Mobile collaborative learning e o ensino de Ciências em diferentes contextos educacionais

Palavras-chave: Mobile Learning, Prática Docente, Dispositivos Móveis, Formação Docente

Resumo

O estudo mostra como as tecnologias móveis auxiliaram as aulas de Ciências, articulando conteúdo curricular e situações reais vividas na comunidade. Optou-se por uma abordagem qualitativa com o emprego da pesquisa-ação, envolvendo o trabalho colaborativo de uma professora interessada em contribuir com a resolução de preocupações relacionadas ao uso dessas tecnologias no contexto escolar. As entrevistas, o diário de campo e as observações das aulas foram analisadas e codificadas. Os resultados indicam que os elementos que subsidiam a Mobile Collaborative Learning, a partir da prática docente apoiada por dispositivos móveis, reconhecem a importância docente como mediador, envolvendo os alunos nas discussões sobre os temas estudados em diferentes contextos de aprendizagem. Para que essas tecnologias se integrem às atividades escolares é preciso tornar o currículo mais flexível, tanto ao planejamento quanto à execução, assim repensar políticas públicas que incentivem o uso desses dispositivos na escola, especialmente aqueles de uso próprio dos estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karla Angélica Silva do Nascimento, Universidade Federal do Ceará

Doutora em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (2016); Mestra em Educação (Formação de Professores) pela Universidade Estadual do Ceará (2007) e graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Ceará (2000). Foi professora na modalidade a distância em cursos de graduação pela Universidade Aberta do Brasil coordenados pela UECE e UFC. Atua como professora em cursos a distância e presenciais, de modo respectivo, nos níveis de graduação e pós-graduação da Unichristus. 

José Aires de Castro Filho, Universidade Federal do Ceará

Doutor em Mathematics Education - University Of Texas At Austin (2000). Atualmente é professor Titular da Universidade Federal do Ceará, sendo Vice-diretor e Coordenador de Programas Acadêmicos do Instituto Universidade Virtual. 

Referências

ALMEIDA, M. E. B. de; VALENTE, J. A. Tecnologias e currículo: trajetórias convergentes ou divergentes. São Paulo: Paulus, 2011, p. 6-8.

ARAÚJO, R. M.; ESTEVES, M. M. A formação docente, inicial e contínua, para o trabalho com adultos em Portugal: o olhar dos professores. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 4, p. 18-35, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/121. Acesso em: 23 maio 2019.

BALOCH, H. Z.; RAHMAN, A. A.; IHAD, N. Mobile Collaborative Informal Learning Design: Study of Collaborative Effectiveness Using Activity Theory. International Journal of Interactive Mobile Technologies, Nova York, v. 6, n. 3, 2012.

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Brasília: Líber Livro Editora, 2004.

BERRIBILI, E.; MILL, D. Impacto cognitivo do uso intensivo da internet: a autonomia dos estudos com dispositivos na adolescência. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 9, p. 177-188, 2018. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/862/765. Acesso em: 23 maio 2019.

CEARÁ. Lei n.14.146, de 25 de junho de 2008. Dispõe sobre a proibição do uso de equipamentos de comunicação, eletrônicos e outros aparelhos similares, nos estabelecimentos de ensino do Estado do Ceará, durante o horário das aulas. Diário Oficial, Ceará, CE, 30 set. 2008. Disponível em: http://www.al.ce.gov.br/legislativo/legislacao5/leis2008/14146.htm Acesso em: 12 set. 2019.

ELLIOT, J. El cambio educativo desde la investigación-acción. Madrid: Morata, 1993.

FANTIN, M. Educação, aprendizagem e tecnologia na pesquisa-ação. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 6, p. 87-100, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/161/143. Acesso em: 23 maio 2019.

FERNANDES, A. P. O ser e o saber-fazer docente nas escolas das ilhas de Belém/PA. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 3, p. 32-49, 2016. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/112/95. Acesso em: 23 maio 2019.

FERREIRA, E. M.; MUNIZ, D. M.; OLIVEIRA JÚNIOR, O. Sequências didáticas, tecnologias e aprendizagem de língua portuguesa na escola de ensino médio. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 9, p. 71-87, 2018. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/857/759. Acesso em: 23 maio 2019.

FONSECA, G. As tecnologias de informação e comunicação na formação inicial de professores do 1º ciclo do ensino básico – fatores constrangedores invocados pelos formadores para o uso das tecnologias. Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 11, p. 3-23, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/254/1149. Acesso em: 23 maio 2019.

HSU, Y.; CHING, Y. Mobile computer supported collaborative learning: A review of experimental research. British Journal of Educational Technology, Londres, v. 44, n. 5, p. E111-E114, 2013.

