Apresentação: Políticas educacionais e o avanço da nova (ou extrema?) direita

Palavras-chave: Políticas educacionais

Resumo

Trata-se de uma proposta acadêmica, mas também política e militante, que objetiva debater e problematizar sobre as mudanças políticas ocorridas nos últimos anos, não só no Brasil, mas também em outros países da América Latina e do mundo, focando em um tema em particular: o das políticas públicas educacionais, face ao avanço da nova (ou extrema?) direita.

O dossiê trata de um tema que não é estranho aos brasileiros, pois o avanço da extrema direita e suas particularidades estão presentes todos os dias na pauta de variados jornais (impressos, televisados e/ou virtuais), nas mídias sociais e até em situações quotidianas, como no diálogo entre pessoas nos mais diversos âmbitos da sociedade.

Para tratar do assunto, convidamos renomados professores brasileiros e estrangeiros a colaborar, pensadores cujos aportes críticos têm contribuído, sobremaneira, para a compreensão das problemáticas contemporâneas vinculadas ao avanço de uma perspectiva política – a extrema direita – que é unanimemente considerada, em todos os nossos textos, predatória dos direitos e interesses da classe trabalhadora, da democracia e dos setores desfavorecidos e marginalizados da nossa sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Fernando Hermida, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Filosofia e História da Educação (UNICAMP). Professor do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE) e do Mestrado Profissional em Gestão em Organizações Aprendentes (MPGOA), ambos da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Paulino José Orso, Unioeste

Paulino José Orso, possui graduação em Filosofia  (1989), mestrado e doutorado em Educação pela Unicamp e Pós-doutorado em Educação pela UERJ. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em História e filosofia da Educação, e desenvolve estudos, pesquisas e atividades de extensão sobre Liberalismo e educação e Pedagogia Histórico-Crítica. Foi bolsista produtividade da Fundação Araucária, integra o Conselho Universitário da Unioeste e é líder do Grupo de Pesquisa HISTEDOPR.

Referências

ALBRIGHT, M. Fascismo. Um alerta. São Paulo: Planeta, 2018.

CASTELLS, M. Ruptura: a crise da democracia liberal. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

DUNKER, C. I. L. Diário do ano da peste. Le Monde Diplomathique Brasil, ano 13, n. 152 mar. 2020.

ECO, U. O fascismo eterno. 6. ed. Rio de Janeiro: Record, 2019.

FRANCISCO, M. É possível sair deste abismo? Le Monde Diplomathique Brasil, ano 13, n. 152 mar. 2020.

LEVITSKY, S.; ZIBLAT, D. Como as democracias morrem. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

LYRA, R.P. O protofascismo brasileiro. Carta Maior – O Portal da Esquerda, 31 mar. 2020. Disponível em: https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Antifascismo/O-protofascismo-brasileiro/47/47000 Acesso em: 2 jun. 2020.

RANCIÈRRE, J. O ódio à democracia. São Paulo: Boitempo, 2014.

STANLEY, J. Como funciona o fascismo. A política do “nós” e “eles”. Porto Alegre: L&PM, 2018.

Publicado
10-06-2020
Como Citar
HERMIDA, J. F.; ORSO, P. J. Apresentação: Políticas educacionais e o avanço da nova (ou extrema?) direita. Roteiro, v. 45, p. 1-8, 10 jun. 2020.
Seção
Seção temática: Políticas educacionais e o avanço da nova (ou extrema?) direita