A gestão da rede estadual de ensino da Paraíba por organizações sociais: tensões e desafios

  • Ana Cláudia Cavalcanti de Araújo UFPB
  • Felipe Baunilha Tomé de Lima UFPB
  • Luiz Sousa Junior Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Nova Gestão Pública, Organizações Sociais, Rede estadual de ensino, Paraíba

Resumo

As mudanças na gestão pública, decorrentes em grande parte das transformações no padrão tecnológico, informacional, organizacional e gerencial acontecidas no mundo do trabalho, resultaram em novos métodos de administração dos sistemas educacionais em todo o mundo com base na chamada Nova Gestão Pública. Reformas educativas foram implementadas, com maior ou menor intensidade, em diferentes países, tendo como alvo a formação de sujeitos com novas habilidades e competências almejadas pelo mercado globalizado. No Brasil, a formulação, em 2004, de um marco legal das parcerias público-privadas foi decisiva para o surgimento de modelos de quase mercado, com repercussão nos sistemas educacionais. Para além da aceitação de padrões mercadológicos, as reformas educativas impulsionaram a transferência da gestão educacional para o setor privado, seja por meio de instituições “pedagógicas” vinculadas a empresas privadas, seja por meio de Organizações Sociais (OS) constituídas com fins de gerenciamento dos bens públicos. No Estado da Paraíba, Nordeste do Brasil, todas as escolas da rede estadual tiveram sua gestão administrativa entregue a duas OS. Como se deu o processo de transferência da gestão administrativa dessas escolas e quais as implicações dessa mudança na gestão delas, particularmente na parte pedagógica? Este artigo, de caráter qualitativo, desenvolvido com base em pesquisa bibliográfica e documental, objetiva analisar a passagem da gestão das escolas estaduais para as Organizações Sociais. Intenta, ainda, perceber as mudanças nos processos de gestão pedagógica a partir das novas exigências constantes no contrato de gestão firmado com as OS e seus possíveis desdobramentos na organização escolar da rede estadual da Paraíba.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRUCIO, F. L. O impacto do modelo gerencial na Administração Pública: um breve estudo sobre a experiência internacional recente. Cadernos ENAP, Brasília, DF, n. 10, 1997.

ADRIÃO, T. A privatização da educação básica no Brasil: considerações sobre a incidência de corporações na gestão da educação pública. In: ARAÚJO, L.; PINTO, J. M. R. (org.). Público x privado em tempos e crise. São Paulo: Fundação Lauro Campos e Fineduca, 2017. p. 16-37.

ADRIÃO, T. et al. A adoção de sistemas privados de ensino em escolas públicas de educação infantil: reflexões a partir do perfil dos professores. E-Curriculum, v. 11, n. 2, p. 434-460, 2013.

ADRIÃO, T.; PERONI, V. M. V. A educação pública e sua relação com o setor privado: implicações para a democracia educacional. Revista Retratos da Escola, Brasília, DF, v. 3, n. 4, p. 107-116, jan./jun. 2009. Disponível em: http//www.esforce.org.br. Acesso em: 29 out. 2019.

ADRIÃO, T.; PERONI, V. M. V. (org.). O público e o privado na educação: interfaces entre Estado e sociedade. São Paulo: Xamã, 2005.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 15 dez. 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc95.htm. Acesso em: 29 out. 2019.

BRASIL. Lei n. 12.349, de 15 de dezembro de 2010. Altera as Leis nos 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.958, de 20 de dezembro de 1994, e 10.973, de 2 de dezembro de 2004; e revoga o § 1o do art. 2o da Lei no 11.273, de 6 de fevereiro de 2006. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 dez. 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12349.htm. Acesso em: 17 abr. 2020.

CENTRO LATINO-AMERICANO DE ADMINISTRAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO. Uma nova gestão pública para a América Latina. 1998. Disponível em: http:www.bresserwesite.org.br. Acesso em: 10 jul. 2019.

