Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva: por uma (auto)crítica propositiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v46i.24342

Palavras-chave:

Política de educação inclusiva, Educação Especial, Atendimento Educacional Especializado

Resumo

Este ensaio aborda a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (PNEE-PEI), divulgada em 2008 pelo governo federal brasileiro, com o objetivo de empreender uma crítica ao modo como esta foi implementada nos últimos anos e, também, de apresentar possibilidades para a reformulação dessa política. O modelo de Atendimento Educacional Especializado extraclasse é rechaçado, defendendo-se uma proposta de educação inclusiva que incorpore previsão legal de serviços e suportes diversificados para atender as especificidades do Público-Alvo da Educação Especial (PAEE). Discute-se a necessidade de reorganização da escola comum, da formação docente especializada e de participação das escolas especiais em um sistema educacional inclusivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovani Ferreira Bezerra, Universidade Federal da Grande Dourados

Doutor em Educação (2017) pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), área de concentração em História, Políticas e Gestão da Educação. Mestre em Educação (2012), área de concentração em Educação, Linguagem e Sociedade, pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), unidade universitária de Paranaíba. Especialista em Gestão Escolar e Projetos Educacionais pelas Faculdades Integradas de Paranaíba (FIPAR). Graduado em Pedagogia (2010) pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), unidade universitária de Paranaíba. Desenvolve estudos e pesquisas sobre inclusão escolar de pessoas com deficiência, práticas pedagógicas em Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva, história e memória da Educação Especial. Atualmente, é Professor da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).

Referências

ALVES, G. L. Nasce uma nova instituição educacional. Intermeio: revista do Mestrado em Educação, Campo Grande, v. 4, n. 8, p. 6-17, 1998. Disponível em: http://www.desafioonline.ufms.br/index.php/intm/article/view/2642. Acesso em: 17 set. 2019.

BEZERRA, G. F. A inclusão escolar de alunos com deficiência: uma leitura baseada em Pierre Bourdieu. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 69, p. 475-497, abr./jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-24782017226924.

BEZERRA, G. F. A Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva: a problemática do profissional de apoio à inclusão escolar como um de seus efeitos. Revista Brasileira de Educação Especial, Bauru, v. 26, n. 4, p. 673-688, out./dez. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-54702020v26e0184.

BEZERRA, G. F.; ARAUJO, D. A. de C. Em busca da flor viva: para uma crítica ao ideário inclusivista em educação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 34, n. 123, p. 573-588, abr./jun. 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302013000200014.

BEZERRA, G. F. Enquanto não brotam as flores vivas: crítica à pedagogia da inclusão. 2012. 270 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Paranaíba, 2012.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n. 2, de 11 de setembro de 2001. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília, DF: CNE, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf. Acesso em: 24 fev. 2010.

BRASIL. Constituição. República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, 5 out. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 17 set. 2019.

BRASIL. Decreto nº. 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 nov. 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm#art8. Acesso em: 24 dez. 2011.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 59, de 11 de novembro de 2009. Acrescenta § 3º ao art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para reduzir, anualmente, a partir do exercício de 2009, o percentual da Desvinculação das Receitas da União incidente sobre os recursos destinados à manutenção e desenvolvimento do ensino de que trata o art. 212 da Constituição Federal, [...] a inserção neste dispositivo de inciso VI. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 nov. 2009a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc 59.htm. Acesso em: 19 fev. 2017.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 6 set. 2011.

BRASIL. Lei n. 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 abr. 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm. Acesso em: 18 fev. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. A consolidação da inclusão escolar no Brasil (2003–2016). Brasília: MEC, 2016. Disponível em: http://feapaesp.org.br/material_download/571_Orienta%C3%A7%C3%B5es%20para%20implementa%C3%A7%C3%A3o%20da%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20Especial%20na%20Perspectiva%20da%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20Inclusiva.pdf. Acesso em: 17 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n.º 4, de 1º de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2 out. 2009b. Disponível em: http://www.cesarcallegari.com.br/v1/edesp.pdf. Acesso em: 21 abr. 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: MEC, jan. 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 6 out. 2019.

GARCIA, R. M. C. Política de educação especial na perspectiva inclusiva e a formação docente no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 52, p. 101-119, jan./mar. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v18n52/07.pdf. Acesso em: 20 maio 2017.

