PRESSUPOSTOS DA PESQUISA E DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE HISTORIADORES DOCENTES: UMA CONTRIBUIÇÃO DA EDUCAÇÃO HISTÓRICA

  • Thiago Augusto Divardim de Oliveira IFPR
Palavras-chave: Educação Histórica. Formação de professores. Práxis.

Resumo

O artigo apresenta possibilidades de sistematização de pressupostos relacionados aos trabalhos desenvolvidos no âmbito do Laboratório de Pesquisa em Educação Histórica da Universidade Federal do Paraná (LAPEDUH – UFPR) no que diz respeito aos cursos de Extensão voltados à formação continuada de professores de História das redes públicas de ensino (municipal e estadual). O tema central da análise está relacionado a um projeto experimental realizado em parceria entre o LAPEDUH-UFPR, o Instituto Federal do Paraná (Campus Curitiba) e a Secretaria Municipal Educação de Curitiba que resultou na produção de três vídeos relacionados aos temas dos cursos realizados em 2017 e 2018: “EDUCAÇÃO HISTÓRICA E TEMAS CONTROVERSOS DA HISTÓRIA”. A produção dos vídeos envolveu dois projetos, de pesquisa e extensão do IFPR (das áreas: “Didática da História” e “Produção de Áudio e Vídeo”) e os produtos são voltados para professores interessados em temas do campo da Educação Histórica resultando em um material paradidático produzido por professores para professores. O procedimento metodológico utilizado foi análise de conteúdo (FRANCO, 2007) dos vídeos a partir de um diálogo com as teorias da história que embasaram o curso e embasam as produções no âmbito do laboratório. Entre os resultados apontamos a produção dos vídeos como divulgação do trabalho de historiadores docentes, as produções bibliográficas relacionadas ao curso de extensão; o diálogo entre a teoria e a práxis nas enunciações dos professores; e ainda, a incorporação de elementos teóricos, metodológicos e estratégias didáticas discutidas em colaboração ao longo do curso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Augusto Divardim de Oliveira, IFPR
 Professor de história no Ensino Básico Técnico e Tecnológico no Instituto Federal do Paraná (IFPR - Campus Curitiba). Possui licenciatura e bacharelado em História, especialização em "Mídia, Política e Atores Sociais" pela Universidade Estadual de Ponta Grossa, Mestrado e Doutorado em Educação na linha Cultura, Escola, Ensino pela Universidade Federal do Paraná. Participou desde o segundo semestre de 2004 até o primeiro de 2009 do Grupo de Estudos de Didática da História (GEDHI), organizado no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Estadual de Ponta Grossa (PPGE-UEPG). Desde a graduação, através de programas de Iniciação Científica, e em pesquisas posteriores atuou na seguintes áreas: didática da história, aprendizagem histórica, consciência histórica, professores de história e educação histórica. De 2008 até início de 2010, e novamente em 2012 lecionou História em escolas da rede particular de ensino e também foi contratado temporário pelo Estado do Paraná como professor de História (PSS). É Professor de História no Instituto Federal do Paraná (IFPR) desde fevereiro de 2013 e pesquisador do Laboratório de Pesquisa em Educação Histórica da Universidade Federal do Paraná (LAPEDUH - UFPR) desde abril de 2010.

 

Referências

AZAMBUJA, L. JOVENS ALUNOS E APRENDIZAGEM HISTÓRICA: PERSPECTIVAS A PARTIR DA CANÇÃO POPULAR. Tese de doutorado, PPGEUFPR, 2013.

BARCA, I. (Org.); OLIVEIRA, T. A. D. (Org.). ISABEL BARCA - PENSAMENTO HISTÓRICO E CONSCIÊNCIA HISTÓRICA: TEORIA E PRÁTICA. 1. ed. Curitiba: W. A. Editores Ltda, 2018.

BORRIES, B.. Jovens e consciência histórica. Schmidt, M. A.; & Fronza, M; & Nechi, L. P. (Org.). Curitiba: W. A. Editores, 2016.

BORRIES, B.. Coping with burdening history. In. BJERG, H./ LENZ, C./THORSTENSEN, E. (eds.). Historicizing the uses of the past. Scandinavian Perspectives on History Culture. Historical Consciousness and Didactics of History Related to World War II. Bielefeld: Transcript - Verlag für Kommunikation, Kultur und soziale Praxis, 2011.

CAIMI, F. E.. Fontes históricas na sala de aula: uma possibilidade de produção de conhecimento histórico escolar?. Anos 90, Porto Alegre, v. 15, n. 28, p.129-150, dez. 2008

CASSIRER, E. Zur Logik der Kulturwissenschaften. Fünf Studien. Darrnstadt, 1961.

