A contrarreforma do Ensino Médio e as perdas de direitos sociais no Brasil

  • Adriana Maria Cancella Duarte UFMG
  • Juliana Batista dos Reis UFMG
  • Licinia Maria Correa UFMG
  • Shirlei Rezende Sales UFMG
Palavras-chave: Ensino Médio; contrarreforma; juventude; currículo; desigualdades escolares.

Resumo

O artigo busca identificar, descrever e analisar os processos e os efeitos da contrarreforma do Ensino Médio, regulamentada pela Lei nº 13.415/17, e a consequente perda de direitos sociais, especialmente para a juventude brasileira. O Ensino Médio no Brasil, última etapa da educação básica, tem sofrido frequentes reformas nas últimas duas décadas, propostas pelos governos nacionais ou por iniciativa dos próprios estados federativos. A partir da promulgação da Lei 13.415/17, privilegia-se, em um primeiro momento, a análise sobre os efeitos da contrarreforma para os sujeitos da escola (jovens estudantes e corpo docente). Em seguida, examina-se a proposta de organização curricular e a Base Nacional Curricular Comum para o Ensino Médio. Argumenta-se que a proposta de flexibilização reduz a educação básica à preparação para o mercado de trabalho, restringe e abrevia a oferta, amplia as desigualdades educacionais e oferece base legal para a privatização do ensino público. Conclui-se que a contrarreforma se configura como golpe à educação brasileira, pois não considerou o quadro geral do Ensino Médio atual (as condições de trabalho das/os docentes e a infraestrutura existente hoje nas escolas), os avanços e as orientações contidos no Plano Nacional de Educação (2014-2024), as experiências e os saberes dos sujeitos da escola e as pesquisas já desenvolvidas na área. O uso do conceito de contrarreforma potencializa a análise dos processos regressivos aos avanços dos direitos sociais diante dessa iniciativa.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Maria Cancella Duarte, UFMG

Professora Titular do Departamento de Administração Escolar da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação (UFMG). Doutora em Educação (UFMG). Vice-coordenadora do Grupo de Estudos Política Educacional e Trabalho Docente – Gestrado/FaE/UFMG. Membro do Grupo Ensino Médio Em Pesquisa (EMPesquisa).

Juliana Batista dos Reis, UFMG

Professora Adjunta do Departamento de Ciências Aplicadas à Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutora em Educação (UFMG). Graduada e mestre em Ciências Sociais. Compõe a coordenação do Programa de Pesquisa, Ensino e Extensão Observatório da Juventude da UFMG. Membro do Grupo Ensino Médio em Pesquisa (EMPesquisa).

Licinia Maria Correa, UFMG

Professora Associada do Departamento de Ciências Aplicadas à Educação da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Pró-Reitora Adjunta da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis da UFMG. Doutora em Educação Escolar (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita – Araraquara). Compõe o Programa de Pesquisa, Ensino e Extensão do Observatório da Juventude da UFMG. Membro do Grupo Ensino Médio em Pesquisa (EMPesquisa).

 

Shirlei Rezende Sales , UFMG

Pós doutoranda pela University of Illinois, USA. Professora do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Brasil. Doutora em Educação pela mesma universidade. Membro dos seguintes grupos de pesquisa: Observatório da Juventude da UFMG; Ensino Médio em Pesquisa (EMPesquisa); Educação, Redes Sociotécnicas e Culturas e Digitais e GECC (Grupo de Estudos e Pesquisas em Currículos e Culturas da FaE/UFMG).

