até o presente momento. Desenvolve e orienta pesquisas nas seguintes temáticas: Formação de Professores; Educação Básica; Educação para Relações Étnico-raciais; Ensino de História, Sociabilidades adolescentes; Legislação educacional, todos relacionados à Formação inicial e continuada de Professores e a Escola Básica. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2.

Nicelma Brito, UFPA

Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Pará. Mestra em Educação pelo mesmo programa (2010). Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará (2000). Pesquisadora do Núcleo de Estudos sobre Formação de Professores e Relações Étnico-Raciais - GERA, da Universidade Federal do Pará. Membro da Associação Brasileira de Pesquisadores(as) Negros(as) - ABPN e da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação - ANPEd. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Orientação Educacional, Formação de Professores e Relações Étnico-Raciais.

Sinara Dias, SEDUC/PA

Mestre em Educação Básica (UFPA), Especialista em Docência para o Ensino Superior (UFPA) e Infância, Família e Política Social na Amazônia, Pedagoga (UEPA) e Assistente social (UFPA), integrante do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Formação de Professores e Relações Étnico-Raciais (GERA-UFPA), Coordenadora Pedagógica (SEDUC-PA), Professora das séries iniciais do ensino fundamental (SEMEC Belém-PA), experiência profissional multidisciplinar adquirida em instituições de ensino, onde desempenhou as funções de orientação, supervisão e direção escolar.

Referências

AFLALO, A. B. B. Nova Vila da Barca em Belém, Pará: considerações sobre os programas habitacionais e o projeto de habitação e urbanização. 2016. 227 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2016.

ANDRÉ, M. E. D. A. Etnografia da prática escolar. 18. ed. Campinas: Papirus, 2012.

ANUNCIAÇÃO, D.; TRAD, L. A. B.; FERREIRA, T. “Mão na cabeça!”: abordagem policial, racismo e violência estrutural entre jovens negros de três capitais do Nordeste. Saúde e Sociedade, v. 29, n. 1, mar. 2020. Disponível em:https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext& pid=S0104-12902020000100305&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 20 fev. 2021.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES/AS NEGROS/AS. Plano de Trabalho Projeto Afrocientista. [S. l.: s. n.], 2018.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 1. ed. Tradução: Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BEHRENS, M. A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Petrópolis: Vozes, 2005.

BENTO, M. A. S. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: BENTO, M. A. S.; CARONE, I. Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 25-28.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Tradução: Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Marinho Baptista. Porto: Porto Editora, 1994.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. 5. ed. Tradução: Sérgio Miceli, Sílvia de A. Prado Sônia Miceli e Wilson C. Vieira. São Paulo: Perspectiva, 2003. (Coleção Estudos; 20).

BRASIL, K. T. et al. Fatores de risco na adolescência: discutindo dados do DF. Paidéia, v. 16, n. 35, p. 377-384, 2006.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Parecer n. 3, de 10 de março de 2004. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília, DF: MEC, 2004. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/003.pdf. Acesso em: 14 abr. 2021.

BRASIL. Estatuto da juventude: atos internacionais e normas correlatas. Brasília, DF: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2013. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/509232/001032616.pdf. Acesso em: 10 mar. 2021.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 jul. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm#art266. Acesso em: 02 mai. 2021.

CAMPOS, C. C. A.; PAIVA, I. L. Programa Nacional de Inclusão de Jovens: possibilidades e contribuições na perspectiva dos adolescentes participantes. Fractal: Revista de Psicologia, v. 30, n. 1, jan./abr. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S1984-02922018000100022&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 25 jan. 2021.

COELHO, W. N. B.; SILVA, C. A. F. Coordenadoras pedagógicas e diversidade: entre percursos formativos e práticas na escola básica. Educar em Revista, n. 1, p. 87-102, 2017. Edição Especial. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid= S010440602017000500087&script= sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 8 mar. 2021.