CURITIBA. Currículo do Ensino Fundamental – 1º ao 9º ano. Volume V. Prefeitura Municipal de Curitiba. Secretaria Municipal da Educação, 2016a.

DROYSEN, J. G. Manual de teoria da história. São Paulo: Vozes, 2009.

FERNANDES, S., & SCHMIDT, M. (2019). NARRATIVA, HISTÓRIA DE VIDA E APRENDIZAGEM HISTÓRICA. História Revista, 23(2), 36 - 52. https://doi.org/10.5216/hr.v23i2.52657

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. - Brasília, 2ª edição : Liber Livro Editora, 2007.

GEVAERD, R. T. F. FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: RELAÇÃO ENTRE OS CONCEITOS DA “HISTÓRIA DIFÍCIL” E A METODOLOGIA DA “AULA HISTÓRICA”. In.: Temas sociais controversos e os desafios da educação histórica / Geraldo Becker [et al.] (Org.). - Curitiba: W.A Editores. 2019. 493 p.

GRAMSCI, A.. Os Intelectuais e a Organização da Cultura. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. Ed. Civilização brasileira. Rio de Janeiro, 1982.

IBIAPINA, I. M. L. de M. & FERREIRA, M. S A. pesquisa colaborativa na perspectiva sócio-histórica. Linguagens, Educação e Sociedade, n. 12 p.26 – 38, jan./jun. 2005.

IBIAPINA, I. M. L. de M. Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília : Líber Livro Editora, 2008.

MARX, K. & ENGELS, F. A ideologia alemã. 1845-1846. São Paulo: Boitempo, 2007.

OLIVEIRA, T. A, D. A RELAÇÃO ENSINO E APRENDIZAGEM
COMO PRÁXIS: A EDUCAÇÃO HISTÓRICA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES.
Dissertação de Mestrado. Curitiba, 2012.

OLIVEIRA, A. G. P. Aprendizagem histórica na Educação Infantil: possibilidades e perspectivas da Educação Histórica. Curitiba, 2013. 219 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013.

OLIVEIRA, T. A. D. A formação histórica (Bildung) como princípio da didática da história no ensino médio: teoria e práxis. Tese (Doutorado em Educação). Curitiba, 2017

RÜSEN, Jörn. (1987) Reflexões sobre os fundamentos e mudança de paradigma na ciência histórica alemã- ocidental. In: NEVES, Abílio Afonso Baeta; Gertz, René E. (Orgs.). A nova historiografia alemã. Ed. da Universidade, UFRGS, Instituto Goethe, Instituto Cultural Brasileiro-Alemão, 1987.

RÜSEN, J. "¿Qué es la cultura histórica?: Reflexiones sobre una nueva manera de abordar la historia". Cultura histórica. [Versión castellana inédita del texto original alemán en K. Füssmann, H.T. Grütter y J. Rüsen, eds. (1994). Historische Faszination. Geschichtskultur heute. Keulen, Weimar y Wenen: Böhlau, pp. 3-26].

RÜSEN, J. Razão histórica. Teoria da história: Os fundamentos da ciência histórica. (trad. Estevão de Rezende Martins). Brasília: Ed. UnB, 2001.

RÜSEN, J. Reconstrução do Passado: Os princípios da pesquisa histórica. (Trad. Asta-Rose Alcaide). Brasília: Ed. UNB, 2007.

RÜSEN, J. História Viva: Formas e funções do conhecimento histórico. (Trad. Estevão de Rezende Martins). Brasília: Ed. UNB. 2007

RÜSEN, J. Cultura faz sentido. Orientações entre o hoje e o amanhã. Petrópolis: Vozes. 2014

RÜSEN, J. (2015) Teoria da História: Uma teoria da história como ciência. (Trad. Estevão de Rezende Martins). Brasília: Ed. UFPR, 2015.

RÜSEN, J. (2016). Entrevista – Jörn Rüsen. Algumas ideias sobre a interseção da meta-história e da didática da história. Realizada por Marília Gago. Revista de História Hoje, v. 5, nº 9, p. 159 – 170 – 2016 https://rhhj.anpuh.org/RHHJ/article/view/245/163 (acesso em 12/09/2019)

RÜSEN, J. Senso e contrassenso na História: reflexão sobre o perfil de uma filosofia da História. Intelligere, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 1-12, nov. 2017. ISSN 2447-9020. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2018. doi:http://dx.doi.org/10.11606/issn.2447-9020.intelligere.2017.140975.

SCHMIDT, M. A. M. S.. Projeto Recriando a História. In: XIV Semana de ensino, pesquisa e extensão, 1999, Curitiba. Refletindo a organização escolar. Curitiba: UFPR, 1999. v. 1. p. 57-57.

