Governança universitária e rankings acadêmicos à luz da literatura acadêmica brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v46i.22391

Palavras-chave:

Governança universitária, Rankings acadêmicos, Educação Superior

Resumo

Partindo do pressuposto que a temática da governança universitária e sua interface com os rankings acadêmicos é pouco explorada em termos de pesquisas científicas no âmbito acadêmico brasileiro, o presente estudo tem como objetivo traçar e analisar o estado da questão na literatura acadêmica brasileira sobre a governança universitária e sua inter-relação com os rankings acadêmicos com o intuito de identificar as tendências predominantes, tendo como indicadores analíticos: conceito, metodologia e bases epistemológicas. Realizou-se análise bibliográfica de estudos produzidos sobre a temática, tendo como corpus analítico a produção científica brasileira sobre governança universitária e sobre rankings acadêmicos em termos de artigos científicos, dissertações de mestrado e teses de doutorado. Entre os principais achados desta pesquisa: 1) identificou-se a incipiência da temática governança universitária na literatura acadêmica brasileira, sendo a maioria das produções nas ciências humanas; 2) verificou-se tratar de um tema altamente polissêmico que converge para o processo de tomada de decisão, envolvendo múltiplos aspectos da vida universitária como, gestão do conhecimento, gestão financeira, autoavaliação, influência política, transparência, participação e envolvimento dos stakeholders; 3) inferiu-se que o conceito de governança universitária está alinhado a uma estrutura ágil e flexível no processo de tomada de decisão, frente a um cenário de grandes mudanças e múltiplas demandas, ultrapassando aos conceitos básicos de gestão universitária; 4) identificou-se explicita inter-relação da governança universitária com os rankings acadêmicos, sendo estes, considerados ferramentas importantes de governança, quando considerados pelas universidades em seu planejamento estratégico para superar fragilidades identificadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Wandercil, Pontifícia Universidade Católica de Campinas; Faculdade Santa Lúcia de Mogi Mirim.

Doutorando e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-CAMPINAS), membro do Grupo de Avaliação, Políticas e Sistemas Educacionais (GRAPSE) da PUC-CAMPINAS. Professor da Faculdade Santa Lúcia de Mogi Mirim e especialista em Avaliação Institucional da PUC-Campinas.

Adolfo-Ignacio Calderón, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Doutor em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo com Pós-doutorado em Ciências da Educação na Universidade de Coimbra. É professor titular do Programa de Pós-Graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-CAMPINAS), Bolsista de Produtividade em Pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) do Brasil e membro titular do Conselho Científico da Associação Brasileira de Avaliação Educacional (ABAVE). Coordenador acadêmico da Rede Brasileira de Pesquisa em Rankings, Índices e Tabelas Classificatórias na Educação Superior (REDE RANKINTACS) e coordenador do Grupo de Avaliação, Políticas e Sistemas Educacionais (GRAPSE) das PUC-CAMPINAS. 

Francisco Aníbal Ganga-Contreras, Universidad de Los Lagos

Doutor em Administração de Empresas pela  Université Libre des Sciences de lEntreprise et des Technologies de Bruxel (2009) com pós-doutorado em Ciências Humanas pela Universidad del Zulia (Venezuela). Professor titular do  Departamento de Ciencias del Desarrollo e director do Programa de Investigación sobre Gobernanza e Inclusión Organizacional da Universidade de Los Lagos, Chile.

Referências

AXEL-BERG, J. H. Competing on the world stage: the Universidade de São Paulo and global universities rankings. 2015. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais) – Universidade de São Paulo, 2015.

BALBACHEVSKY, E. Governança na pesquisa científica: reflexões sobre a prática da pesquisa contemporânea e a experiência brasileira. Sociologias, v. 19, n. 46, p. 76-101, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/15174522-019004603.

