Cosmologias racializadas: processos políticos e educativos anti(racistas) no ensino de Física e Astronomia

Autores

  • Alan Alves-Brito Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v46.26279

Palavras-chave:

educação em ciências, física e astronomia, cosmologias racializadas, epistemologias negras, racismo estrutural

Resumo

Os modelos cosmológicos desenvolvidos pela Astronomia e pela Física são considerados fundamentais não apenas para a construção histórica do conceito moderno e contemporâneo de ciência, mas também como elementos fundantes da epistemologia vigente no campo da educação em ciências, ambos marcadamente brancos e eurocentrados. Este trabalho objetiva fazer uma discussão teórica, epistemológica e metodológica sobre como o uso do conceito de raça na produção do racismo e nos processos políticos e educativos anti(racistas) tem sido feito no contexto das Ciências Exatas, particularmente no caso de Física e de Astronomia. Por meio da categoria “cosmologias racializadas”, fazemos uma discussão teórica de como o conceito de raça e do racismo científico foram produzidos a partir do pensamento científico europeu do século XIX e têm sido reproduzidos na comunidade científica, em suas práticas políticas, educacionais e epistemológicas, de forma que o racismo científico, uma pseudociência, contribua para a afirmação de estereótipos e representações negativas do pensamento da população negra, contribuindo para a invisibilização e subalternização do lugar da produção do conhecimento sobre a África e o legado afrodiaspórico nas Ciências Exatas. Concluímos que as práticas e formas de pensar o Universo na perspectiva da Física e da Astronomia moderna e contemporânea são etnocêntricas e branconcêntricas, baseadas nos modelos europeus e dos Estados Unidos. Embora negado, as Ciências Exatas operam o tempo inteiro com o fenômeno do racismo, atualizado, perpetuado e legitimado pela ideia de raça, hierarquizando saberes e diferentes visões acerca da origem e evolução do Universo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alan Alves-Brito, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Bacharel em Física pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2002), Mestre (2004) e Doutor (2008) em Ciências (Astrofísica Estelar) pelo Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP. Realizou estágios de doutorado no Chile (Alfa/LENAC), Estados Unidos (FAPESP) e Austrália (Sanduíche CAPES). Foi pesquisador visitante em centros de pesquisa em Portugal e Alemanha. Realizou estágios de pós-doutorado (2008-2014) no Chile (PUC) e na Austrália (Swinburne University e Australian National University, onde também atuou como Super Science Fellow). Atualmente é Professor Adjunto no Instituto de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde desenvolve atividades de ensino, pesquisa, extensão, divulgação científica e gestão. Tem trabalhado em pesquisa (Programas de Pós-Graduação em Física e em Ensino de Física e no Núcleo de Estudos Africanos, Afro-Brasileiros e Indígenas) da UFRGS em temas voltados para a evolução química de diferentes populações estelares da Via Láctea, educação e divulgação de Astronomia e Física, incluindo questões decoloniais, étnico-raciais, de gênero e suas intersecções nas ciências exatas. Membro da União Astronômica Internacional, Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, Sociedade Astronômica Brasileira, Sociedade Brasileira de Física e Associação Brasileira de Pesquisadores(as) Negros(as), foi eleito em 2014 Membro Correspondente da Academia de Ciências da Bahia. É diretor do Observatório Astronômico da UFRGS desde 2017. Coordena o PLOAD (Portuguese Language Office of Astronomy for Development) e é representante brasileiro no Office for Education, ambos da União Astronômica Internacional. É membro da diretoria da Sociedade Astronômica Brasileira (2018-2020) e integra os Grupos de Trabalho para Questões de Gênero e Equidade Racial da Sociedade Brasileira de Física. É autor de 2 livros de divulgação em ciências.

Referências

ALVES-BRITO, A.; BARBOSA, M. Vidas negras importam e geram inovação. Blog Ciência & Matemática, 15 jun. 2020. Disponível em: https://blogs.oglobo.globo.com/ciencia-matematica/post/vidas-negras-importam-e-geram-inovacao.html. Acesso em: 12 ago. 2020.

ALVES-BRITO, A.; BOOTZ, V.; MASSONI, N. T. Uma sequência didática para discutir as relações étnico-raciais (Leis 10.639/03 e 11.645/08) na educação científica. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 35, p. 917-955, 2018.

ALVES-BRITO, A. Cosmologias. Seminários SESC. [S. l.: s. n.], 2019. Disponível em: https://centrodepesquisaeformacao.sescsp.org.br/atividade/cosmologias. Acesso em: 12 ago. 2020.