GLAT, R.; VIANNA, M. M.; REDIG, A. G. Plano Educacional Individualizado: uma estratégia a ser construída no processo de formação docente. Ciências Humanas e Sociais em Revista, Rio de Janeiro: EDUR, v. 34, n. 12, p. 79-100, 2012. Disponível em: http://www.ufrrj.br/SEER/index.php?journal=chsr&page=article&op=view&path%5B%5D=834&path%5B%5D=674. Acesso em: 4 jul. 2014.

HARLOS, F. E. Formação de professores para Educação Especial no Paraná: cursos de pedagogia, pós-graduações lato sensu e políticas públicas. 2015. 165 f. Tese (Doutorado em Educação Especial) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/7260/TeseFEH.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 20 maio 2017.

MARIN, M.; BRAUN, P. Ensino colaborativo como prática de inclusão escolar. In: GLAT, R.; PLETSCH, M. Estratégias educacionais diferenciadas para alunos com necessidades especiais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013. p. 49-64.

MENDES, E. G. A política de educação inclusiva e o futuro das instituições especializadas no Brasil. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 27, n. 22, p. 1-23, 2019. Disponível em: https://epaa.asu.edu/ojs/article/view/3167/2217. Acesso em: 17 set. 2019.

MENDES, E. G. Sobre alunos “incluídos” ou “da inclusão”: reflexões sobre o conceito de inclusão escolar. In: VICTOR, S. L.; VIEIRA, A. B.; OLIVEIRA, I. M. (org.). Educação especial inclusiva: conceituações, medicalização e políticas. Campos dos Goytacazes: Brasil Multicultural, 2017. p. 60-83.

MENDES, E. G. Inclusão marco zero: começando pelas creches. Araraquara: Junqueira&Marin, 2010.

OLIVEIRA, P. S. de; MENDES, E. G. Análise do projeto pedagógico e da grade curricular dos cursos de licenciatura em educação especial. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 1, p. 264-279, mar. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v43n1/1517-9702-ep-S1517-9702201605145723.pdf. Acesso em: 17 set. 2019.

PLETSCH, M.; SOUZA, F.; ORLEANS, L. A diferenciação curricular e o desenho universal na aprendizagem como princípios para a inclusão escolar. Revista Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 14, n. 35, p. 264-281, 2017. Disponível em: http://periodicos.estacio.br/index.php/reeduc/article/view/3114/1662. Acesso em: 21 dez. 2020.

SKLIAR, C. B. A educação e a pergunta pelos Outros: diferença, alteridade, diversidade e os outros “outros”. Ponto de Vista: revista de educação e processos inclusivos, Florianópolis, n. 5, p. 37-49, jan. 2003. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/pontodevista/article/view/1244. Acesso em: 17 set. 2019.

SOUZA, A. C. de et al. A inclusão escolar no município de Paranaíba (MS): reflexões sobre a atuação profissional do monitor de alunos com deficiência. Revista Pedagógica, Chapecó: Unochapecó, ano 16, v. 2, n. 29, jul./dez. 2012. Disponível em: http://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/1467. Acesso em: 10 set. 2015.

UNESCO. Declaração de Salamanca sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais e estrutura de ação em educação especial. Salamanca: Unesco, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 2 dez. 2011.

VICENTE, B. T.; BEZERRA, G. F. Estagiários e professores regentes como agentes do processo de inclusão escolar: problematizando suas (inter)ações. Revista Linhas, Florianópolis, v. 18, n. 38, 214-244, set./dez. 2017. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1984723818382017214/pdf. Acesso em: 12 fev. 2020.

VYGOTSKI, L. S. Obras escogidas V: fundamentos de defectología. Madrid: Visor, 1997.

ZERBATO, A. P.; MENDES, E. G. Desenho universal para a aprendizagem como estratégia de inclusão escolar. Educação Unisinos, São Leopoldo, v. 22, n. 2, p. 147-155, abr./jun. 2018. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/educacao/article/view/edu.2018.222.04/60746207. Acesso em: 17 set. 2019.

Downloads

Publicado

05-03-2021

Como Citar

BEZERRA, G. F. . Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva: por uma (auto)crítica propositiva. Roteiro, [S. l.], v. 46, p. e24342, 2021. DOI: 10.18593/r.v46i.24342. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/24342. Acesso em: 24 set. 2021.

Edição

Seção

Ensaios