COELHO, W. N. B.; SILVA, C. A. F. Preconceito, discriminação e sociabilidades na escola. Educere et Educare, v. 10, n. 20, p. 687-705, 2015. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/ index.php/ educereeteducare/article/view/12606. Acesso em: 12 mar. 2021.

COELHO, W. N. B.; SILVA, C. A. F. Sociabilidade e discriminação entre grupos de adolescentes-juvenis no Ensino Médio. Educação Unisinos, n. 23, v. 2, p. 225-241, abr./jun. 2019. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/educacao/article/view/edu.2019.232.02. Acesso em: 12 fev. 2021.

COELHO, W. N. B. Uma reflexão sobre a naturalização da cor legítima no Brasil. Revista Interface, v. 2. n. 2, p. 85-98, jul./dez. 2005. Disponível em: http://www.spell.org.br/documentos/ver/21328/uma-reflexao-sobre-a-naturalizacao-da-cor-legitima-no-brasil. Acesso em: 2 mar. 2021.

COUTINHO, L. G. et al. Ideais e identificações em adolescentes de Bom Retiro. Psicologia & Sociedade, v. 3, n. 17, p. 50-56, set./dez. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-71822005000300007&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 2 abr. 2021.

DAYRELL, J. T. A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educação e Sociedade, v. 28, n. 100, p. 1105-1128, out. 2007. Edição Especial.

Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a2228100.pdf. Acesso em: 30 maio 2021.

DAYRELL, J. T.; JESUS, R. E. Juventude, ensino médio e os processos de exclusão escolar. Educ. Soc., v. 37, n. 135, p. 407-423, abr./jun. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v37n135/1678-4626 -es-37-135-00407.pdf. Acesso em: 30 abr. 2021.

DAYRELL, J. T.; MOREIRA, M. I. C.; STENGEL, M. (org.). Juventudes contemporâneas: um mosaico de possibilidades. Belo Horizonte: Ed. PUC, 2011.

DAYRELL, J. T. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, n. 23, p. 40-52, set./dez. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n24/n24a04.pdf. Acesso em: 20 abr. 2021.

EVARISTO, C. Gênero e etnia: uma escre(vivência) de dupla fase. In: MOREIRA, N. M.; SCHNEIDER, L. Mulheres no mundo: etnia, marginalidade e diáspora. João Pessoa: Ideia, 2005. p. 201-212.

FERREIRA, R. F. Afrodescendente: Identidade em construção. São Paulo: EDUC, 2009.

GOMES, N. L. Ações afirmativas: dois projetos voltados para a juventude negra. In: SILVA, P. B. G.; SILVÉRIO, V. R. (org.). Educação e ações afirmativas: entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2003. p. 217-244.

GOMES, N. L. Educação cidadã, etnia e raça: o trato pedagógico da diversidade. In: CAVALLEIRO, E. (org.). Racismo e anti-racismo na educação: repensando nossa escola. São Paulo: Selo Negro, 2001. p. 83-96.

GOMES, N. L. Sem perder a raiz: corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

GOMES, N. L. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de estereótipos ou ressignificação cultural? Revista Brasileira de Educação, n. 21, p. 40-45, set./dez. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n21/n21a03.pdf. Acesso em: 3 mar. 2021.

GUIMARÃES, A. S. A. Preconceito de cor e racismo no Brasil. Revista de Antropologia, v. 47, n. 1, 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-77012004000100001. Acesso em: 20 mar. 2021.

GUIMARÃES, A. S. A. Racismo e restrição de direitos individuais: a discriminação ‘publicizada’. Estudos Afro-Asiáticos, n. 31, p. 51-78, out. 1997.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: UNESCO no Brasil, 2003.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponível em: http://www.ibge.org.br. Acesso em: 2 ago. 2020.

IGARAPÉ. Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia, 5 nov. 2015. Disponível em: https://ipam.org.br/glossario/igarape/. Acesso em: 24 abr. 2021.

