Educação na lógica do Banco Mundial: formação para a Sociabilidade Capitalista

  • Aline Decker Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina
  • Olinda Evangelista Universidade do Oeste de Santa Catarina
Palavras-chave: Estado, Banco Mundial, Educação, Formação humana, Brasil (2000-2014)

Resumo

Este artigo discute o projeto de formação humana presente em publicações do Banco Mundial para a Educação, de modo geral, e para o Brasil, com recorte temporal entre 2000 e 2014. Tais publicações objetivavam produzir consenso acerca de suas propostas político-educacionais e construir uma compreensão falaciosa da realidade objetiva por meio de ampla desqualificação do professor e da escola pública. A narrativa de desqualificação precede recomendações para projetos de Educação que alinham a formação da classe trabalhadora aos moldes flexíveis da sociabilidade capitalista. Na lógica do Banco Mundial a Educação é responsável pelo alívio da pobreza e pelo desenvolvimento econômico, devendo ser pautada pela noção de competências e pela Teoria do Capital Humano revisitada. Desse modo, promoveria uma educação de “classe mundial” para as demandas (do capital) do século XXI. Ademais, elide o real movimento econômico no século XXI, compreendido no conceito de capital-imperialismo, em que a dominação interna do capital necessita e se complementa por sua expansão externa, incidindo diretamente na relação capital-trabalho. Com a intenção de legitimar a barbárie do projeto educativo do capital, uma grande ofensiva ideológica foi colocada em curso a fim de sustentar o modo de organização política e econômica e sua necessária sociabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Decker, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Doutoranda em Educação pela Universidade do Estado de São Paulo (UDESC). Orientadora Educacional no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFSC), Campus São José. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Lutas Sociais, Trabalho e Educação, sediado na UDESC. Registro no ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7951-8050.

Olinda Evangelista , Universidade do Oeste de Santa Catarina

Mestre e Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Pós-doutorado em Educação na Universidade do Minho, Portugal. Professora Voluntária no Programa de Pós-graduação em Educação da UFSC. Professora Sênior no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC). Pesquisadora do Grupo de Investigação em Políticas de Educação (GIPE), sediado na UFSC. Registro no ORCID: http://orcid.org/0000-0001-5360-2521.

Referências

ABREU, C. F. de. Os dragões não conhecem o paraíso. São Paulo: Companhia das Letras, 1988. Disponível em: https://filosoficabiblioteca.files.wordpress.com/2018/12/ABREUCaio-Fernando-Os-Dragoes-Nao-Conhecem-o-Paraiso.pdf. Acesso em: 25 mar. 2018.

ANTUNES, F. A nova ordem educativa mundial e a União Europeia: a formação de professores dos Princípios Comuns ao ângulo Português. Perspectiva, Florianópolis, v. 25, n. 2, p. 425-468, jul./dez. 2007.

BANCO MUNDIAL. Professores excelentes: como melhorar a aprendizagem dos estudantes na América Latina e no Caribe. Washington: Banco Mundial, 2014.

BRASIL. Lei n. 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 ago. 1971.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. 3ª Versão do Parecer (atualizada em 18/09/19). Diretrizes Curriculares Nacionais e Base Nacional Comum para a Formação Inicial e Continuada de Professores da Educação Básica. Brasília, DF: MEC: CNE, 2019a.

BRASIL. CNE. Projeto de Resolução CNE/CP n. XXX/2019. Diretrizes Curriculares para Formação Inicial de Professores da Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília, MEC: CNE, 2019b.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Da administração pública burocrática à

gerencial. Revista do Serviço Público, v. 47, n. 1, p. 7-40, 1996.

BRUNO, L. Educação e desenvolvimento econômico no Brasil. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 48, p. 545-562, set./dez. 2011.

DALE, R. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? Educação, Sociedade & Culturas, Porto, Portugal, n. 16, p. 133-169, 2001.

DELORS, J. Educação um tesouro a descobrir: Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo: Cortez, 1999.

EVANGELISTA, O; SEKI, A. K.; SOUZA, A. G. de. O crescimento perverso das licenciaturas privadas. In: EVANGELISTA, O. et al. Desventuras dos professores na formação para o capital. Campinas: Mercado de Letras, 2019.

FONTES, V. O Brasil e o capital-imperialismo. Teoria e História. Rio de Janeiro: FIOCRUZ: UFRJ, 2010.

KLEES, S. J. World Bank and Education: Ideological Premises and

Ideological Conclusions. In: KLEES, S. J.; SAMOFF, J.; STROMQUIST, N. P.

Comparative and International Education: A Diversity of Voices. Boston, Taipei: Sense

Publishers Rotterdam, 2012.

KÜENZER, A. Z. As políticas de formação: a constituição da identidade do professor sobrante? Educação & Sociedade, ano XX, n. 68, p. 163-183, dez. 1999.

LEHER, R. Da ideologia do Desenvolvimento à ideologia da globalização: a educação como estratégia do Banco Mundial para o alívio da pobreza. 1998. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

LEHER, R. Um novo senhor da educação? A política educacional do Banco Mundial para a periferia do capitalismo. Revista Outubro, 2005.

MELO, A. A. S. de. Os organismos internacionais na condução de um novo bloco histórico. In: NEVES, L. M. W. (org.). A nova Pedagogia da hegemonia. Estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005. p. 312.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

MONTAÑO, C.; DURIGUETTO, M. L. Estado, Classe e Movimento Social. São Paulo: Cortez, 2011.

