Políticas de ampliação da jornada escolar: fundamentos e proposições

Palavras-chave: Jornada escolar, Educação em tempo integral, Análise de política pública, Política educacional

Resumo

Este ensaio teve como objetivo analisar alguns fundamentos que embasam a formulação e a implementação de políticas de ampliação da jornada escolar: articulação entre educação formal e educação não formal, ideia de cidade educadora, noção de território educativo, noção de intersetorialidade, enfoque de relações intergovernamentais e abordagem de redes de políticas. O conhecimento empírico mostra que esses aspectos, no todo ou em parte, têm fundamentado estratégias políticas em vigor em alguns países. A articulação entre esses seis fundamentos possibilitou a elaboração de um esquema analítico denominado Enfoque Integrador. Esse enfoque é, ao mesmo tempo, modelo de análise e modo de gestão de políticas públicas, o que permitiu a sistematização de algumas proposições à formulação e implementação de políticas de ampliação da jornada escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia da Mota Darós Parente, UNESP - Universidade Estadual Paulista

Professora da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Campus Marília e Presidente Prudente. Líder do Grupo de Pesquisa e Avaliação de Políticas Educacionais (GAPE). Pedagoga formada pela Universidade de São Paulo (USP), Mestre e Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Pesquisa de Pós-Doutorado realizada na Universidad de Salamanca, Espanha.  

Referências

ALFIERI, F. El papel de las instituciones locales en el sistema formativo integrado. In: FERNANDO, J.; MORELL, S. (coord.). La ciudad educadora: [I Congrés Internacional de Ciutats Educadores, 1990]. Barcelona: Ajuntament de Barcelona, 1990. p. 163-173.

ARAÚJO, L.; RODRIGUES, M. de L. Modelos de análise das políticas públicas. Sociologia, Problemas e Práticas, Lisboa, n. 83, p. 11-35, fev. 2017.

ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE CIDADES EDUCADORAS. Carta das cidades educadoras. [S. l.: s. n.], 2004. Disponível em: http://www.edcities.org/rede-portuguesa/wp-content/uploads/sites/12/2018/09/Carta-das-cidades-educadoras.pdf. Acesso em: 5 jul. 2019.

BÖRZEL, T. ¿Qué tienen de especial los policy networks? Explorando el concepto y su utilidad para el estudio de la gobernación europea. [S. l.: s. n.], 1997. Disponível em: http://revista-redes.rediris.es/webredes/textos/policynet.doc. Acesso em: 5 jul. 2019.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução n. 1, 23 de janeiro de 2012. Dispõe sobre a implementação do regime de colaboração mediante Arranjo de Desenvolvimento da Educação (ADE), como instrumento de gestão pública para a melhoria da qualidade social da educação. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 10, 24 jan. 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9816-rceb001-12&Itemid=30192. Acesso em: 16 mar. 2020.

BRASIL. Decreto n. 7.083, de 27 de janeiro de 2010. Dispõe sobre o Programa Mais

Educação. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 jan. 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-

/2010/Decreto/D7083.htm. Acesso em: 16 mar. 2019.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 5 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Normativa Interministerial n. 17, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades sócio-educativas no contraturno escolar. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 abr. 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/mais_educacao.pdf. Acesso em: 16 mar. 2020.

BRASIL. Relatório do 2º ciclo de monitoramento das metas do plano nacional de educação – 2018. Brasília, DF: INEP, 2018.

COOMBS, P. H. T.; AHMED, M. Attacking rural poverty: how nonformal education can help. Baltimore: London: Johns Hopkins University Press, 1974.

COOMBS, P. H. T. The world educational crisis: a systems analysis. New York: Oxford University Press, 1968.

DUBOIS, A.; ST-PIERRE, L.; VERAS, M. A scoping review of definitions and frameworks of intersectoral action. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 10, p. 2933-2942, out. 2015.

ÉBOLI, T. Uma experiência de educação integral. Brasília, DF: MEC/INEP, 1969.

ESCOLANO BENITO, A. Tiempo y educación. Notas para una genealogía del almanaque escolar. Revista de Educación, Madrid, n. 298, p. 55-79, 1992.

FAURE, E. Aprender a ser: la educación del futuro. Madri: Alianza Editorial, 1973.

FERNANDES, R. C. Público porém privado: o terceiro setor na América Latina. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2002.

FERRER JULIÁ, F. La educación comparada actual. Barcelona: Ariel, 2002.

FIGUEIREDO, A. M. O QREN e a territorialização de políticas públicas. [S. l.: s. n.], 2009. Disponível em: www.observatorio.pt/download.php?id=739. Acesso em: 5 jul. 2019.

GEPPERT, C.; BAUER-HOFMANN, S.; HOPMANN, S. T. Policy reform efforts and equal opportunity – an evidence-based link? an analysis of current sector reforms in the Austrian school system. C E P S Journal, v. 2, n. 2, p. 9-29, 2012.