SCHMIDT, M. A. M. S. História com Pedagogia: a contribuição da obra de Jonathas Serrano na construção do código disciplinar da História no Brasil. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 24, n. 48, p.189-211, 2004.

SCHMIDT, M. A. M. S. Articulando vozes, construindo identidades: contribuições de uma pesquisa em colaboração. Revista Contextos, estúdios de humanidades y ciências sociales, nº 13, p. 247 – 257, 2005.

SCHMIDT, M. A. M. S & GARCIA, Tânia Maria F. Braga. Consciência histórica e crítica em aulas de História. - Fortaleza: Secretaria da Cultura do Estado do Ceará/ Museu do Ceará, 2006.

SCHMIDT, M. A. M. S. Cognição histórica situada: que aprendizagem histórica é esta?. In: SCHMIDT, M. Auxiliadora/ BARCA, Isabel. (Org.). Aprender História: Perspectivas da Educação Histórica. 1a ed. Ijuí: Unijuí, 2009, v. 1, p. 21-51.

SCHMIDT, M.A.M.S. A Cultura como referência para investigação sobre Consciência Histórica: Diálogos entre Paulo Freire e Jörn Rüsen. Atas das XI Jornadas Internacionais de Educação Histórica Realizadas de 15 a 18 de Julho de 2011, Instituto de Educação da Universidade do Minho / Museu D. Diogo de Sousa, Braga.

SCHMIDT, M. A. M. S.; GARCIA, Tania Maria Figueiredo Braga. RECRIANDO HISTÓRIAS DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS. 1a.. ed. Curitiba: NPPD/ufpr, 2012. v. 1. 207p .

SCHMIDT, M. A. M. S. Laboratório de Pesquisa Em Educação Histórica: Uma Experiência de Investigação Colaborativa. Maria Auxiliadora M. Santos Schmidt. Revista De Educação Histórica – REDUH – LAPEDUH - UFPR Número 01/ Julh. – Nov. 2012
SCHMIDT, M. A. M. S.. Entre a lembrança e a esperança: política e consciência histórica de jovens brasileiros. Cadernos de Pesquisa: Pensamento Educacional (Curitiba. Online), v. 9, p. 108-124, 2014.

SCHMIDT, M. A. M. S.; URBAN, A. C. (Org.) Um registro do 29 de abril de 2015: para não esquecer. 1. ed. Curitiba: W.A Editores, 2015. v. 1.

SCHMIDT, M. A. M. S (Org.) ; DIVARDIM, Thiago (Org.) ; SOBANSKI, A. (Org.) . #OcupaPR 2016 Memórias de Jovens Estudantes. 1. ed. Curitiba: W.A editores, 2016. v. 1.

SCHMIDT, M. A. M. S.; GARCIA, T. B . Extensão, formação continuada de professores e produção do conhecimento: contribuições do projeto recriando histórias: 1997-2010. In: Etiènne Guérios; Tania Stoltz. (Org.). Educação e extensão universitária. Pesquisa e docência. 1 ed.Curitiba: Juruá, 2017, v. 1, p. 135-150.

SCHMIDT, M. A. M. S. Jörn Rüsen e sua contribuição para a didática da história. Intelligere, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 60-76, nov. 2017. ISSN 2447-9020. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2018. doi:http://dx.doi.org/10.11606/issn.2447-9020.intelligere.2017.127291.

SCHWARCZ, L. M./STARLING, Heloisa M. As sete maiores vergonhas do Brasil. Revista TRIP (https://revistatrip.uol.com.br/trip/as-sete-maiores-vergonhas-do-brasil-por-lilia-schwarcz-e-heloisa-starling Acesso em 11/09/2019)

URBAN, A. C.; MARTINS, E. C. R. (Org.) ; CAINELLI, M. R. (Org.) . Educação Histórica: ousadia e inovação em Educação e em História. 1. ed. Curitiba: W.A. Editores, 2018

VIEIRA, J. L. L.. HISTÓRIA DIFÍCIL: CONCEITO HOLOCAUSTO NO BRASIL E HISTÓRIA LOCAL? A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO A PARTIR DO RELATO ORAL E INVESTIGAÇÕES. Revista de Educação Histórica, v. 12, p. 48-65, 2016.
Publicado
06-02-2020
Como Citar
DIVARDIM DE OLIVEIRA, T. A. PRESSUPOSTOS DA PESQUISA E DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE HISTORIADORES DOCENTES: UMA CONTRIBUIÇÃO DA EDUCAÇÃO HISTÓRICA. Roteiro, v. 45, 6 fev. 2020.
Seção
Seção temática:Aprendizagem histórica e formação de professores: contribuições da pesquisa em educação histórica