Currículo de história e agência docente: possibilidades de articulação nos anos iniciais do ensino fundamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v46i0.23857

Palavras-chave:

Currículo de história, Relação com o saber, Agência, Ensino fundamental

Resumo

Este texto tem por objetivo explorar as articulações entre a produção de currículos de História e os processos de subjetivação política mobilizados pelas professoras dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, na relação estabelecida com o conhecimento histórico legitimado como objeto de ensino. As contribuições das teorizações curriculares pós-estruturalistas e da pesquisa biográfica ofereceram o quadro de inteligibilidade no âmbito do qual significamos e operamos, nesta escrita, com as categorias analíticas selecionadas. Nesse movimento procuramos compreender a relação estabelecida pelas docentes com o saber histórico escolar. Na perspectiva aqui privilegiada, o entendimento da natureza dessa relação é uma chave de leitura incontornável para a compreensão da articulação pretendida. Ao longo do texto, buscamos sustentar e argumentar a favor da potência heurística de trabalharmos na interface de duas hipóteses: (i) os/as docentes produzem e reinventam currículos no seu cotidiano profissional por meio do tipo de relação estabelecida com o conhecimento na sala de aula e (ii) a agência docente está diretamente vinculada à maneira de como elas significam essa relação. Selecionamos como campo empírico um conjunto de narrativas de docentes dos Anos Iniciais cujas práticas profissionais exercidas em culturas escolares distintas têm em comum o fato de serem reconhecidas, pelos seus próprios pares, como diferenciadas e instigantes no que diz respeito ao ensino de História nesse nível de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carmen Teresa Gabriel, UFRJ

Carmen Teresa Gabriel concluiu o Doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) em 2003. É bacharel e licenciada em História pela Universidade Federal Fluminense (1980), possui pós-graduação em Estudos do Desenvolvimento pelo Institut d´Études du Développement - IUED (1982 Genebra) e mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1999). Realizou pós-doutorado na Université des Sicences Humaines de Lille 3 (França) com apoio da CAPES agosto 2014-julho 2015)..Coordenou de 2009 à 2013 o Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da UFRJ (PPGE). Coordenou o PIBID/História da UFRJ de 2009-2013. Entre 2011-2013 integrou a diretoria da ANPED. Desde 2011 é Professora Titular de Currículo da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Exerceu o cargo de Diretora na Faculdade de Educação entre 2016 a 2019. Atualmente coordena o Comitê Permanente do Complexo de Formação de Professores (CFP) da UFRJ. É bolsista de produtividade de Pesquisa do CNPq e Cientista do Nosso Estado /CNE (FAPERJ). Atua em orientação, pesquisa e docência nas áreas de Currículo e de Ensino de História na graduação (Curso de Pedagogia e de Licenciatura de História da UFRJ) e nos programas de Pós-graduação em Educação (PPGE /UFRJ) e programa de Pós-graduação em ensino de História (PROFHistória/IH/UFRJ). Coordena o grupo de pesquisa Currículo, Conhecimento e Ensino de História (GECCEH) e integra também como pesquisadora o Núcleo de Estudos de Currículo - NEC da Faculdade de Educação/UFRJ , o Laboratório de Estudos e Pesquisa em Ensino de História (LEPEH) e o grupo de pesquisa interinstitucional Oficinas da História. Participa ainda de grupos de pesquisa no Centre Interuniversitaire de Recherches en Education de Lille (CIREL). Possui publicações em periódicos qualificados nacionais e internacionais, capítulos de livros e em anais nas áreas do Currículo e do Ensino de História. Suas pesquisas recentes, financiadas pelo CNPq, CAPES e FAPERJ operam com o entendimento de currículo como espaço biográfico em meio à estruturação discursiva de uma ordem social desigual, focalizando a articulação entre processos de subjetivação docente/discente e de objetivação do conhecimento em diferentes contextos de formação.