GIDDENS, A. Introdução. In: GIDDENS, A. (org.). O debate global sobre a terceira via. São Paulo: Editora Unesp, 2007. p. 17-43.

GOHN, M. da G. Educação não-formal e cultura política. São Paulo: Cortez, 1999.

GRIN, E. J.; ABRUCIO, F. L.; BERGES, M. Gestão intergovernamental: evolução, abordagens teóricas e perspectivas analíticas. BIB, São Paulo, n. 87, p. 157-180, 2018.

HOWLETT, M.; RAMESH, M.; PERL, A. Política Pública: seus ciclos e subsistemas – uma abordagem integradora. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

HÚSEN, T. La ciudad educadora. In: FERNANDO, J.; MORELL, S. (coord.). La ciudad educadora: [I Congrés Internacional de Ciutats Educadores, 1990]. Barcelona: Ajuntament de Barcelona, 1990. p. 141-152.

MARTINIC, S. El tiempo y el aprendizaje escolar: la experiencia de la extensión de la jornada escolar en Chile. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 20, n. 61, p. 479-499, abr./jun. 2015.

MIGNOT, A. C. V. CIEP – Centro integrado de educação pública: alternativa para a qualidade do ensino ou nova investida do populismo na educação? Em Aberto, Brasília, DF, n. 44, p. 45-63, 1989.

MOLL, J. (org.). Caminhos da Educação Integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2012.

MULLER, P.; SUREL, Y. A análise das políticas públicas. Pelotas: Educat, 2002.

PARENTE, C. da M. D. A construção dos tempos escolares. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 2, p. 135-156, ago. 2010.

PARENTE, C. da M. D. Construindo uma tipologia das políticas de educação integral em tempo integral. roteiro, Joaçaba, v. 41, n. 3, p. 563-586, set./dez. 2016.

PARENTE, C. da M. D. Desvendando a jornada escola brasileira. Revista Educação e Políticas em Debate, Uberlândia, v. 8, n. 3, p. 319 - 343, set./dez. 2019.

PARENTE, C. da M. D.; LÁZARO HERRERO, L. Educação em tempo integral e mais tempo na escola: estratégias de Brasil e Espanha. InterMeio: revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, Campo Grande, v. 25, n. 50, p. 31-56, jul./dez. 2019.

PARENTE, C. da M. D. Políticas de educação integral em tempo integral no Estado de São Paulo: modelos e experiências. Jornal de Políticas Educacionais, Curitiba, v. 11, n. 24, dez. 2017.

PFEIFER, M.; HOLTAPPELS, H. G. Improving learning in all-day schools: results of a new teaching time model. European Educational Research Journal, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 232-242, 2008.

PIRES, C. A. A “Escola a Tempo Inteiro” – operacionalização de uma política para o 1.º ciclo do ensino básico: uma abordagem pela “análise das políticas públicas”. 2012. 375 p. Tese (Doutorado em Educação) – Instituto de Educação, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2012.

PULKKINEN, L. An inspiring school day: an effort to transform research findings into policy. In: MATTHES, M. Improving the quality of childhood in Europe. Tallin, Estonia: Printon Printing House, 2016. p. 52-69.

SOUZA, R. F. de. Tempos de infância, tempos de escola: a ordenação do tempo escolar no ensino público paulista (1892-1933). Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 25, n. 2, p. 127-143, jul./dez. 1999.

TRILLA, J. Introducción. In: FERNANDO, J.; MORELL, S. (coord.). La ciudad educadora: [I Congrés Internacional de Ciutats Educadores, 1990]. Barcelona: Ajuntament de Barcelona, 1990. p. 13-21.

TRILLA, J. La educación fuera de la escuela: ámbitos no formales y educación social. Barcelona: Ariel, 1998.

TRILLA, J. La cultura y sus mediaciones pedagógicas. In: GARRIDO, J. L. (coord.). La sociedad educadora. Madrid: Fundación Independiente, 2000. p. 125-144.

UNITED STATES OF AMERICA. National Commission on Excellence in Education. A Nation at Risk: the Imperative For Educational Reform. Washington, D.C.: Government Printing Office 1983.

UNITED STATES OF AMERICA. National Education Commission on Time and Learning. Prisoners of Time. Washington, D.C.: Government Printing Office, 1994.

WRIGHT, D. S. Del federalismo a las relaciones intergubernamentales en los Estados Unidos de América: una nueva perspectiva de la actuación recíproca entre el gobierno nacional, estatal y local. Revista de Estudios Políticos, Madrid, n. 6, p. 5-28, 1978.

Publicado
30-07-2020
Como Citar
PARENTE, C. DA M. D. . Políticas de ampliação da jornada escolar: fundamentos e proposições. Roteiro, v. 45, p. 1-26, 30 jul. 2020.
Seção
Artigos de demanda contínua