KAUFMAN, J. A entrevista compreensiva: um guia para pesquisa de campo. 3. ed. Tradução: Thiago de Abreu e Lima Florencio. Revisão técnica: Bruno César Cavalcanti. Petrópolis: Vozes, 2013.

MEINERZ, C. B. Grupos de Discussão: uma opção metodológica na pesquisa em educação. Educação e Realidade, v. 36, n. 2, p. 485-504, maio/ago. 2011. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/16957. Acesso em: 20 abr. 2021.

MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

MORAES, M. C.; TORRE, S. SentirPensar: fundamentos e estratégias para reencantar a educação. Petrópolis: Vozes, 2004.

O QUE É palafita. Colégio de arquitetos, 13 fev. 2009. Disponível em: http://www.colegiodearquitetos.com.br/dicionario/2009/02/o-que-e-palafita/. Acesso em: 24 abr. 2021.

OLIVEIRA, A. V. S. As potencialidades de mulheres negras na produção acadêmica. Equatorial, v. 7, n. 12, p. 1-23, jan./jun. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/equatorial/article/view. Acesso em: 20 mar. 2021.

PENTEADO, A. R. Belém: estudo de geografia urbana. 2. ed. Belém: UFPA, 1968 (Coleção amazônica; Série José Veríssimo).

ROSEMBERG, F.; PINTO, R. P. Trajetórias escolares de estudantes brancos e negros. In: MELO, R. L. C.; COELHO, R. C. F. Educação e discriminação dos negros. Belo Horizonte: IRHJP, 1988. p. 27-51.

ROSEMBERG, F. Relações raciais e rendimento escolar. Cadernos de Pesquisa, n. 63, p. 10-23, nov. 1987. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1264/1267. Acesso em: 10 mar. 2021.

SACRISTÁN, J. G.; GÓMEZ, A. I. P. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

SILVA, M. S. R.; SÁ, M. E. R. Medo na cidade: estudo de caso no bairro da Terra Firme em Belém (PA). Argumentum, v. 4, n. 2, p. 174-188, jul./dez. 2012. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/4835014.pdf. Acesso em: 3 abr. 2021.

SILVA, P. B. G. Raça negra e educação 30 anos depois: memórias e legados. Revista da ABPN, v. 11, p. 12-31, abr. 2019. Ed. Especial - Caderno Temático: Raça Negra e Educação 30 anos depois: e agora, do que mais precisamos falar?. Disponível em: http://www.abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/download/679/609. Acesso em: 15 mar. 2021.

SILVA, T. T. (org.). Identidade e Diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva. Petrópolis: Vozes, 2011.

SOUZA, N. S. Tornar-se Negro: ou as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

TELLES, Edward. Racismo à brasileira: uma nova perspectiva sociológica. Tradução: Ana A. Callado, Nadieda R. Marques e Camila Olsen. Rio de Janeiro: Relume-Dumará: Fundação Ford, 2003.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ. Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional. Plano de Desenvolvimento Institucional: 2016-2025. Belém: UFPA, 2016. Disponível em: https://portal.ufpa.br/images/docs/PDI_2016-2025.pdf. Acesso em: 26 abr. 2021.

YOUNG. M. Para que servem as escolas? Educação e Sociedade, v. 28, n. 101, p. 1287-1302, set./dez. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v28n101/a0228101.pdf. Acesso em: 12 mar. 2021.

Downloads

Publicado

2021-09-08

Como Citar

COELHO, W.; BRITO, N.; DIAS, S. Identidade de estudantes negras e negros: a experiência do projeto Afrocientista NEAB/GERA/UFPA. Roteiro, [S. l.], v. 46, p. e26303, 2021. DOI: 10.18593/r.v46.26303. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/26303. Acesso em: 3 dez. 2021.

Edição

Seção

Seção temática: Epistemologias Negras e Processos Educativos