ALVES-BRITO, A. et al. Histórias (in)visíveis nas ciências. I. Cheikh Anta Diop: um corpo negro na Física. Revista Brasileira dos Pesquisadores Negros, v. 12, n. 31, fev. 2020.

ALVES-BRITO, A.; MASSONI, N. T. Astrofísica para a Educação Básica: a origem dos elementos químicos no Universo. Curitiba: Editora Appris, 2019.

ALVES-BRITO, A.; MASSONI, N. T. Cosmologias Racializadas: direitos humanos, interculturalidade e relações étnico-raciais no ensino e na divulgação da Física. In: SANTOS, A, G. F. dos; QUEIROZ, G. R. P. C.; OLIVEIRA, R. D. V. L. (org.). Conteúdos cordiais: física humanizada para uma escola sem mordaça. São Paulo: Livraria da Física, 2021.

ALVES-BRITO, A. Os corpos negros: questões étnico-raciais, de gênero e Suas intersecções na Física e na Astronomia Brasileira. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as, v. 12, n. 34, p. 816-840, out. 2020.

ANTENEODO, C. et al. Brazilian physicists community diversity, equity, and inclusion: a first diagnostic, Phys. Rev. Phys. Educ. Res., v. 16, p. 010136, 2020.

ANTUNES JÚNIOR, E.; OSTERMANN, F.; CAVALCANTI, C. J. H. A subvalorização da formação continuada de professores: dos orientadores à articulação do referencial teórico no contexto do mestrado nacional profissional em ensino de física. Alexandria, v. 12, p. 267-291, 2019.

AULER, D.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científico-tecnológica para quê? ENSAIO – Pesquisa em Educação em Ciências, v. 3, n. 1, jun. 2001.

BARROSO, M. F.; FALCÃO, E. B. M. Evasão universitária: o caso do Instituto de Física da UFRJ. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, 9., 2004. Anais [...] 2004. p. 1-14.

BISPO, A. Colonização, Quilombos: modos e significados. Brasília, DF: INCTI/CNPq/UnB, 2015.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Parecer CNE/CP nº. 2/2015. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 13, 25 jun. 2015a.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP n. 02/2015, de 1º de julho de 2015. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 124, p. 8-12, 2 jul. 2015b.

BRASIL. Lei n. 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 21 dez. 1996.

BRASIL. Lei n. 10.639/2003, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9. 394, de 20 de dezembro

de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2003.

BRASIL. Lei n. 11.645, de 10 de março de 2008. Inclui no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena". Diário Oficial da União, Brasília, 11 mar. 2008.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ensino médio: orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais, Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias Matemática e suas tecnologias. Brasília, DF: MEC, SEMTEC, 2002.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2/2017, fundamentada no Parecer CNE/CP nº 15/2017. Base Nacional Comum Curricular – Educação Infantil e Ensino Fundamental – BNCC. Brasília, DF: MEC, 2017.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 4, de 17 de dezembro de 2018. Base Nacional Comum Curricular na Etapa do Ensino Médio (BNCC-EM). Brasília, DF: MEC, 2018.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Tradução: Renato da Silveira, Salvador: EDUFBA, 2008.

GOMES, N. L. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. São Paulo: Editora Vozes, 2017.

HEWITT, P. G. Física conceitual. 11. ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

LANGHI, R.; NARDI, R. Educação em astronomia: repensando a formação de professores. São Paulo: Escrituras Editora, 2012.

LIGHTMAN, B. A Companion to the history of science. Estados Unidos: John Wiley & Sons Ltd, 2016.

LIMA, F. P. et al. Astronomia indígena: relações céu-terra entre os indígenas no Brasil: dis- tintos céus, diferentes olhares. In: MATSUURA, O. T. (org.). História da astronomia no Brasil. Rio de Janeiro: MAST, 2013.

MALDONADO-TORRES, N. Análitica da colonialidade e da decolonolaidade: algumas dimensões básicas. In: BERNARDINO, C.; MALDONADO-TORRES, S.; GROSFOGUEL, R. (org.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2018.

MASSONI, N. T. A epistemologia contemporânea e suas contribuições em diferentes níveis de ensino de física: a questão da mudança epistemológica. 2010. Tese (Doutorado em Física) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

MASSONI, N. T.; BRUCKMANN, M. E.; ALVES-BRITO, A. A reestruturação curricular do curso de licenciatura em física da UFRGS: construção de novas identidades na formação docente inicial do século XXI. Revista Educar Mais, v. 4, n. 3, p. 512-541, 2020.