BARROS, M. O modelo brasileiro de governança acadêmica e seus efeitos na produtividade científica. 2014. Tese (Doutorado em História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

BEUREN, G. M. Avaliação da qualidade institucional através de rankings nacionais e internacionais. 2014. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

BRUNNER, J. J. Gobernanza universitaria: tipología, dinámicas y tendencias. Revista de Educación, v. 355, p. 137-159, 2011.

BRUNNER, J. J.; GANGA CONTRERAS, F. Reflexiones en torno a economía política y gobernanza de los sistemas nacionales e instituciones de educación superior en América Latina. Interciencia, v. 41, n. 8, p. 573-579, 2016.

CALDERÓN, A. I. O Brasil segue na contramão dos rankings acadêmicos. Folha de São Paulo, 18 ago. 2017. Disponível em: http://ruf.folha.uol.com.br/noticias/2017/09/1918941-rankings-academicos-o-brasil-na-contramao.shtml. Acesso em: 18 ago. 2018.

CALDERÓN, A. I.; WANDERCIL, M.; MARTINS, E. (org.). Rankings acadêmicos e governança universitária no espaço do ensino superior de língua portuguesa: Angola, Cabo Verde, Macau, Moçambique, Portugal e Brasil. Brasília, DF: Anpae, 2019.

CAPES. Catálogo de Teses e Dissertações. [S. l.]: Capes, 2018a. Disponível em: https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/. Acesso em: 5 dez. 2019.

CAPES. Portal de Periódicos. [S. l.]: Capes, 2018b. Disponível em: https://www.periodicos.capes.gov.br/. Acesso em: 5 dez. 2019.

CHIAVENATO, I. Introdução a Teoria Geral da Administração. [S. l.]: Makron Books, 1998.

CNPq. Plataforma Lattes. Disponível em: http://lattes.cnpq.br/. Acesso em: 12 dez. 2019.

ERIC, A. Higher Education Report. ASHE Higher Education Report, v. 28, n. 1, 2001. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/journal/10.1002/(ISSN)1536-0709/issues?activeYear=2001. Acesso em: 25 maio 2018.

FANELLI, A. G.; CARRANZA, M. P. Los rankings y sus usos en la gobernanza universitária. Revista Iberoamericana de Ciencia, Tecnología y Sociedad – CTS, v. 13, n. 37, p. 95-112. 2018.

FÉLIX, G. T.; FURTADO, D. B. V. Autoavaliação Institucional e (In)Cultura de Participação na Universidade. HOLOS, v. 1, p. 69-80, 2016. DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2016.2151.

FRANÇA, C. M. Rankings universitários promovidos por jornais no espaço ibero-americano: El Mundo (Espanha), El Mercurio (Chile) e Folha de São Paulo (Brasil). 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2015.

HARDY, C.; FACHIN, R. C. Gestão estratégica na universidade brasileira: teoria e casos. 2. ed. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2000.

KEZAR, A.; ECKEL, P. D. Meeting today's governance challenges. Journal of Higher Education, v. 75, n. 4, p. 371-399, 2004. DOI: https://doi.org/10.1080/00221546.2004.11772264

KLEIN, K.; PIZZIO, A.; RODRIGUES, W. Governança universitária e custos de transação nas universidades da Amazônia legal brasileira. Educação & Sociedade, v. 39, n. 143, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/es0101-73302018176926.

KWICKERS, P. Governing governance: organization law and network - process - design. International Journal for Education Law and Policy, v. 1, p. 73-102, 2002.

LOURENÇO, H. F. Os rankings do Guia do Estudante na educação superior brasileira: um estudo sobre as estratégias de divulgação adotadas pelas instituições que obtiveram o prêmio melhores universidades. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2014.

MARCOVITCH, J. Repensar a Universidade: desempenho acadêmico e comparações internacionais. São Paulo: Com-Arte; Fapesp, 2018.

MERTON, R. K.; DEUS, J. D. A crítica da ciência: sociologia e ideologia da ciência. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 1979.