MOTA JUNIOR, W. P. da; MAUÉS, O. C. O Banco Mundial e as Políticas Educacionais Brasileiras. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 4, p. 1137-1152, out./dez. 2014.

MOTTA, V. C. Mudanças no pensamento sobre desenvolvimento: o novo desenvolvimentismo brasileiro. In: V Jornada Internacional de

Políticas Públicas, 5., 2011, Maranhão. Anais [...]. Maranhão, 2011. Disponível em:

http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2011/CdVjornada/JORNADA_EIXO_2011/DESAFIOS_E_DIMENSOES_CONTEMPORANEAS_DO_DESENVOLVIMENTOREGIONAL/MUDANCAS_NO_PENSAMENTO_SOBRE_DESENVOLVIMENTO.pdf. Acesso em: 25 mar. 2018.

MUNDY, K.; MENASHY, F. The World Bank, the International Finance Corporation, and Private Sector Participation in Basic Education: Examining the Education Sector Strategy 2020. In: COLLINS, C. S.; WISEMAN, A. W. (ed.). Education Strategy in the Developing World: Revising the World Bank's Education Policy. International Perspectives on Education and Society, v. 16, p. 113-131, 2012.

NEVES, L. M. W. Educação e política no Brasil de hoje. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

NEVES, L. M. W. (org.). A nova pedagogia da hegemonia. Estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2004. p. 312.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Nova York, EUA: ONU, 2000.

PEREIRA, J. M. M. Poder, política e dinheiro: a trajetória do Banco Mundial entre 1980 e 2013. In: PEREIRA, J. M. M.; PRONKO, M. P. (org.). A demolição de direitos: um exame das políticas do Banco Mundial para educação e saúde (1980-2013). Rio de Janeiro: EPSJV: FIOCRUZ, 2014.

PRONKO, M. A. O público e o privado nas políticas educacionais contemporâneas. In: II Jornada Latino-americana de Estudios Epistemológicos em Política Educativa, 2., 2014, Curitiba. Anais [...]. Curitiba, 2014.

RAMOS, M. A noção de competências na relação trabalho e educação: superando mitos e traçando horizontes. In: CARVALHO, M. L. (org.). Cultura, Saberes e Práticas: memória e Histórias da Educação Profissional. São Paulo: Centro Paula Souza, 2011.

RODRIGUES, M. M. Educação ao longo da vida: a eterna obsolescência humana. 2008. 350 p. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

SANTANA, P. E. de A. As influências do (neo)liberalismo na formação de professores. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Londrina, 2008.

SAVIANI, D. Trabalho e Educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 34, p. 152-180, jan./abr. 2007.

SCHULTZ, T. W. O capital humano: investimentos em educação e pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

SCHULTZ, T. W. O valor econômico da educação. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

SHIROMA, E. O.; CUNHA, T. M. Os professores na agenda do Banco Mundial para a próxima década. In: EDIPE, 6., 2015, Goiânia. Anais [...]. Goiânia, 2015.

UNESCO. Declaração de Dakar. Educação para Todos 2000. Dakar, Senegal: Unesco, 2000.

UNESCO. Declaração de Incheon e Marco de ação para a implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4: Assegurar a educação inclusiva e equitativa de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos. Incheon: Unesco, 2015.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos. Jomtien, Tailândia; Unesco, 1990.

VIOR, S.; CERRUTI, M. B. O. O Banco Mundial e a sua influência na definição de políticas educacionais na América Latina (1980-2012). In: PEREIRA, J.M.M.; PRONKO, M. (org.). A demolição de direitos: um exame das políticas do Banco Mundial para a educação e saúde (1980-2013). Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, 2014.

WORLD BANK. Achieving World Class Education in Brazil: The Next Agenda. 2010.

WORLD BANK. Brazil teachers development and incentives: a strategic framework. Human Development Department. Brazil Country Management. Unit Latin America and Caribbean Regional Office. 2001.

WORLD BANK. Improving teaching and learning through effective incentives: what can we learn from education reforms in Latin America? Emiliana Vegas and Ilana Umansky. Washington, DC, 2005.

WORLD BANK. Learning for All: Investing in People‘s Knowledge and Skills to Promote Development. World Bank Group Education Strategy 2020. 2011a.

WORLD BANK. Making Schools Work New Evidence on Accountability Reforms. 2011b.

WORLD BANK. Meeting the Challenges of Secondary Education in Latin America and East Asia: Improving Efficiency and Resource Mobilization. 2006.

WORLD BANK. What Matters Most for Engaging the Private Sector in Education: a framework paper. 2014.

WORLD BANK. What Matters Most for Student Assessment Systems: a framework paper. 2012.

WORLD BANK. What Matters Most for Teachers Policies: a framework paper. 2013.

ZANARDINI, J. B. Considerações sobre o papel da educação eficiente como estratégia para o alívio da pobreza. In: EVANGELISTA, O. O que revelam os slogans na política educacional. Araraquara: Junqueira Marin, 2014.

Publicado
20-12-2019
Como Citar
DECKER, A.; EVANGELISTA , O. Educação na lógica do Banco Mundial: formação para a Sociabilidade Capitalista. Roteiro, v. 44, n. 3, p. 1-24, 20 dez. 2019.
Seção
Seção temática: Políticas Educacionais e Organizações Multilaterais