Formação continuada de professoras alfabetizadoras: relações com a alfabetização e letramento

Palavras-chave: Formação Continuada. Alfabetização e Letramento. Professoras Alfabetizadoras.

Resumo

A formação continuada é um processo constante, sendo importante que a mesma promova a autonomia e criticidade das professoras alfabetizadoras, além de oportunizar a busca de instrumentos necessários no processo de alfabetização e letramento dos estudantes. Ler e escrever proporcionam aos seres humanos a capacidade de ação segundo suas normas e conceitos e geram as condições necessárias para alcançar níveis mais elevados de aprendizagem. A pesquisa teve como objetivo geral analisar a concepção das professoras alfabetizadoras sobre a alfabetização na perspectiva do letramento. Com abordagem qualitativa, os dados foram coletados por meio de questionário, contendo nove perguntas fechadas, junto a trinta professoras efetivas com experiência em turmas de 1º e/ou 2°ano da rede municipal de educação de Lages/SC. Na segunda etapa da pesquisa empírica, foram selecionadas as professoras, de acordo com os critérios de inclusão, para a realização da entrevista semiestruturada. Após a pesquisa, foi possível verificar, de acordo com a percepção das professoras, que as turmas de 1º e 2º ano necessitam de um enfoque diferenciado, levando em consideração a importância da alfabetização e letramento para os estudantes. Exaltam, também, a premência de práticas alfabetizadoras que promovam, com os estudantes, possibilidades de avanços no conhecimento e transformação da realidade social em que vivem. Desse modo, torna-se imprescindível que a formação continuada de alfabetizadoras oportunize às professoras aprofundarem questões inerentes a esse processo e que leve em consideração as práticas e exigências educacionais, no desenvolvimento dos conteúdos curriculares da Educação Básica.

Palavras-chave: Formação Continuada. Alfabetização e Letramento. Professoras Alfabetizadoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leticia Arruda, UNIPLAC

Mestra em Educação pela Universidade do Planalto Catarinense UNIPLAC (2019). Integrante do grupo de pesquisa Núcleo em Educação Básica (NUPEB). Possui especialização em gestão e práticas psicopedagógicas pelo Centro Universitário UNIFACVEST (2010), graduação em Pedagogia pelo Centro Universitário UNIFACVEST (2009). Atualmente é servidora pública - Secretaria Municipal da Educação de Lages. Tem experiência na área de alfabetização, atuando principalmente nos seguintes temas: formação continuada, alfabetização e letramento, políticas públicas, professoras alfabetizadoras.

Maria Selma Grosch, UNIPLAC

Licenciada em Pedagogia - Supervisão Escolar pela FAFI (PR) Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Palmas (1992), Especialista em Psicologia Educacional pela UNIVALI (SC) - Universidade do Vale do Itajaí (1993) Mestre em Educação pela FURB(SC) - Universidade Regional de Blumenau (1998) e Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação UFSC- Universidade Federal de Santa Catarina (2011). Pós-Doutorado no PPGEd da UNOESC, sob a supervisão da Profa. Dra. Leda Scheibe (USC). Atuação profissional:Professora aposentada do Centro de Ciências da Educação da FURB. Atualmente é professora titular no PPGE- Programa de Pós Graduação em Educação da UNIPLAC- Universidade do Planalto Catarinense em Lages(SC). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Formação Continuada de Professoras/es, Políticas de Formação de Professoras/es; Políticas de Alfabetização e Letramento; Fundamentos Epistemológicos da Didática Geral; Didática do Ensino Superior. Membro do Grupo de Pesquisa em Educação Básica (NUPEB) da UNIPLAC.

