Na CONTRAMÃO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA:

POLÍTICAS EDUCACIONAIS NO BRASIL A PARTIR DE 2016

  • Karine Vichiett Morgan Universidade Federal Fluminense
  • Jorge Najjar Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Gestão Democrática; Retrocessos; Políticas Educacionais; Governo Federal.

Resumo

A partir da queda da ditadura civil militar e da construção de uma nova Constituição brasileira, a gestão democrática tornou-se princípio balizador da educação pública no Brasil. Importantes processos de alargamento da participação popular nas decisões no interior das instituições públicas e nos sistemas de ensino ocorreram pautados, inclusive, por diversas políticas criadas para tal fim. Entretanto, após o golpe jurídico parlamentar de 2016,retorna à agenda políticaa discussão sobre uma suposta ineficiência da educação pública abrindo espaços para novas formas de gestão escolar que divergem frontalmente do princípio constitucional. Este artigo objetiva descortinar e analisar os retrocessos nos processos democráticos na gestão dos sistemas e das escolas nos anos pós golpe de 2016.

Palavras-chave: Gestão Democrática; Retrocessos; Políticas Educacionais; Governo Federal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADRIÃO, T.; CAMARGO, R. B. A gestão democrática na Constituição Federal de 1988. In: OLIVEIRA, R. P.; ADRIÃO, T. (Orgs.). Gestão, financiamento e direito à educação: análise da LDB e da Constituição Federal. São Paulo: Xamã, p. 69-78, 2001.

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil, Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1988.

BRASIL. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Lei nº. 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário oficial da União, Brasília, DF, 10. jan. 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Conselho escolar e sua organização em fórum. Brasília: MEC, SEB, 2009.

BRASIL. Lei nº 10.004 de 05 de setembro de 2019. Institui o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares. Brasília: 2019.

BRUNO, L. Poder e administração no capitalismo contemporâneo. Gestão democrática da educação, 1997.

CARA, D.; PELLANDA, A. Avanços e retrocessos na Educação Básica: da Constituição de 1988 à Emenda Constitucional 95. In: ROSSI, P.; DWECK, E.; OLIVEIRA, A, L. M. (Orgs.). Economia para poucos:impactos sociais da austeridade e alternativas para o Brasil. São Paulo: Autonomia Literária, 2018, p. 98-126.

CUNHA,L. A., GÓES, M. O golpe na educação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

CUNHA, L. A. Educação, Estado e democracia no Brasil. São Paulo: Cortez Editora, 2001.

CURY, C. R. J. A educação nas constituições brasileiras. In: STEPHANOU, M.; BASTOS M. H. C. (Orgs.) Histórias e memórias da educação no Brasil, v. 3, p. 17-28, 2012.

DE MELO, A. A. S; DE SOUSA, F. B. A agenda do mercado e a educação no governo Temer. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 9, n. 1, p. 25-36, 2017.

FERRETI, C. J.; SILVA, M.Reforma do ensino médio no contexto da Medida Provisória no 746/2016: estado, currículo e disputas por hegemonia. Educação & Sociedade, v. 38, n. 139, p. 385-404, 2017.


FREIRE, P. Professora, sim; tia, não: cartas a quem ousa ensinar. Editora Paz e Terra, 1997.

FREITAS, L. C. Escolas aprisionadas em uma democracia aprisionada: anotações para uma resistência propositiva. Revista HISTEDBR On-line, v. 18, n. 4, p. 906-926, 2018.

GONÇALVES, J. S.; BALADELI, A. P. O sistema educacional dos colégios militares e o discurso da educação de excelência. Revista Uniabeu, v. 11, n. 28, p. 191-204, 2018.

KUENZER, A. O ensino médio no Plano Nacional de Educação 2011-2020: superando a década perdida? Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 112, p. 851-873, jul./set. 2010.

KUENZER. A. Trabalho e escola: a flexibilização do ensino médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 38, n. 139, Abr-jun/2017, p. 331-354.

LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F. ; TOSCHI, M. S. Organização e gestão da escola: teoria e prática. Goiânia: Editora Alternativa, 2001.

LINO, L. A; MORGAN, K. V. Do documento final da Conae ao Plano Nacional de Educação: uma análise da meta 19. Revista online de Política e Gestão Educacional, p. 67-83, 2018.

LINO. L. A. As ameaças da reforma: Desqualificação e exclusão. Retratos da Escola, Brasília, vol.11, n.20, jan/jun/2017, p.75-90.

MARTINS, P. S. Pior a emenda que o soneto: os reflexos da EC 95/2016. Retratos da Escola, v. 12, n. 23, p. 227-238, 2018.

MOCARZEL, M.; ROJAS, A.; PIMENTA, M. F. A reforma do Ensino Médio: novos desafios para a gestão escolar. Revista online de Política e Gestão Educacional, v. 22, p. 159-176, 2018.

MOLL, Jaqueline. Caminhos da educação integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Penso Editora, 2009.

MOTTA, V. C.; FRIGOTTO, G. Por que a urgência da reforma do ensino médio? Medida Provisória nº 746/2016 (Lei nº 13.415/2017). Educação & Sociedade, v. 38, n. 139, p. 355-372, 2017.

NAJJAR, J.; MORGAN, K.; MOCARZEL, M. Educação integral em tempo integral no Brasil: dos planos às incertezas. Movimento-revista de educação, v. 5, n. 8, p. 126-149, 2018.

PINHEIRO. M. F. O público e o privado na educação. Conflito fora de moda? In: FÁVERO, O. (Ed.). A educação nas constituintes brasileiras: 1823-1988.Campinas, SP: Autores Associados 2015.

SCHULTZ, T. W. O capital humano: investimentos em educação e pesquisa. Zahar Editores, Rio de Janeiro, 1971.

STEIMBACH, A. A. A reforma do ensino médio (MP 746/2016; Lei 13415/2017): implicações à consolidação do ensino médio como direito. Notandum, n. 49, p. 143-162, 2018.

TONET, I. Marxismo, educação e pedagogia socialista. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 8, n. 1, p. 37-46, 2016.
Publicado
05-04-2020
Como Citar
VICHIETT MORGAN, K.; NASSIM VIEIRA NAJJAR, J. Na CONTRAMÃO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA: : POLÍTICAS EDUCACIONAIS NO BRASIL A PARTIR DE 2016. Roteiro, v. 45, 5 abr. 2020.
Seção
Seção temática: Gestão educacional: novas contribuições ao campo