Tatiana Polliana Pinto de Lima, UFRB

Professora Adjunta na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Doutora em Educação pela UFBA. Docente do Programa de Pós Graduação em Currículo, Linguagens e Inovações Pedagógicas da UFBA e do Programa de Pós Graduação em Educação Científica, Inclusão e Diversidade da UFRB

Referências

AIRFUCH, L. O espaço biográfico. Dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.

BIESTA, G. Para além da aprendizagem. Educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2013.

BITTENCOURT, C. (org.). O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2004.

BUTLER, J. Regulações de Gênero. Cadernos Pagu, n. 42, p. 249-274, jan./jun. 2014.

CHARLOT, B. Da relação com o saber - Elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed, 2000.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa, Teoria & Educação, v. 2, p. 177-229, 1990.

CUNHA, E.; LOPES, A. C. Base Nacional Comum Curricular: regularidade na dispersão. Investigación Cualitativa, v. 2, p. 23-35, 2017.

DELORY-MOMBERGER, C. A condição biográfica. Ensaios sobre a narrativa se si na modernidade avançada. Coleção Pesquisa (Auto)Pesquisa autobiográfica e Educação. Natal: EDUFRN, 2010.

DIAS, B. N. de S. Tornar-se professor: sentidos negociados de docência no currículo de Pedagogia da UFRJ. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

GABRIEL, C. T.; COSTA, W. da. Currículo de História, políticas de diferença e hegemonia: diálogos possíveis. Educação e Realidade, v. 36, n. 1, p. 127-146, jan./abr. 2011.

GABRIEL, C. T. Cultura histórica nas tramas da didatização da cultura escolar ou Por uma outra definição de Didática da História). In: ROCHA, H.; MAGALHÃES, M.; GONTIJO, R. O ensino de História em questão: cultura histórica, usos do passado. 1. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2015. v. 1, p. 161-182.

GABRIEL, C. T.; FERREIRA, M. S. Disciplina escolar e conhecimento escolar: conceitos sob rasura no debate curricular contemporâneo. In: LIBÂNEO, J. C.; ALVES, N. Temas de Pedagogia: diálogos entre didática e currículo. São Paulo: Cortez, 2012.

GABRIEL, C. T. Objetivação e subjetivação nos currículos de licenciaturas: revisitando a categoria saber docente. Revista Brasileira de Educação, v. 23, p. e230071, nov. 2018a. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/s1413-24782018230071.

GABRIEL, C. T. Relação com o saber: uma proposta de releitura pós-fundacional. In: LOPES, A. C.; OLIVEIRA, A. L. A. R. M. de; OLIVEIRA, G. G. de S. A teoria do discurso na pesquisa em educação. Recife: Editora UFPE, 2018b.

GRAMSCI, A. Quaderni del carcere. Torino: Einaudi, 1975.

HARTOG, F. Tempos do mundo, história, escrita da história. In: GUIMARÃES, M. L. S. Estudos sobre escrita da história. Rio de Janeiro: Editora Sete Letras, 2007. p. 15-28.

HERNANDEZ, D. M. C. El sujeto en la trama: biografía y poder en-clave posfundacional. Revista Mexicana de Investigation Educativa, v. 19, n. 63, p. 1195-1220, out./dez. 2014.

HOWARTH, D. Discourse. Buckinghtam/Philadephia: Opens University Press, 2000.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Hegemonía y estrategia socialista. Hacia una radicalización de la democracia. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica de Argentina, 2004.

LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-29, jan./abr. 2002.

LIMA, T. P. P. de. Entrelaçando Saberes e Práticas: a história ensinada no 5. Ano do Ensino Fundamental. Curitiba: CRV, 2019.

LOPES, A. C. Por um currículo sem fundamentos. Linhas Críticas, v. 21, n. 45, p. 445-466, out. 2017.

MACEDO, E. “A Base é a base.” E o currículo, o que é? In: AGUIAR, M. Â. da S.; DOURADO, L. F. (org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018. p. 28-33.

MACEDO, E. As demandas conservadoras do movimento escola sem partido e a base nacional curricular comum. Educação & Sociedade, v. 38, p. 507-524, 2017.

