Programa “Future-se”: impactos sobre a autonomia das instituições federais de ensino e ao direito à educação

  • Filomena Lucia Gossler Rodrigues da Silva Instituto Federal Catarinense - Campus Camboriú http://orcid.org/0000-0002-8275-7714
  • Tamiris Possamai Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense
Palavras-chave: Future-se. Instituições Federais de Ensino. Mercadorização da Educação., Future-se; Instituciones Federales de Educación; Mercantilización de la educación., Future-se. Federal Education Institutions. Commodification of education.

Resumo

Este artigo possui como propósito refletir as implicações do Programa Future-se sobre a autonomia das Instituições Federais de Ensino e o direito à educação, neste caso, à educação superior. Para tanto, serão apresentados aspectos do cenário político de ataques aos direitos sociais dos brasileiros, a fim de analisar possíveis desdobramentos, tais como: o uso do Projeto de Lei como instrumento do atual governo para estreitar ainda mais as relações com o setor produtivo e empresarial, restrição da autonomia universitária e alteração das características precípuas e finalidades das Universidades e Institutos Federais. A técnica de pesquisa utilizada foi a análise documental e bibliográfica, de abordagem qualitativa, e parte da compreensão de que as relações sociais são determinadas, historicamente, pelo modo de produção, obstinando a destruição da pseudoconcreticidade (KOSIK, 1976). A análise realizada nos permite afirmar que o “Future-se” não possui relação com a melhoria da qualidade da educação brasileira, mas vem à reboque das necessidades do capital a fim de obedecer demandas privadas que, a curto prazo, pretendem tornar as Instituições Federais de Ensino em lócus de desenvolvimento de pesquisas e produção de conhecimentos comprometidos com a lógica da mercadorização da educação, e, portanto, alheia ao desenvolvimento integral dos estudantes e ao pleno gozo do direito à educação.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Filomena Lucia Gossler Rodrigues da Silva, Instituto Federal Catarinense - Campus Camboriú

Graduação em Pedagogia pela Universidade do Oeste de Santa Catarina - Campus de São Miguel do Oeste (1997), mestrado em Educação pela Universidade do Oeste de Santa Catarina - Campus de Joaçaba (2009) e doutorado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (2014). Atualmente sou professora nos cursos de licenciatura e no Programa de Pós-graduação em Educação Lato Sensu do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense - Campus Camboriú. Atuo principalmente nos seguintes temas: Políticas Públicas, Educação Profissional e Formação de professores. Membro e vice-líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação, Formação de Professores e Processos Educativos do Instituto Federal Catarinense e membro/pesquisadora do Observatório Internacional de Inclusão, Interculturalidade e Inovação Pedagógica (OIIIIPe). Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Educação Lato Sensu do Instituto Federal Catarinense - Campus Camboriú.

Tamiris Possamai, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense

Mestranda em Educação no Instituto Federal Catarinense - Campus Camboriú/SC. Bacharela em Direito pelo Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí - Campus Rio do Sul/SC (2017). Servidora do Instituto Federal Catarinense (em afastamento integral para cursar Pós-Graduação Stricto Sensu).

Referências

ARAUJO, R. M. de L. Ensino Médio Brasileiro: dualidade, diferenciação escolar e reprodução das desigualdades sociais. Uberlândia: Navegando Publicações, 2019.

AZEVEDO, M. L. N. DE. Transnacionalização e mercadorização da educação superior: examinando alguns efeitos colaterais do capitalismo acadêmico (sem riscos) no Brasil – A expansão privado-mercantil. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, v. 1, n. 1, p. 86-102, jul./set. 2015. Disponível em: Acesso em: 13 dez. 2019.

BARBOSA, I.; FERREIRA, F. I. A “máquina do empreendedorismo”: Teatro do Oprimido e educação crítica em tempo de crise. Investigar em Educação. [Portugal], v. 2, n. 3. pp. 63- 77, 2015. Disponível em: Acesso em: 15 jan. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: Acesso em: 10 dez. 2019.