OLSEN, J. P.; MAASSEN, P. European debates on the knowledge institution: the modernization of the university at the European level. In: MAASSEN, P.; OLSEN, J. P. University dynamics and European integration. Dordrecht: Springer, 2007. p. 3-22.

OROZCO, L. A.; CHAVARRO, D. A. Robert K. Merton (1910-2003): la ciencia como institución. Revista de Estudios Sociales, n. 37, p. 143-162, dez. 2010.

PARNOFF, L. O processo decisório em uma burocracia profissional - implicações políticas e racionalidade administrativa – o caso da UNIJUÍ. 2007. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento) – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, 2007.

PERCY-SMITH, J. Local governance in Britain. Basingstoke: Palgrave, 2001.

REDE RANKINTACS. Rede Brasileira de Pesquisa em Rankings, Índices e Tabelas Classificatórias na Educação Superior. Acervo Digital. Disponível em: https://rederankintacs.wixsite.com/acervo. Acesso em: 12 dez. 2018.

RIGHETTI, S. Qual é a melhor? Origem, indicadores, limitações e impactos dos rankings universitários. 2016. Tese (Doutorado em Política Científica e Tecnológica) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

SANTOS, A. V. et al. Governance: concepts and emergence in Brazilian education. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 24, n. 93, p. 939-967, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362016000400008.

SANTOS, S. M. O desempenho das universidades brasileiras nos rankings internacionais: áreas de destaque da produção científica brasileira. 2015. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

SARTORI, R. Governança em agentes de fomento dos sistemas regionais de CT&I. 2011. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

SASSAKI, A. H. Governança e conformidade na gestão universitária. 2016. Tese (Doutorado em Economia, Administração e Contabilidade) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

SHATTOCK, M. Managing good governance in higher education. Berkshire, England: Open University, 2006.

SILVA, M. C. C. A governança nas instituições de ensino superior: o caso da Universidade Federal de Pernambuco. 2016. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2016.

THERRIEN, J.; NÓBREGA-THERRIEN, S. Os trabalhos científicos e o estado da questão:

reflexões teórico-metodológicas. Estudos em avaliação educacional, v. 15, n. 30, 2004.

THIENGO, L. C. Universidades de classe mundial e o consenso pela excelência: tendências e manifestações globais e locais. 2018. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Resolução n. 5483, de 6 de novembro de 2008. Instituiu o Prêmio Excelência Acadêmica Institucional USP. Diário Oficial do Estado, 8 nov. 2008. Disponível em: http://www.usp.br/imprensa/wp-content/uploads/Portaria_premio.pdf. Acesso em: 15 maio 2019.

VIEIRA, R. C. A internacionalização da pós-graduação no Brasil: a relação entre os rankings acadêmicos globais e avaliação dos programas de pós-graduação em Administração. 2014. Dissertação (Mestrado em Administração) – Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, 2014.

WANDERCIL, M.; CALDERÓN, A. I.; GANGA-CONTRERAS, F. Qualidade da educação superior no Brasil: desempenho das universidades católicas à luz dos rankings acadêmicos, índices e tabelas classificatórias estatais e do setor privado. EccoS – Revista Científica, n. 51, p. e14581, 2019. DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n51.14581.

WANDERCIL, M.; CALDERÓN, A. I. Governança e desempenho das universidades católicas à luz do Ranking Universitário Folha (RUF). Série-Estudos, v. 25, n. 54, p. 89-116, maio/ago. 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.20435/serie-estudos.v25i54.1335.

Downloads

Publicado

09-03-2021

Como Citar

WANDERCIL, M.; CALDERÓN, A.-I.; GANGA-CONTRERAS, F. A. Governança universitária e rankings acadêmicos à luz da literatura acadêmica brasileira. Roteiro, [S. l.], v. 46, p. e22391, 2021. DOI: 10.18593/r.v46i.22391. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/22391. Acesso em: 19 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos de demanda contínua