MACEDO, E. Base Nacional Comum para Currículos: direitos de aprendizagem e desenvolvimento para quem? Educação e sociedade, v. 36, n. 133, p. 891-908, 2015.

MACEDO, E. Fazendo a Base virar realidade: competências e o germe da comparação Revista Retratos da Escola, v. 13, n. 25, p. 39-58, jan./maio 2019.

MACEDO, E.; MILLER, J. L. Políticas públicas de currículo: autobiografia e sujeito relacional. Práxis Educativa, v. 13, p. 948-965, 2018.

MACEDO, E.; RANNIERY, T. Políticas públicas de currículo: diferença e a ideia de público. Currículo sem fronteiras, v. 18, p. 739-759, 2018.

MAHMOOD, S. Teoria feminista, agência e sujeito liberatório: algumas reflexões sobre o revivalismo islâmico no Egipto. Etnográfica, Lisboa, v. 10, n. 1, p. 121-158, maio 2006 Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-65612006000100007&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 3 mar. 2020.

MARCHART, O. El pensamiento político posfundacional: la diferencia política en Nancy, Lefort, Badiou y Laclau. 1. ed. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2009.

MONTEIRO, A. M. F. da C. Professores de História: entre saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

NIEWIADOMSKI, C. Recherche biographique et clinique narrative. Entendre et écouter le Sujet contemporain. Toulouse: Editions Erès, 2012.

NUNES, C. M. F. Saberes docentes e formação de professores: um breve panorama da pesquisa brasileira. Educação & Sociedade, ano XXII, n. 74, p. 27-42, abr. 2001.

OLIVEIRA, S. R. F. de. O ensino de história nas séries iniciais: cruzando fronteiras entre a história e Pedagogia. História & Ensino, v. 9, p. 259-272, out. 2003.

PUGAS, M. C. de S. Conhecimento e docência no currículo de pedagogia: entre o pedagógico e o disciplinar. 2013. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

RETAMOZO, B. M. Las demandas sociales y el estudio de los movimientos sociales. Cinta Moebio, n. 35, p. 110-127, set. 2009.

RETAMOZO, B. M. Lo político y la política: los sujetos políticos, conformación y disputa por el orden social. Revista Mexicana de Ciencias Políticas y Sociales, v. 51, n. 206, sep. 2013. DOI: https://dx.doi.org/10.22201/fcpys.2448492xe.2009.206.41034.

RETAMOZO, B. M. Sujetos políticos: teoria y epistemologia. Um diálogo entre la teoria del discurso, el (re)constructivismo y la filosofia de la liberacíon en perspectiva latinoamericana. Ciencia ergo sum, Toluca: Universidade Autónoma del Estado de Mexico, v. 18, n. 1, p. 81-89, 2011.

SCOTT, J. W. Experiência. In: SILVA, A. L. da; LAGO, M. C. de S.; RAMOS, T. R. O. Falas de Gênero. Tradução: Ana Cecília Adoli Lima. Santa Catarina: Editora Mulheres, 1999. p. 21-55.

TARDIF, M.; LESSARD, C.; LAHAYE, L. Os professores face ao saber: esboço de uma problemática do saber docente. Teoria & Educação, n. 4, p. 133-215, 1991.

TARDIF, M. Saberes Docentes e formação profissional. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

VELASCO, D. B. “Realidade do Aluno”, “Cidadão Crítico”, “Conhecimento Escolar”: Que articulações possíveis no Currículo de História? 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

Downloads

Publicado

24-09-2020

Como Citar

GABRIEL, C. T.; LIMA, T. P. P. de. Currículo de história e agência docente: possibilidades de articulação nos anos iniciais do ensino fundamental. Roteiro, [S. l.], v. 46, p. e23857, 2020. DOI: 10.18593/r.v46i0.23857. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/23857. Acesso em: 23 abr. 2021.

Edição

Seção

Seção temática: Uma alternativa às políticas curriculares centralizadas