CLARKE, J.; NEWMAN, J. Gerencialismo. Educ. Real, Porto Alegre, v. 37, n. 2, p. 353-381, maio/ago. 2012.

CÓSSIO, M. F. A nova gestão pública: alguns impactos nas políticas educacionais e na formação de professores. Educação, Porto Alegre, v. 41, n. 1, p. 66-73, jan./abr. 2018.

COSTA, F. L. Reforma do Estado e contexto Brasileiro: crítica do paradigma gerencialista. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

COSTA, M. O.; DOMICIANO, C. Austeridade fiscal, autoritarismo e política educacional: as mudanças legislativas na gestão democrática do sistema estadual de ensino e da escola pública de Mato Grosso. Educar em Revista, Curitiba, v. 36, e70086, 2020.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

JARDIM, M. C.; SILVA, M. R. Programa de aceleração do crescimento (PAC): neodesenvolvimentismo? São Paulo: Ed. Unesp, 2015.

MARINE, C. Gestão Pública: o debate contemporâneo. Fundação Luís Eduardo Magalhães. Salvador: FLEM, 2003. (Cadernos FLEM, 7).

MARQUES, L. R.; MENDES, J. C. B.; MARANHÃO, I. M de L. A nova gestão pública no contexto da educação pernambucana e a qualidade organizacional. RBPAE, v. 35, n. 2, p. 351-367, maio/ago. 2019.

MESKO, A. de S. R. O programa “Educação – Compromisso São Paulo” e as estratégias de implementação das políticas empresariais na gestão escolar. 2018. 140 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2018.

MONTAÑO, C. Terceiro setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção estatal. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MOTTA, P. R. M. O estado da arte da gestão pública. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 53, n. 1, p. 82-90, jan./fev. 2013.

OLIVEIRA, D. A. Nova Gestão Pública e Governos Democrático-Populares: contradições entre a busca da eficiência e a ampliação do direito à educação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 36, n. 132, p. 625-646, jul./set. 2015.

OLIVEIRA, R. Empresariado industrial e educação brasileira: qualificar para competir? São Paulo: Cortez, 2005. (Coleção Questões de nossa Época, 124).

PARAÍBA. Edital de seleção n. 001, de 1 de julho de 2017. Seleção pública para seleção de organização social qualificada na área de educação visando à celebração de contrato de gestão pactuada para serviços de apoio nas unidades escolares da Secretaria de Estado da Educação. Diário Oficial do Estado da Paraíba, João Pessoa, 1 jul. 2017. Disponível em: http://static.paraiba.pb.gov.br/2017/07/EDITAL_OS-final.pdf . Acesso em: 16 abr. 2020.

PARAÍBA. Lei n. 9.454, de 6 de outubro de 2011. Institui o programa de gestão pactuada, dispõe sobre a qualificação de Organizações Sociais e dá outras providências. Diário Oficial do Estado da Paraíba, João Pessoa, 6 out. 2011. Disponível em: https://paraiba.pb.gov.br/diretas/secretaria-da-saude/arquivos-1/legislacao/lei-9454.pdf. Acesso em: 16 abr. 2020.

PECI, A.; PIERANTE, O. P.; RODRIGUES, S. Governança e New Public Management: Convergências e contradições no contexto brasileiro. O&S., v. 15, n. 46, jul./set. 2008.

PEREIRA, L. C. B. A reforma do Estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Brasília, DF: Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, 1998.

ROBERTSON, S.; VERGER, A. A origem das parcerias público-privadas na governança global da educação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 121, p. 1133-1156, out./dez. 2012.

SPRING, J. Como as corporações globais querem usar as escolas para moldar o homem para o mercado. Campinas: Vide Editorial, 2018.

Publicado
28-04-2020
Como Citar
ARAÚJO, A. C. C. DE; LIMA, F. B. T. DE; JUNIOR, L. S. A gestão da rede estadual de ensino da Paraíba por organizações sociais: tensões e desafios. Roteiro, v. 45, p. 1-26, 28 abr. 2020.
Seção
Seção temática: Gestão educacional: novas contribuições ao campo