JARDILINO, J. R.; SAMPAIO, A. M. Desenvolvimento profissional docente: reflexões sobre política pública de formação de professores. Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 10, p. 180-194, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/848/1089. Acesso em: 23 maio 2019.

LARU, J.; NÄYKKI, P.; JÄRVELÄ, S. Four stages of research on the educational use of ubiquitous computing. IEEE Transactions on Learning Technologies, Nova York, v. 8, n. 1, p. 69-82, 2015.

LIU, T.; LIN, Y.; PAAS, F. Effects of prior knowledge on learning from different compositions of representations in a mobile learning environment. Computers & Education, Washington, v. 72, p. 328-338, 2014.

MEHDIPOUR, Y.; ZEREHKAFI, H. Mobile Learning for Education: Benefits and Challenges. In International Journal of Computational Engineering Research, Nova Delhi, v. 3, n. 6, p. 93-101, 2013.

NASCIMENTO, K. A. S. do, CASTRO FILHO, J. A. de. Aprendizagem Colaborativa com Suporte de Dispositivos Móveis no Projeto UCA In: TISE - XIX Conferência Internacional sobre Informática na Educação, 2014, Fortaleza. Anais Nuevas Ideas en Informática Educativa. Chile: Universidad de Chile, Facultad de Ciencias Físicas y Matemáticas, 2014. v. 10. p. 940-946.

NASCIMENTO, K. A. S. MC-Learning: Práticas Colaborativas na Escola com o Suporte da Tecnologia Móvel. 2016. Tese (Doutorado em Educação Brasileira) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/21227. Acesso em: 23 maio 2019.

PEREIRA, A.; RIBEIRO, C. S. A culpabilidade pelo fracasso escolar e a interface com os “problemas de aprendizagem” em discurso. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 5, p. 95-110, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/138. Acesso em: 23 maio 2019.

RAZAQUE, A.; ELLEITHY, K. Interactive Prototypes for Mobile Collaborative Learning (MCL) to Substantiate Pedagogical. International Journal of Interactive Mobile Technologies, Nova York, v. 6, n. 1, 2012.

REYCHAV, I. WU, D. Mobile collaborative learning: the role of individual learning in groups through text and video content delivery in tablets. Computers in Human Behavior, Washington, v. 50, p. 520-534, 2015.

SANTAELLA, L. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus, 2013.

SHARPLES, M.; TAYLOR, J.; VAVOULA, G. A theory of learning for the mobile age. In: Medienbildung in neuen Kulturräumen. Kassel, Alemanha: VS Verlag für Sozialwissenschaften, 2010. p. 87-99.

SOUSA, E.; MARQUES, E. O processo de constituir-se professor na relação objetividade- -subjetividade: significações acerca da mediação social na escolha pela docência. Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 11, p. 82-96, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/841/1143. Acesso em: 23 maio 2019.

THERRIEN, J.; AZEVEDO, M. R.; LACERDA, C. A racionalidade pedagógica nos processos de mediação à produção de sentidos e de aprendizagem aos saberes. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 6, p. 186-199, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/166. Acesso em: 23 maio 2019.

TRIGUERO, I. M. G. Gamificación y tecnologías como recursos y estrategias innovadores para la enseñanza y aprendizaje de la historia. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 8, p. 3-16, 2018. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/267/195. Acesso em: 10 jan. 2019.

UNESCO. O Futuro da aprendizagem móvel: implicações para planejadores e gestores de políticas. Brasília: UNESCO, 2014. 64 p.

VEIGA, I. P. A. Docência: Uma construção ético-profissional. Campinas: Papirus, 2005.

VIEIRA, V.; BIANCONI, M. L.; DIAS, M. Espaços não-formais de ensino e o currículo de Ciências. Ciência e Cultura, Campinas, v. 57, n. 4, p. 21-23, 2005.

WU, W. et al. Review of trends from mobile learning studies: A meta-analysis. Computers & Education, Washington, v. 59, n. 2, 2012, 817-827.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

ZURITA, G.; NUSSBAUM, M. A conceptual framework based on activity theory for mobile CSCL. British Journal of Educational Technology, Londres, v. 38, n. 2, p. 211-235, 2007.

Publicado
19-06-2020
Como Citar
NASCIMENTO, K. A. S. DO; CASTRO FILHO, J. A. DE. Mobile collaborative learning e o ensino de Ciências em diferentes contextos educacionais. Roteiro, v. 45, p. 1-24, 19 jun. 2020.
Seção
Artigos de demanda contínua