Referências

ANDRADE, S. S; MEYER, D. E. Juventudes, moratória social e gênero: flutuações identitárias e(m) histórias narradas. Educ. Rev., Curitiba, n. espec-1, p. 85-99, 2014.
AGUIAR, J. S. Existo porque resisto: práticas de re-existência de jovens mulheres aprendizes frente às assimetrias de gênero. 2017. 140 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.
ARAUJO, R. M. L. Ensino médio brasileiro. Dualidade, diferenciação escolar, reprodução das desigualdades. Uberlândia. Navegando Publicações. 1ª edição eletrônica. 2019.
ARROYO, M. G. Repensar o Ensino Médio: Por quê? In: DAYRELL, J., CARRANO, P.; MAIA, C. L. Juventude e Ensino Médio: sujeitos e currículos em diálogo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.
ARROYO, M. G. O direito a tempos-espaços de um justo e digno viver. In: MOLL et al. Caminhos da Educação Integral no Brasil - Direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2012. p. 33-45.
BATISTA, A. A. G.; LUGLI, R. S. G.; RIBEIRO, V. M., Centralização e padronização dos currículos: posições e tomadas de posição. Cadernos CENPEC, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 75-104, jan./jul. 2017.
BANCO MUNDIAL. Ampliar oportunidades y construir competencias para los jóvenes - Una agenda para la educación secundaria. 2007. [Banco Mundial en coedición con Mayol Ediciones S.A.].
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.
BRASIL. Lei n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 1996.
BRASIL. IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: Síntese de Indicadores 2015. Rio de Janeiro, 2016a.
BRASIL. Lei nº 13.415/2017, de 16 de fevereiro de 2017. 2017a.
BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014a. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. 2014.
BRASIL. Lei nº 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – Fundeb. 2007.
BRASIL. MEC/INEP. Censo Escolar 2017. Notas Estatísticas. Brasília, jan. 2018a.
BRASIL. MEC/INEP. Censo Escolar 2016. Notas Estatísticas. Brasília, fev. 2017b.
BRASIL. MEC. Base Nacional Comum Curricular – Educação é a Base. Brasília, 2018b.
BRASIL. MEC. CNE. CEB. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Resolução nº 3, de 21 de novembro de 2018. 2018c.
BRASIL. MEC/SEB. Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio: formação de professores do ensino médio: documento orientador preliminar. Brasília, 2013.
BRASIL. MEC/SEB. Programa Ensino Médio Inovador. Documento orientador. Brasília, set. 2009.
BRASIL. Presidência da República. Medida Provisória nº 746 de 22 de setembro de 2016. 2016b.
BRASIL. Presidência da República. Emenda Constitucional nº 59 de 11 de novembro de 2009. 2009a.
BRASIL. Tribunal de Contas da União - TCU. Relatório de Auditoria (Fiscalização nº 177/2013). Secretaria de Controle Externo da Educação, da Cultura e do Desporto (Secex Educação), Brasília, 2014b.
CAMPOS, A. M.; MEDEIROS, J., RIBEIRO, M. M. Escolas em luta. São Paulo: Veneta, 2016.
CARVALHO, J. S. F. Escolha curricular como problema filosófico: uma análise crítica das Diretrizes Curriculares Nacionais do Ensino Médio. Educ. Rev., Belo Horizonte, v. 35, 2019.
CORAZZA, S. M. A-traduzir o arquivo da docência em aula: sonho didático e poesia curricular. Educ. Rev., Belo Horizonte, v. 35, 2019.
CORREA, L. M. et al. Escola como locus da formação continuada e o Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio: efeitos na vida dos professores. Em Aberto, Brasília, v. 30, n. 98, p. 87-104, jan./abr. 2017.
CORTEZZI, L. P. Argumentos favoráveis e contrários à BNCC: a construção discursiva de uma política curricular. 2018. Monografia (Graduação em Pedagogia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.
CORTI, A. P O; CORROCHANO, M. C; SILVA, J. A. Ocupar e resistir: a insurreição dos estudantes paulistas. Educ. Soc., Campinas, v. 37, n. 137, p. 1159-1176, dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 1 ago. 2018.
CURY, C. R. J.; REIS M.; ZANARDI, T. A. C. Base Nacional Curricular Comum: dilemas e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2018.
CURY, C. R. J. A Educação Básica no Brasil. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, p. 168-200, set. 2002.
CURY, C. R. J. A nova lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: uma reforma educacional? In: CURY, C.; HORTA, J. S.; BRITO, V. L. Medo à liberdade e compromisso democrático: LDB e Plano Nacional de Educação. São Paulo: Editora do Brasil, 1997. p. 91-136.
DAYRELL, J.; CARRANO, P. Juventude e Ensino Médio: quem é este aluno que chega à escola. In: DAYRELL, J.; CARRANO, P.; MAIA, C. Juventude e Ensino Médio: sujeitos e currículo em diálogo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.
FERREIRA, A. G. #CurrículoEmConexãoComAcibercultura: a sociabilidade ciborgue e as juventudes no ensino médio. 2017. 198 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.