Referências

ANDRÉ, M. Políticas de apoio aos docentes em estados e municípios brasileiros: dilemas na formação de professores. Educar em Revista, Curitiba, n. 50, p. 35-49, 2013.
ANDRÉ, M. Formar o professor pesquisador para um novo desenvolvimento profissional. In: ANDRÉ, Marli (org.). Práticas inovadoras na formação de professores. Campinas: Papirus, 2016, p. 17-34.
BRASIL. Ministério de Educação. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.
BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília, DF: Secretaria da Educação Fundamental, 1997.
BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação - PNE/Ministério da Educação. Brasília, DF: INEP, 2001.
BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Ministério da Educação. Brasília, 2015. Disponível em http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 30 mar. 2018.
CANDAU, V. M. Formação continuada de professores: tendências atuais. In: CANDAU, Vera Maria (org.). Magistério: construção cotidiana. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 51-68.
DIAS, M. da S.; SOUZA, N. M. M. de. Contribuições para Compreender a Formação na Licenciatura e na Docência. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 33, p. 01-24, 2017.
FLICK, U. Introdução à Metodologia de Pesquisa: um guia para iniciantes. Porto Alegre: Penso, 2012.
GATTI, B. A. Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, Anped, v. 13, n. 37, p. 57 -70, 2008.
GATTI, B. A. GARCIA, Walter E. (org.). Bernardete A. Gatti: educadora e pesquisadora. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.
GATTI, B. A. Questões: professores, escolas e contemporaneidade. In: ANDRÉ, Marli (org.). Práticas inovadoras na formação de professores. Campinas, SP: Papirus, 2016, p. 35-48.
GROSCH, M. S. A formação continuada de professores na rede municipal de ensino de Blumenau: a escola de formação permanente Paulo Freire - EFPPF (1997-2004). 2011. Tese (Educação) – Programa de Pós-Graduação em educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.
GROSCH, M. S. Ação humana, atividade docente e formação continuada de professores: perspectiva a partir do pensamento de Hannah Arendt. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, Sergipe, v. 11, n. 25, p. 71-82, 2018.
IMBERNÓN, F. Formação permanente do professorado: novas tendências. São Paulo: Cortez, 2009.
IMBERNÓN, F. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.
IMBERNÓN, F. Novos desafios da docência no século XXI: a necessidade de uma nova formação docente. In: GATTI, Bernardete A. et al. (org.). Por uma revolução no campo de formação de professores. São Paulo: Unesp, 2015. p. 75-82.
INAF. Inaf Brasil 2018: resultados preliminares. Instituto Paulo Montenegro. Disponível em: http://acaoeducativa.org.br/wpcontent/uploads/2018/08/Inaf2018_Relat%C3%B3rio-Resultados-Preliminares_v08Ago2018.pdf. Acesso em: 22 nov. 2018.
LAGES. Leis Municipais. Lei n. 353, de 03 de fevereiro de 2011. Dispõe sobre o plano de carreira e de remuneração do magistério do município de Lages – SC, Lages, SC, fev. 2011.
LIBÂNEO, J. C. Adeus Professor, Adeus Professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2011.
ROSA, G. A. da; GROSCH, M. S.; LORENZINI, V. P. Reflexões sobre educação na contemporaneidade: certezas, (in) certezas e desafios. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação. Araraquara, v. 12, n. 2, p. 1037-1055, 2017.
SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica. 11. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.
SILVA, A. C. da; SANTOS, S. M. dos. Avaliação da formação continuada no Estado do Rio de Janeiro: um estudo de caso. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação. Rio de Janeiro, v. 21, n. 79, p. 269-298, 2013.
SILVA, E. T. da. Prefácio. In: SILVA, Ezequiel Theodoro da. Alfabetização no Brasil: questões e provocações da atualidade. Campinas, SP: Autores Associados, 2007. p. 1-5.
SILVA, E. T. da. Os (des) caminhos da escola: traumatismos educacionais. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2011.
SOARES, M. B. Alfabetização e letramento. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2017.
SOARES, M. B. Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto, 2018.
Publicado
10-07-2020
Como Citar
ARRUDA, L.; GROSCH, M. S. Formação continuada de professoras alfabetizadoras: relações com a alfabetização e letramento. Roteiro, v. 45, 10 jul. 2020.
Seção
Artigos de demanda contínua