MASSONI, N. T. Epistemologias do século XX. Porto Alegre: UFRGS, 2005.

MATTHEWS, M. R. História, filosofia e ensino de ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 12, n. 3, p. 164-214, 1995.

MOURA, C. B. de; GUERRA, A. história cultural da ciência: um caminho possível para a discussão sobre as práticas científicas no ensino de ciências? Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 16, n. 3, p. 725-748. 2016.

MUNANGA, K. Negritude, Usos e sentidos. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

NUNES, C.; SANTANA, J. C.; FRANCO, N. H. R. Epistemologias negras e educação: relações étnico-raciais na formação do(a) pedagogo(a). Roteiro, v. 46, p. e26314, 2021.

OLIVEIRA, A.; ALVES-BRITO, A.; MASSONI, N. T. Educação para as relações étnico-raciais no ensino de física e astronomia no Brasil: mapeamento da produção em mestrados profissionais (2003-2019). Revista Alexandria, 2021.

OLIVEIRA, K.; SARAIVA, M.F. Astronomia & astrofísica. São Paulo: Editora da Física, 2015.

ORTEGA, F.; ZORZANELLI, R. Corpo em evidência: a ciência e a redefinição do humano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

OSTERMANN, F.; CAVALCANTI, C. J. H. Epistemologia. Porto Alegre: Evangraf, 2011a.

OSTERMANN, F.; CAVALCANTI, C. J. H. Teorias de aprendizagem. Porto Alegre: Evangraf, 2011b.

PINHEIRO, B. C.; ROSA, K. R. (org.). Descolonizando saberes: a Lei 10.639/2003 no ensino de ciências. São Paulo: Livraria da Física, 2018.

PIRES, A. S. T. Evolução das Ideias da Física. São Paulo: Livraria da Física, 2008.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, B. de S.; MENESES, M. P. (org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Editora Cortez, 2010.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LAND-ER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005.

REBEQUE, P. V.; OSTERMANN, F.; VISEU, S. A nova gestão pública no contexto da formação continuada de professores: o caso do mestrado nacional profissional em ensino de física. Ciência & Educação, v. 26, p. e20022, jul. 2020.

REIS, J. C.; GUERRA, M. B. Da necessidade de valorizar a história e a filosofia da ciência na formação de professores. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, 12., 2010, Águas de Lindóia. Anais [...] Águas de Lindóia, 2010.

REIS, M. da C.; SILVA, C. M. da. Bases epistemológicas de pesquisas relacionadas à população negra e educação. Roteiro, v. 46, p. e26312, 2021.

ROSA, K.; ALVES-BRITO, A.; PINHEIRO, B. C. S. Pós-verdade para quem? Fatos produzidos por uma ciência racista. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 37, n. 3, p. 1440-1468, dez. 2020.

SAID, E. W. Orientalismo: o oriente como uma invenção do ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SANTOS, A. C. F. dos. You don’t look like a physicist. The Physics Teacher, v. 55, 2017.

SCHWARCZ, L. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil - 1870 - 1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SILVA, M. B. S. da; FRANCO, V. S. Um estudo sobre a evasão no curso de física da Universidade Estadual de Maringá: modalidade presencial versus modalidade à distância. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, v. 13, p. 337-360, 2014.

SILVÉRIO, V. R. Multiculturalismo e metamorfose na racialização: notas preliminares sobre a experiência contemporânea brasileira. In: BONELLI, M. da G.; LANDA, M. D. V (org.). Sociologia e Mudança Social no Brasil e na Argentina. São Carlos: Compacta Gráfica e Editora, 2013.

SKIDMORE, T. Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2012.

STENGERS, I. A invenção das ciências modernas. São Paulo: Editora 34, 2002.

VILLANI, A. Mestrado profissional em ensino de ciências e matemática: uma interpretação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 11, n. esp. 1, p. 418-433, 2016.

Downloads

Publicado

08-09-2021

Como Citar

ALVES-BRITO, A. Cosmologias racializadas: processos políticos e educativos anti(racistas) no ensino de Física e Astronomia. Roteiro, [S. l.], v. 46, p. e26279, 2021. DOI: 10.18593/r.v46.26279. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/26279. Acesso em: 18 out. 2021.

Edição

Seção

Seção temática: Epistemologias Negras e Processos Educativos