FERRETI, C. J; SILVA, M. R. Reforma do Ensino Médio no contexto da medida provisória nº 746/2016: Estado, currículo e disputas por hegemonia. Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 139, p. 385-404, jun. 2017.
KRAWCZYK, N.; FERRETTI, C. J. Flexibilizar para quê? Meias verdades da “reforma”. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 33-44, jan.-jun. 2017.
KUENZER, A. Z. Trabalho e escola: a flexibilização do Ensino Médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educação e Sociedade. Campinas, v. 38, n. 139, p. 331-354, abr.-jun. 2017.
LEÃO, G.; DAYRELL, J. T.; REIS, J. B. Jovens olhares sobre a escola do ensino médio. Cad. Cedes, Campinas, vol. 31, n. 84, p. 253-273, mai.-ago. 2011.
LEÃO, G. O que os jovens podem esperar da reforma do Ensino Médio brasileiro? Educ. Rev., Belo Horizonte, v. 34, 2018. Disponível em: .
LOPES, A. C.; MACEDO, E. Disciplinas e Integração Curricular. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.
LOPES, A. C. Currículo, política, cultura. In: SANTOS, L.; DALBEN, Â.; DINIZ, J.; LEAL, L. (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: Currículo; Ensino de Educação Física; Ensino de Geografia; Ensino de História; Escola, Família e Comunidade. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. v. 1. p. 23-37.
MACEDO, E. Base Nacional Comum para Currículos: direitos de aprendizagem e desenvolvimento para quem? Educ. Soc., Campinas, v. 36, n. 133, p. 891-908, dez. 2015.
MACEDO, E. Base Nacional Curricular Comum: a falsa oposição entre conhecimento para fazer algo e conhecimento em si. Educ. Rev., Belo Horizonte, v. 32, n. 2, p. 45-68, jun. 2016.
MACEDO, E. As demandas conservadoras do movimento escola sem partido e a Base Nacional Curricular Comum. Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 507-524, abr.-jun. 2017.
MACEDO, E. “A Base é a base”. E o currículo o que é? In: AGUIAR, M.; DOURADO, L. F. (Org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018. p. 28-33.
MOLL, J. Introdução. In: MOLL, J. et al. Caminhos da Educação Integral no Brasil. Direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2012. p. 27-30.
OCDE. Education Today: The OECD Perspective. Paris: OECD Publishing, 2009.
PARAÍSO, M. A. A ciranda do currículo com gênero, poder e resistência. Currículo sem Fronteiras, v. 16, n. 3, p. 388-415, set./dez. 2016.
PERONI, V. Reformas educacionais de hoje: as implicações para a democracia. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 21, p. 415-432, jul.-dez. 2017.
PMDB. Uma Ponte para o Futuro. Brasília: Fundação Ulysses Guimarães, 2015.
POCHMANN, M. Estado e capitalismo no Brasil: a inflexão atual no padrão das políticas públicas do ciclo político da nova república. Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 309-330, abr.-jun. 2017.
PRICE, T. A. Comum para quem? Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 3 p. 1.614- 1.633, out./dez. 2014. Disponível em: .
SALES, S. R. A ética e a estética da existência juvenil em duas lições curriculares do ensino médio: jogos de verdade sobre sexualidade e gravidez. In: MORGADO, J. C.; MENDES, G. L.; MOREIRA, A. F.; PACHECO, J. A. (Org.). Currículo, internacionalização, cosmopolitismo: desafios contemporâneos em contextos luso-afro-brasileiros. Volume 1. Santo Tirso, Portugal: De Facto Editores, 2015. p. 133-142.
SALES, S. R. Algumas lições curriculares sobre a estética da existência juvenil: disputas discursivas em torno da sexualidade e gravidez no ensino médio. In: MACEDO, E.; RANIERY, T. (Org.). Currículo, sexualidade e ação docente. Petrópolis: DPet Alli, 2017. p. 75-90.
SILVA, L. Currículo da nudez: relações de poder-saber na produção de sexualidade e gênero nas práticas ciberculturais de nude selfie. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018a.
SILVA, M. R. Currículo e competências: a formação administrada. São Paulo: Cortez, 2008.
SILVA, M. R. A BNCC da reforma do Ensino Médio: o resgate de um empoeirado discurso. Educ. Rev., Belo Horizonte, v. 34, 2018b.
SILVA, T. T. Currículo e identidade social: território contestado. In: SILVA, T. T. Alienígenas na sala de aula. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.
SIMÕES, C. A. Vozes dissonantes na reforma do ensino médio, 2016 (mimeo).
SPOSITO, M. (Coord.) Espaços públicos e tempos juvenis: um estudo de ações do poder público em cidades de regiões metropolitanas brasileiras. São Paulo: Global, 2007.
SÜSSEKIND, M. L. A BNCC e o “novo” Ensino Médio: reformas arrogantes, indolentes e malévolas. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 91-107, jan./mai. 2019.
UNESCO. O ensino médio no século XXI: desafios, tendências e prioridades. Brasília, 2003. 94 p. [Cadernos UNESCO. Série Educação, 9].
Publicado
19-05-2020
Como Citar
CANCELLA DUARTE, A. M.; BATISTA DOS REIS, J.; CORREA, L. M.; REZENDE SALES , S. A contrarreforma do Ensino Médio e as perdas de direitos sociais no Brasil. Roteiro, v. 45, 19 maio 2020.
Seção
Seção temática: Políticas educacionais e o avanço da nova (ou extrema?) direita