Impressões de viagem: olhares sobre a gestão escolar em três instituições de ensino portuguesas

Palavras-chave: Gestão, Autonomia, Prestígio, Escolas portuguesas

Resumo

A viagem educacional feita à Portugal, no mês de setembro de 2018, para conhecer sete instituições escolares portuguesas consideradas inovadoras resultou no presente ensaio de inspiração etnográfica, no qual abordamos três delas. Foram analisados seus projetos diferenciados, a fim de contribuir para o debate sobre escolas de prestígio e o papel da gestão na produção dos elevados padrões de qualidade do ensino e do desempenho dos alunos ostentados por essas instituições. É apresentada uma breve contextualização da educação lusitana para que sejam compreendidas as possibilidades que as escolas oferecem. A primeira escola fica em Lisboa, é privada, com uma pedagogia que congrega a formação humana-religiosa à autonomia dos estudantes, além da coesão de valores institucionais, omnipresente desde a estrutura física até ao currículo do “mar”. A segunda, situada em Coimbra, apresenta um conjunto de características bastante original:  é experimental, católica, bilíngue (português e inglês), com uma gestão compartilhada pelos professores que são proprietários da instituição. A terceira é uma escola técnica pública no Porto, com gestão composta pela parceria público-privada, tendo como maior destaque a gestão de recursos efetuada pelo diretor e a adesão à inovação tecnológica. Como resultados, identificamos que as instituições têm em comum o favorecimento da autonomia dos estudantes, o que torna as aprendizagens mais eficazes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diana Mandelert, Uerj

Doutora em Ciências Humanas – Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Professora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

 

Lucília Augusta Lino, Uerj

Doutora em Ciências Humanas – Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Professora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Presidente da ANFOPE – Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação.

Marcelo Mocarzel, Unilasalle-RJ

Doutor em Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), com pós-doutorado na Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF). Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica de Petrópolis e dos cursos de Pedagogia e História do Centro Universitário La Salle do Rio de Janeiro (Unilasalle-RJ). Conselheiro Estadual de Educação do Rio de Janeiro desde 2016.

Referências

ABRUCIO, F. L. Gestão escolar e qualidade da Educação: um estudo sobre dez escolas paulistas. Estudos & Pesquisas Educacionais, [s. l.], n. 1, p. 150-280, 2010.

AMORIM, A. Gestor escolar inovador: educação da contemporaneidade. Revista Lusófona de Educação, [s. l.], v. 35, p. 67-82, 2017.

BANCO MUNDIAL. Conhecimento e inovação para a competitividade. Brasília, DF: Banco Mundial/Confederação Nacional da Indústria, 2008.

BONAMINO, A.; FRANCO, C. Avaliação e política educacional: o processo de institucionalização do Saeb. In: BROOKE, N.; ALVES, M. T. G.; OLIVEIRA, L. K. M. (org.). A avaliação da Educação Básica: a experiência brasileira. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015. v. 1, p. 110-122.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2013.

BRANDÃO, Z.; CANEDO, M. L.; XAVIER, A. Construção solidária do habitus escolar: resultados de uma investigação nos setores público e privado. Revista Brasileira de Educação, [s. l.], v. 17 n. 49, p. 193-243, 2012.

BRANDÃO, Z.; MANDELERT, D.; LINO DE PAULA, L. A. A circularidade virtuosa: investigação sobre duas escolas no Rio de Janeiro. Cadernos de Pesquisa, [s. l.], v. 35, n. 126, p. 747-758, 2005.

BROOKE, N.; SOARES, J. F. (org.). Pesquisa em eficácia escolar: origem e trajetórias. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

DELORS, J. (org.). Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a Unesco da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. Brasília, DF: Unesco, 1996.

DÓREA, C. R. D. A arquitetura escolar como objeto de pesquisa em História da Educação. Educar em Revista, [s. l.], n. 49, p. 161-181, 2013.

FERNANDES, D. Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Editora da Unesp, 2009.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

LIBÂNEO, J. C. Organização e gestão da escola. Goiânia: Alternativa, 2001.

LIMA, L. A escola como organização educativa. São Paulo: Cortez, 2001.

LIMA, L. C. A. Resenha de Pesquisa em eficácia escolar: origem e trajetória. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 22, n. 50, p. 593-598, set./dez. 2011.

LOUÇÃ, F.; LOPES, J. T.; COSTA, J. Os burgueses: quem são, como vivem, como mandam. Lisboa: Bertrand Editora, 2014.

LÜCK, H. Gestão educacional: uma questão paradigmática. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

MANDELERT, D. Reprovação em escolas de prestígio. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 23, n. 53, p. 222-249, set./dez. 2012.

PACHECO, J. Escola da Ponte: formação e transformação da educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

PARO, V. H. Gestão escolar, democracia e qualidade do ensino. São Paulo: Ática, 2007.

PIAGET, J. Para onde vai a educação? Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1973.

PORTUGAL. Lei n. 49, de 30 de agosto de 2005. Lei de Bases do Sistema Educativo. 2005. Disponível em: https://www.fenprof.pt/Download/FENPROF/SM_Doc/Mid_132/Doc_1172/Anexos/LBSE%20Lei%2049%202005.pdf. Acesso em: 2 jan. 2020.

RANGEL, M.; MOCARZEL, M.; PIMENTA, M. F. A trajetória das competências e habilidades em educação no Brasil: das avaliações em larga escala para as salas de aula. Meta: Avaliação, Rio de Janeiro, v. 8, n. 22, p. 28-47, jan./abr. 2016.

RIBEIRO, S. L. Espaço escolar: um elemento (in)visível no currículo. Sitientibus, Feira de Santana, v. 31, p. 103-118, 2004.

RUTTER, M. et al. Resultados escolares: Frequência, desempenho e resultados dos alunos. In: BROOKE, N.; SOARES, J. F. (org.). Pesquisa em eficácia escolar: origem e trajetórias. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

SALES, L. C.; PASSOS, G. O. As aparências não enganam: as representações sociais de qualidade suscitadas pelos prédios escolares. Revista Brasileira de Educação, [s. l.], v. 13, n. 38, p. 293-305, 2008.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

WINKIN, Y. Descer ao Campo. In: WINKIN, Y. A nova comunicação: da teoria ao trabalho de campo. Campinas, SP: Papirus Editora, 1998.

Publicado
07-08-2020
Como Citar
MANDELERT, D. .; LINO, L. A.; MOCARZEL, M. . Impressões de viagem: olhares sobre a gestão escolar em três instituições de ensino portuguesas. Roteiro, v. 45, p. 1-22, 7 ago. 2020.
Seção
Seção temática: Gestão educacional: novas contribuições ao campo