A ressignificação da Base Nacional Comum Curricular na rede municipal de Juiz de Fora/MG

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v46i.23809

Palavras-chave:

BNCC, Currículo, Conhecimento, Demanda curricular

Resumo

O objetivo do texto é identificar e refletir acerca da ressignificação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) pela rede pública municipal de ensino de Juiz de Fora/MG, atentando-se para os processos de tradução que ocorrem na reelaboração de suas propostas curriculares. A identificação de demandas curriculares é destacada nesse processo de reelaboração curricular dos diferentes componentes curriculares, criando-se um espaço de visibilidade da cultura e dos processos pedagógicos locais. Defendo que a implementação da BNCC não se dá em simples processo de transferência de um documento nacional para uma realidade específica, pois há diferentes traduções que implicam em articular demandas curriculares locais, possibilitando a produção de outros sentidos para o currículo da rede municipal de Juiz de Fora/MG. A Teoria do Discurso, apropriada pelo campo do currículo, subsidia as discussões empreendidas. Os caminhos traçados pela Secretaria de Educação de Juiz de Fora/MG sugerem a participação de escolas e seus profissionais no processo de reelaboração curricular, abrangendo os currículos já existentes na rede que, em seu processo de construção, contou com a participação de profissionais da Educação da rede. As demandas curriculares que se destacam nos diferentes grupos disciplinares relacionam-se àqueles referentes ao conhecimento e sua sistematização ao longo da Educação Básica. Assim, há uma pluralidade de sentidos inerente ao processo político de reformulação curricular na rede municipal de Juiz de Fora que viabiliza a contingência das escolhas atribuídas ao processo de ressignificação da BNCC, impedindo, dessa forma, a verticalidade da leitura dessa política educacional de centralidade curricular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise de Souza Destro, PJF / UERJ

Licenciada em Educação Física pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) em 1997 Mestre em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) em 2004 Doutora em Educação pela  Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) em 2019 Professora de Educação Física da Rede Pública Municipal de Juiz de Fora e Técnica da Secretaria de Educação de Juiz de Fora Membra da Associação Brasileira de Currículo (ABdC) e da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação (ANPED) 

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 29 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf. Acesso em: 30 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa de Apoio à Implementação da BNCC – ProBNCC. Brasília, DF: MEC, 2019. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/doc_orientador_probncc_2019.pdf. Acesso em: 20 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Documento orientador 2019. Brasília, DF: MEC/SEF, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/doc_orientador_probncc_2019.pdf. Acesso em: 20 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília, DF: MEC/SEF, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9769-diretrizescurriculares-2012&category_slug=janeiro-2012-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 30 nov. 2019.

BRASIL TEM 100% de referenciais curriculares da Educação Infantil e Ensino Fundamental alinhados à BNCC. Movimento pela Base, 17 out. 2019. Disponível em: http://movimentopelabase.org.br/acontece/brasil-tem-100-de-referenciais-curriculares-da-educacao-infantil-e-ensino-fundamental-alinhados-bncc/. Acesso em: 20 nov. 2019.

CUNHA, E. V. R.; COSTA, H. H. C. Da expectativa de controle ao currículo como experiência em tradução. Revista Práxis Educacional, v. 15, n. 33, p. 141-163, jul./set. 2019.

DERRIDA, J. Torres de Babel. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2002.

DESTRO, D. S. A política curricular em Educação Física do município de Juiz de Fora – MG: hibridismo entre o contexto de produção do texto político e o contexto da prática. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

DESTRO, D. S. Disputas políticas pela Educação Física escolar na Base Nacional Comum Curricular. 2019. Tese (Doutorado em Educação) –Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

ITINERÁRIOS avaliativos auxiliam escolas na reelaboração de Projetos Políticos Pedagógicos. Educação.mg.gov.br, 19 jul. 2019. Disponível em: http://www2.educacao.mg.gov.br/component/gmg/story/10443-itinerarios-avaliativos-auxiliam-escolas-na-reelaboracao-de-projetos-politicos-pedagogicos. Acesso em: 1 dez. 2019.

JUIZ DE FORA. Prefeitura de Juiz de Fora. Subsecretaria de Articulação das Políticas Educacionais - SSAPE. Disponível em: https://www.pjf.mg.gov.br/subsecretarias/ssape/index.php. Acesso em: 7 dez. 2019.

JUIZ DE FORA. Secretaria de Educação. A prática pedagógica na educação infantil. Diálogos no cotidiano. Juiz de Fora: [s. n.], 2011. Disponível em: https://www.pjf.mg.gov.br/secretarias/se/escolas_municipais/curriculos/arquivos/pratica_pedagogica_edinfantil.pdf. Acesso em: 6 dez. 2019.

JUIZ DE FORA. Secretaria de Educação. Departamento de Educação Infantil. Educação infantil: a construção da prática cotidiana. Juiz de Fora: [s. n.], 2010. Disponível em: https://www.pjf.mg.gov.br/secretarias/se/escolas_municipais/curriculos/arquivos/edinfantil.pdf. Acesso em: 6 dez. 2019.

JUIZ DE FORA. Secretaria Municipal de Educação. Programa Municipal de Educação Física. Juiz de Fora: Helvética, 2000.

LACLAU, E. Emancipação e Diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

LOPES, A. C.; CUNHA, E. V. R.; COSTA, H. H. C. Da recontextualização à tradução: investigando políticas de currículo. Currículo sem Fronteiras, v. 13, n. 3, p. 392-410, set./dez. 2013.

LOPES, A. C. Currículo, política e cultura. In: SANTOS, L. L. C. P. et al. Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

LOPES, A. C. Itinerários formativos na BNCC do Ensino Médio: identificações docentes e projetos de vida juvenis. Retratos da Escola, v. 13, n. 25, p. 59-75, jan./maio 2019.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LOPES, A. C. Normatividade e intervenção política: em defesa de um investimento radical. In: LOPES, A. C.; MENDONÇA, D. A teoria do discurso de Ernesto Laclau: ensaios e entrevistas. São Paulo: Annablueme, 2015.

LOPES, A. C. Política, conhecimento e a defesa de um vazio normativo. In: MENDONÇA, D.; RODRIGUES, L.; LINHARES, B. (org.). Ernesto Laclau e seu legado transdisciplinar. São Paulo: Intermeios, 2017.

MACEDO, E. F. Fazendo a Base virar realidade: competências e o germe da comparação. Retratos da Escola, v. 13, n. 25, p. 39-58, jan./maio 2019.

RIBEIRO, W. G.; CRAVEIRO, C. B. Precisamos de uma Base Nacional Comum Curricular? Linhas Críticas, v. 23, n. 50, p. 51-69, fev./maio 2017.

SISCAR, M. Jacques Derrida: literatura, política e tradução. Campinas: Autores Associados, 2012.

STRATHERN, P. Derrida em 90 minutos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002.

Downloads

Publicado

01-03-2021

Como Citar

DESTRO, D. de S. A ressignificação da Base Nacional Comum Curricular na rede municipal de Juiz de Fora/MG. Roteiro, [S. l.], v. 46, p. e23809, 2021. DOI: 10.18593/r.v46i.23809. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/23809. Acesso em: 19 abr. 2021.

Edição

Seção

Seção temática: Uma alternativa às políticas curriculares centralizadas