Formação em deslocamentos: ficção e contrariedade em torno na BNCC

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v46i0.23829

Palavras-chave:

Base Nacional Comum Curricular, Ensino Fundamental, Formação de Professores, Deslocamento, Rio Grande do Norte

Resumo

No Estado do Rio Grande do Norte a formação de professores em torno da Base Nacional Comum Curricular para o ensino fundamental (BNCC) tem ganhado corpo através de agentes como as Diretorias Regionais de Educação e Cultura, em articulação com a Secretaria do Estado da Educação e da Cultura, e Secretarias Municipais de Educação. Neste texto, interessa-nos discutir, a partir de uma visão pós-fundacional, a ideia de implementação da base, considerando o Documento Curricular do Rio Grande do Norte (DCRN) e outros materiais utilizados por esses agentes no processo de formação de professores, cujo protagonismo é exercido pelos coordenadores pedagógicos como multiplicadores de uma formação alinhada à base. Além do conjunto de materiais, lançamos mão de narrativas dos agentes multiplicadores da formação, em um grupo de rede social, que chamamos de grupo focal à base. Nosso interesse é entender como os sujeitos formadores têm significado formação de professores, tomando como referência o DCRN, sem perder de vista o comum da BNCC. Argumentamos que a formação produz deslocamentos em que a escola é recolocada como campo de disputa que tenciona o sentido de educação de qualidade pela significação da formação como insuficiente, ainda que disruptiva. A nossa defesa é que, embora não se divorcie da norma, o processo de formação como implementação de currículos no Rio Grande do Norte pode ser potente para, entre fixações, ficções e tensões, produzir novos arquivos e, por vezes, novos sentidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Tomé, Universidade Estadual do Rio Grande do Norte - UERN

Doutora em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Mestre e Especialista em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. É professora e diretora do Campus Avançado de Patu -CAP, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN. Coordena o Grupo de Pesquisa em Ensino, Literatura e Linguagem (GELIN -UERN). É membro do Grupo de pesquisa Formação, Currículo e Ensino (FORMACE-UERN). Desenvolve seus estudos e pesquisa com ênfase no currículo, formação do professor e diferença.

Maria Santos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ/ProPEd

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - ProPEd/UERJ. É Licenciada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN e Mestrado em Ciências Sociais e Humanas pela mesma instituição.

Referências

BENJAMIN, W. Obras escolhidas III: Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BHABHA, H. O local da cultura. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

BUTLER, J. Marcos de guerra: las vidas lloradas. Paidós, Barcelona, 2009.

BUTLER, J. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

DERRIDA, J. Cartão Postal: de Sócrates a Freud e além. Tradução: Ana Valéria Lessa e Simone Perelson. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

DERRIDA, J. Força de Lei: o fundamento místico da autoridade. 2. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

DERRIDA, J. Mal de Arquivo: uma impressão freudiana. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

DERRIDA, J. Margens da filosofia. Tradução: Joaquim Torres Costa e António M. Magalhães. São Paulo: Papirus, 1991.

DERRIDA, J. O animal que logo sou. São Paulo: Unesp, 2002.

DERRIDA, J. Papel máquina. Tradução: Evando Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade, 2004.

DERRIDA, J. Torre de Babel. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

LOPES, A. C. Ainda é possível um currículo político? In: LOPES, A. C.; ALBA, A. (org.). Diálogos curriculares entre Brasil e México. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014. p. 43-64.

LOPES, A. C. Apostando na produção contextual do currículo. In: AGUIAR, M. A. S.; DOURADO, L. F. A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018. p. 23-27.

LOPES, A. C. Itinerários formativos na BNCC do Ensino Médio: identificações docentes e projetos de vida juvenis. Retratos da Escola, v. 13, n. 25, p. 59-75, 2019. DOI: https://dx.doi.org/10.22420/rde.v13i25.963.

LOPES, A. C. Normatividade e intervenção política: em defesa de um investimento radical. In: LOPES, A. C.; MENDONÇA, D. (org.). A Teoria do Discurso de Ernesto Laclau: ensaios críticos e entrevistas. São Paulo: Annablume, 2015. p. 117-147.

MACEDO, E. Base nacional comum para currículos: direitos de aprendizagem e desenvolvimento para quem? Educação e Sociedade, v. 36, n. 133, p. 891-908, 2015. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/ES0101-73302015155700.

MACEDO, E. Base nacional curricular comum: a falsa oposição entre conhecimento para fazer algo e conhecimento em si. Educação em Revista, v. 32, n. 2, p. 45-67, 2016. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/0102-4698153052.

MACEDO, E. Base nacional curricular comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. E-curriculum, v. 12, n. 3, p. 1530-1555, 2014.

MACEDO, E. Currículo como espaço-tempo de fronteira cultural. Revista Brasileira de Educação, v. 11 n. 32, p. 285-372, maio/ago. 2006. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782006000200007.

MACEDO, E. Fazendo a Base virar realidade: competências e o germe da comparação. Revista Retratos da Escola, Brasília, DF, v. 13, n. 25, p. 39-58, 2019. DOI: https://dx.doi.org/10.22420/rde.v13i25.967.

MACEDO, E. Mas a escola não tem que ensinar?: conhecimento, reconhecimento e alteridade na teoria do currículo. Currículo sem Fronteiras, v. 17, n. 3, p. 539-554, 2017.

MEDEIROS, R. S.; RANNIERY, T. Geografias da criação: currículo, espaço e diferença. In: TOMÉ, C.; MACEDO, E. (org.). Currículo e diferença: afetações em movimento. Curitiba: CRV, 2018. (Série: Temas em currículo, docência e avaliação).

OLIVEIRA, I. B.; FRANGELLA, R. C. P. Com que bases se faz uma base? Interrogando a inspiração político-epistemológica da base nacional comum curricular (BNCC). In: SILVA, F. C. T.; XAVIER FILHA, C. Conhecimento em disputa na base nacional comum curricular. Campo Grande: Ed Oeste, 2019. p. 25-34.

PINAR, W. F. La teoría del curriculum. Madrid, España: Narcea S.A. de Ediciones, 2014.

RIO GRANDE DO NORTE. Secretaria da Educação e da Cultura. Documento curricular do Estado do Rio Grande do Norte: ensino fundamental. Natal: Offset, 2018.

SILVA, F. C. T.; XAVIER FILHA, C. (org.). Conhecimento em disputa na base nacional comum curricular. Campo Grande: Ed Oeste, 2019.

Downloads

Publicado

24-09-2020

Como Citar

TOMÉ, C.; SANTOS, M. Formação em deslocamentos: ficção e contrariedade em torno na BNCC. Roteiro, [S. l.], v. 46, p. e23289, 2020. DOI: 10.18593/r.v46i0.23829. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/23829. Acesso em: 19 set. 2021.

Edição

Seção

Seção temática: Uma alternativa às políticas curriculares centralizadas