Persistência do trabalho infantil ou da exploração do trabalho infantil

  • Soraya Franzoni Conde Universidade Federal de Santa Catarina
  • Mauricio Silva UFSC
Palavras-chave: Trabalho, Educação, Infância, Trabalho Infantil, Exploração

Resumo

O artigo visou problematizar as relações entre o processo de formação humana da infância da classe trabalhadora e a problemática da “exploração do trabalho infantil”, por sua vez tão envolta em mitos, polêmicas e equívocos, objeto de um certo senso comum por parte da academia, de instituições não governamentais e órgãos oficiais, da mídia e da população em geral. Nesse sentido, o enunciado do artigo objetiva trazer à discussão elementos teórico-conceituais acerca da problemática em questão, nos quais ganha centralidade a pergunta-síntese/pergunta-problema: “trabalho infantil ou exploração do trabalho infantil?”, circunscrita à perspectiva histórica do sistema capitalista de produção. Tanto a literatura acadêmica quanto os documentos e dados oficiais e mesmo os não governamentais (terceiro setor) privilegiam a expressão “trabalho infantil”, ao invés de “exploração do trabalho infantil”. Nesse viés, a ideia é, do ponto de vista metodológico, refletir a partir da literatura existente e dos dados estatísticos. Entendemos que o escamoteamento da palavra “exploração” é parte da estratégia política e discursiva que busca desviar o foco social do elemento central da sociedade capitalista: a exploração da mais-valia. Desse modo, podemos afirmar que confusões conceituais, etimológicas, epistemológicas e ideológicas a respeito do tema são parte do jogo discursivo político-ideológico aparente e, tratando de aspectos superficiais do problema, contribuem para o enfraquecimento da luta por outra sociedade, persistindo o problema diante das contradições e crises insolúveis do capital, que têm na miséria oriunda da exploração do trabalho o elemento central de sua produção/reprodução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mauricio Silva, UFSC

Professor aposentado da Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Educação pela Unicamp

Referências

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho. Campinas: Editora da Unicamp, 1995.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do Trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

CASTEL, R. et al. Da indigência à exclusão, a desfiliação: precariedade do trabalho e vulnerabilidade relacional. In: DONZELOT, J. (org.). Face a L”exclusion: le modèle Français. Paris: Esprit, 1991. p. 137-168.

CHOMSKY, N. Segredos, mentiras e democracia. Brasília: Ed. UNB, 1997.

CONDE, S. F. Quando o trabalho infantil se torna uma generalidade social. Revista Trabalho Necessário, v. 10, n. 15, p. 1-22, 2012.

CONDE, S. F. A escola e a exploração do trabalho infantil na fumicultura catarinense. Florianópolis: Editora Em Debate, 2016.

DUARTE, N.; DELLA FONTE, S. S. Arte, conhecimento e paixão na formação humana. Campinas: Autores Associados, 2010.

FONTES, V. Capitalismo em tempos de uberização: do trabalho ao emprego. Marx e o Marxismo, Rio de Janeiro, v. 5, n. 8, p. 45-67, jan./jun. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2m5lmkj. Acesso em: 20 ago. 2018.

FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL NO BRASIL. O trabalho infantil nos principais agrupamentos de atividades econômicas do Brasil. Brasília, DF: FNPETI, 2016. Disponível em: https://fnpeti.org.br/media/12dejunho/documentos-de-referencia/O_Trabalho_Infantil_nos_Principais_Grupamentos_de_Ati.pdf. Acesso em: 16 dez. 2019.

HOBSBAWN, E. J. A Era das Revoluções. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

MACHADO, L. R. de S. Politécnica, escola unitária e trabalho. São Paulo: Cortez, 1989.

MANACORDA, M. A. Marx e a pedagogia moderna. São Paulo: Cortez, 1991.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos e outros textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. 3. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

MARX, K. Trabalho assalariado e capital. 5 de abril de 1849. Lisboa: Editora Avante, 2006. Tomos I, II e III. (Obras Escolhidas).

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo. Boitempo: 2005.

NEVES, D. P. A perversão do trabalho infantil. Niterói: Intertexto, 1999.

NOGUEIRA, M. A. Educação, saber, produção em Marx e Engels. São Paulo: Cortez, 1990.

PALHOZA, N. Nada de novo sob o parreiral: o trabalho infantil dos ítalo-descendentes na vitivinicultura videirense. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

REIS FILHO, D. O Manifesto do Partido Comunista 150 anos depois. Rio de janeiro: Contraponto, 1998.

RUBIN, I. L. A Teoria Marxista de Valor. São Paulo: Ed. Polis, 1987.

SÃO PAULO (Estado). Tribunal Internacional Contra o Trabalho Infantil. Sentença. São Paulo, 1999. Mimeo.

SCHWARTZMAN, Simon. As causas da pobreza. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

SILVA, M. R. Trama doce-amarga: (exploração do) trabalho infantil e cultura lúdica. São Paulo: Hucitec; Ijuí: Unijuí, 2003.

SILVA, M. R.; Trabalho infantil ou exploração do trabalho infantil. In: REDIN, E.; MÜLLER, F.; REDIN, M. M. (org.). Infâncias: cidades e escolas amigas das crianças. Porto Alegre: Mediação, 2007. p. 57-75.

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa II (A maldição de Adão). São Paulo: Paz e Terra, 2002.

Publicado
05-06-2020
Como Citar
CONDE, S. F. .; SILVA, M. Persistência do trabalho infantil ou da exploração do trabalho infantil. Roteiro, v. 45, p. 1-20, 5 jun. 2020.
Seção
Seção temática: Políticas educacionais e o avanço da nova (ou extrema?) direita