O empoderamento docente e a aproximação entre a Universidade e a Escola: alguns desafios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v46i.23899

Palavras-chave:

Educação Matemática, Formação de Professores, Autonomia, Parceria, Pesquisa Colaborativa

Resumo

Neste artigo, considerando o atual contexto sócio-político brasileiro, trazemos à tona temas como o empoderamento docente e a aproximação entre a Universidade e a Escola, enquanto desafios enfrentados no decorrer da formação inicial de professores de Matemática. Desse modo, ponderamos que o empoderamento docente evidencia possibilidades de uma possível autonomia em relação ao profissional professor (técnico, reflexivo e intelectual crítico). Quanto a aproximação entre a Universidade e a Escola, traremos as perspectivas de parceria na formação de professores, são elas: dirigida, oficial e colaborativa. Com essa compreensão, procuramos aproximar os contextos de formação à realidade do professor, buscando possibilidades reais de investigação, a partir da visão de unidade entre teoria e prática, pesquisa e formação, universidade e educação básica. Nessa perspectiva, o referencial teórico e metodológico traz, em seu bojo, a colaboração, a reflexão crítica e a produção de conhecimento vinculadas a sua natureza dialógica, o que nos possibilita a construção de um percurso em que tais ações sejam capazes de contribuir para a profissionalização do professor, de modo a viabilizar o aprimoramento de saberes necessários para a busca de caminhos e respostas aos inúmeros desafios e necessidades de sua ação pedagógica, perspectivando um sujeito em estado de consciência crítica e engajado na transformação de sua realidade. A partir dessas discussões, as análises levaram-nos a concluir que é necessário que a universidade propicie a esses profissionais a compreensão de seu verdadeiro papel social, na tentativa de compreender-nos criticamente em relação aos valores e as práticas que atuamos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Sandalo Pereira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS).

Docente e Diretora do Instituto de Matemática.

Líder do Grupo de Pesquisa FORMEM – Formação e Educação Matemática.

Nickson Moretti Jorge

Rede Estadual de Ensino de São Paulo. Professor.

Membro do Grupo de Pesquisa FORMEM – Formação e Educação Matemática.

Kely Fabrícia Pereira Nogueira

Prefeitura Municipal de Campo Grande (PMCG). Professora.

Membro do Grupo de Pesquisa FORMEM – Formação e Educação Matemática.

Referências

BAKTHIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 9. ed. São Paulo: Editora Hucitec, 1999.

BROUSSEAU, G. Os diferentes papéis do professor. In: PARRA, C.; SAIZ, I. (org.). Didática da matemática: reflexões psicopedagógicas. Porto Alegre: Artmed, 2008.

CAETANO, A. Para uma conceptualização da reflexão na investigação-acção. Revista Portuguesa de Pedagogia, p. 113-133. 2003.

COCHRAN-SMITH, M.; LITLE, S. L. Relationship of knowledge and practice: teacher learning in communities. Review of Research in Education, n. 24, p. 249-305, 1999.

CONTRERAS, J. Autonomia de professores. 2. ed. Tradução: Sandra Trabuco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2012

FOERSTE, E.; LÜDKE, M. Avaliando experiências concretas de parceria na formação de professores. Avaliação/Rede de Avaliação Institucional da Educação Superior - RAIES, v. 8, n. 4, p. 163-182, dez. 2003.

FOERSTE, E. Parceria na formação de professores. Revista Iberoamericana de Educación, p. 1-12, 2004.

GATTI, B. A. Formação de professores e carreira: problemas e movimentos de renovação. Campinas, SP: Autores Associados, 1997.

GHEDIN, E. Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. In: PIMENTA, S.; GHEDIN, E. (org.). Professor Reflexivo no Brasil - gênese e crítica de um conceito. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

IBIAPINA, I. M. L. M. Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília DF: Líber Livro Editora, 2008.

IMBERNÓN, F.; CAUDURO, M. A formação como desenvolvimento profissional dos professores de educação física e as políticas públicas. Revista de Ciências Humanas, v. 14, n. 23, p. 17-30, 2013.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011. v. 14.

KEMMIS, S. Approachests to Staff Development. In: WINDEEN. M. F.; ANDREWS, I. Staff developmente for school improvement. Philadelphia: Imago Publishing, 1986.

LIBERALI, F. C. Formação crítica de educadores: questões fundamentais. 2. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2012. (Coleção Novas Perspectivas em Linguística Aplicada, v. 8).

MAGALHÃES, M. C.; LIBERALI, F. C. O Interacionismo Sociodiscursivo em Pesquisa com Formação de Educadores. Calidoscópio, v. 2, n. 2, 2004.

MIZUKAMI, M. G. N. Aprendizagem da docência: professores formadores. Revista E-Curriculum, v. 1, n. 1, dez./jul. 2005-2006.

NASCIMENTO, M. G.; ALMEIDA, P. C. A.; PASSOS, L. F. Formação docente e sua relação com a escola. Rev. Port. de Educação, v. 29, n. 2, dez. 2016.

NOGUEIRA, K. F. P. Necessidades formativas na constituição do professor de matemática em formação e em exercício: diálogos e conexões. 2019. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Matemática, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2019.

NÓVOA, A. O passado e o presente do professor. In: NÒVOA, A. Profissão professor. Porto: Porto Ed., 1995.

OLIVEIRA, I.; SERRAZINA, L. A reflexão e o professor como investigador. In: GTI (org.). Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Lisboa: APM, 2002.

OLIVEIRA, W.; MAGALHÃES, M. C. C. A colaboração crítica como categoria de análise da atividade docente. In: MAGALHÃES, M. C. C.; FIDALGO, S. S. (org.). Questões de método e de linguagem na formação docente. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. p. 65-76.

PONTE, J. P. A vertente profissional da formação inicial de professores de matemática. Revista da Sociedade Brasileira de Educação Matemática, n. 11a, p. 3-8, 2002.

SOUZA. J. Possibilidades de reflexão crítica e colaboração em contextos de formação continuada: para além do discurso. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2012.

SILVA, L. N. D. Formação de professores: dilemas e desafios da relação entre teoria e prática. 1. ed. Curitiba: Appris, 2013.

ZEICHNER, K. A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa. 1993.

WALLAT, C. et al. Issues related to action research in the classroom - The teacher and researcher as a team. In: GREEEN, J. L.; WALLAT, C. (ed.). Ethnography and language in educational settings. Norwood: Ablex, 1981.

Downloads

Publicado

11-03-2021

Como Citar

PEREIRA, P. S.; JORGE, N. M.; NOGUEIRA, K. F. P. O empoderamento docente e a aproximação entre a Universidade e a Escola: alguns desafios. Roteiro, [S. l.], v. 46, p. e23899, 2021. DOI: 10.18593/r.v46i.23899. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/23899. Acesso em: 19 set. 2021.

Edição

Seção

Seção Temática: Desafios da formação de professores para o ensino de Matemática

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)