______. Lei nº 9.637, de 15 de maio de 1998. Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, a criação do Programa Nacional de Publicização, a extinção dos órgãos e entidades que menciona e a absorção de suas atividades por organizações sociais, e dá outras providências. Disponível em: Acesso em: 13 dez. 2019.

______. Ministério da Educação. Censo da Educação Superior 2017: divulgação dos principais resultados. Disponível em: Acesso em: 15 ago. 2019.

______. Ministério da Educação. Projeto de Lei de 2019. Institui o Programa Institutos e Universidades Empreendedoras e Inovadoras – FUTURE-SE, e dá outras providências. (Versão 1). Disponível em: Acesso em: 13 ago. 2019.

______. Ministério da Educação. Projeto de Lei de 2019. Institui o Programa Universidades e Institutos Empreendedores e Inovadores – Future-se, e dá outras providências. (Versão 2). Disponível em: Acesso em: 19 dez. 2019.

______. Ministério da Educação. Projeto de Lei. Institui o Programa Universidades e Institutos Empreendedores e Inovadores – Future-se. (Versão 3). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 03 jan. 2020. Disponível em: Acesso em: 10 jan. 2020.


CATINI, C. Educação e empreendedorismo da barbárie. In: CASSIO, F. (org). Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. São Paulo: Boitempo, 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Superior 2002. Disponível em: Acesso em: 13 ago. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Superior 2010. Disponível em: Acesso em: 13 ago. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Superior 2017. Disponível em: Acesso em: 13 ago. 2019.

KOSIK, K. A dialética do concreto. Tradução por Célia Neves e Alderico Toríbio. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

KRAWCZYK, N.; FERRETTI, C. J. Flexibilizar pra quê? Meias verdades da “reforma”. Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 33-44, jan./jun. 2017.

MARX, K. Prefácio à Contribuição à crítica da economia política. In: Marx e Engels, Obras Escolhidas. Vol. 1, p. 300-303. São Paulo: Editora Alfa-Ômega, 1986.

PERONI, V. M. V.; CARVALHO, E. J. G. de. A atuação do setor privado no planejamento e na execução das políticas sociais: implicações para a democratização educação. Teoria e Prática da Educação, Maringá, v. 22, n. 3, p. 01-04, set./dez. 2019. Disponível em: Acesso em: 20 dez. 2019.

SANTOS, D. A. 1990 – 2017: O PROJETO NEOLIBERAL E OS PROGRAMAS DE PUBLICIZAÇÃO: análise de algumas tendências para a Política Social. VIII Jornada Internacional Políticas Públicas. 2017. Disponível em: Acesso em: 14 ago. 2019.

SEKI, A. K.; SOUZA, A.; EVANGELISTA, O. A formação docente superior: hegemonia do capital no Brasil. Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 21, p. 447-467, jul./dez. 2017. Disponível em: www.esforce.org.br Acesso em: 15 ago. 2019.

SILVA, M. R. da; SCHEIBE, L. Reforma do ensino médio: pragmatismo e lógica mercantil. Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 19-31, jan./jun. 2017.

SILVA, N. de M. e; TEIXEIRA, S. M. Trabalho e “questão social” no capitalismo contemporâneo: a política social capitalista e o fetiche do microempreendedorismo individual no Estado do Piauí. Revista de Políticas Públicas, São Luís, v. 19, n. 2, p. 625-632, jul/dez de 2015. Disponível em: Acesso em: 17 jan. 2020.
Publicado
07-04-2020
Como Citar
SILVA, F. L. G. R. DA; POSSAMAI, T. Programa “Future-se”: impactos sobre a autonomia das instituições federais de ensino e ao direito à educação. Roteiro, v. 45, 7 abr. 2020.
Seção
Artigos de demanda contínua