Aprendizagem histórica e formação de professores dos anos iniciais na Universidade do Minho (Portugal): a articulação entre a prática e a investigação em educação histórica

Resumo

Este texto tem como objetivo apresentar a investigação em Educação Histórica desenvolvida no Instituto de Educação da Universidade do Minho (Portugal) no âmbito dos vários mestrados profissionalizantes de formação de professores, em especial dos professores dos anos iniciais (seis aos 12 anos). Apresenta-se uma breve contextualização do modelo de formação de professores desenvolvido na nossa instituição, principalmente desde 2008, com a implementação do modelo de Bolonha. Destaca-se a relevância atribuída à articulação entre prática pedagógica e investigação, as implicações da investigação no contexto educativo, bem como no desenvolvimento profissional dos futuros professores, alicerçada no paradigma construtivista, operacionalizado no modelo de aula-oficina, que fomenta o papel do professor-investigador social e os alunos como agentes da construção do conhecimento histórico. Exemplica-se esse modelo a partir de alguns estudos empíricos implementados pelos nossos formandos com crianças e jovens, que se focam em conceitos de segunda ordem (mudança, narrativa, evidência e significância) relacionados com o pensamento histórico e a consciência histórica, e outros estudos que integram ainda a educação patrimonial, na linha de investigação em cognição histórica, que se tem desenvolvido na Universidade do Minho (Portugal).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Glória Solé, Universidade do Minho

Professora Auxiliar da Universidade do Minho, no Instituto de Educação, docente do Departamento de Estudos Integrados de Literacia, Didáctica e Supervisão. Doutorada em Estudos da Criança pela Universidade do Minho com a tese: A História no 1.º Ciclo do Ensino Básico: a Concepção do Tempo e a Compreensão Histórica das crianças e os Contextos para o seu Desenvolvimento. Tem-se dedicado à investigação em Educação Histórica, ao nível da cognição histórica com crianças. Publicou vários artigos, capítulos de livros e comunicações relacionadas com o ensino da História a Crianças. Integrou a equipa que realizou as Metas de aprendizagem de História publicadas online pelo Ministério de Educação (DGIC, 2010). Pertence ao Centro de Investigação em Educação (CIEd) da Universidade do Minho. Membro do grupo History Educational International Research Network (HEIRNET). Membro de l’Association Internationale de Recherche en Didactique de l’Histoire et des Sciences Sociales – AIRDHSS. Membro da Associação de Professores de História (APH). Membro da Children’s Identity and Citizenship in Europe (CICE). Membro da equipa de Portugal da Ação Cost- The digital literacy and multimodal practices of young children (IS1410). Integra o projeto Children Identity and Citizenship in Europe. Integra o projeto de investigação Histórias de Sucesso Pedagógico: outros olhares para o ensino aprendizagem de História (HISPED), Projeto financiado pelo CNPQ e Fundação Araucária (Brasil). Membro do projeto "La evaluación de competencias y el desarrollo de habilidades cognitivas sobre historia", coordenado por Pedro Mirrales (Universidade de Múrcia) - (2016-2018). Membro do projeto "Metodologia de ensino-aprendizagem e avaliação em temas sociais controversos das ciências humanas e sua contribuição para o desenvolvimento social", coordenadora Maria Auxiliadora Schmidt, Universidade Federal do Paraná, Brasil (2017-2020).

Referências

ALMEIDA, É. O património histórico como estratégia pedagógica para a construção do conhecimento histórico. 2014. Relatório de Estágio (Mestrado em Ensino do 1.º e 2.º Ciclo do Ensino Básico) – Universidade do Minho, Braga, 2014. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/37960. Acesso em: 2 maio 2018.

BARCA, I. Aula Oficina: do projeto à avaliação. In: JORNADAS INTERNACIONAIS DE EDUCAÇÃO HISTÓRICA: PARA UMA EDUCAÇÃO HISTÓRICA DE QUALIDADE, 4., 2004, Braga. Actas [...] Braga: CIED, Universidade do Minho: Instituto de Educação e Psicologia, 2004. p. 131-144.

BARCA, I.; SOLÉ, G. Educación histórica en Portugal: metas de aprendizaje en los primeiros anos de escolaridade. REIFOP, v. 15, n. 1, p. 91-100, 2012. Disponível em: www.aufop.com. Acesso em: 8 jul. 2018.

CARDOSO, A. F. A construção do conhecimento e o desenvolvimento de competências de aprendizagem dos alunos a partir da área de Estudo do Meio (História). 2013. Relatório de Estágio (Mestrado em Educação Pré-escolar e Ensino do 1.º ciclo) – Universidade do Minho, Braga, 2013.

CARDOSO, T. A banda desenhada histórica como recurso e fonte historiográfica para o ensino e aprendizagem da História: um estudo com alunos do 1.º e 2.º Ciclo do E.B. 2016. Relatório de Estágio (Mestrado em Ensino do 1.º e 2.º ciclo do Ensino Básico) – Universidade do Minho, Braga, 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/45240. Acesso em: 5 jun. 2019.

COLLINGWOOD, R. A ideia de História. 9. ed. Lisboa: Editorial Presença, 2001.

COSTA, A. A compreensão do tempo para o desenvolvimento do pensamento histórico: um estudo com alunos do 1º e 2º Ciclo do Ensino Básico. 2019. Relatório de Estágio (Mestrado em Ensino do 1.º e 2.º ciclo do Ensino Básico) – Universidade do Minho, Braga, 2019. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/45202. Acesso em: 10 jul. 2019.

CUNHA, C. As novas tecnologias no ensino/aprendizagem da História: uso do Google maps e Geocaching por alunos do 1º e 2º Ciclo do Ensino Básico. 2016. Relatório de Estágio (Mestrado em Ensino do 1.º e 2.º ciclo do Ensino Básico) – Universidade do Minho, Braga, 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/45203. Acesso em: 5 jun. 2019.

FILIPE, R. As lendas, mitos e tradição oral como recurso pedagógico no processo de construção do conhecimento histórico. 2017. Relatório de Estágio (Mestrado em Ensino do 1.º e 2.º Ciclo do Ensino Básico) – Universidade do Minho, Braga, 2017. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/57246. Acesso em: 5 ago. 2019.

GAGO, M. Ser Professor de História em tempos difíceis: início de um processo formativo, Antíteses, v. 11, n. 22, p. 507-519, 2018a. DOI: https://doi.org/10.5433/1984-3356.2018v11n22p507.

GAGO, M. Ser professor de História na paleta de cores de um profissionalismo complexo. Revista Ibero-Americna de Educação Histórica, v. 1. n. 1, p. 107-125, 2018n. Disponível em: https://revistas.unila.edu.br/riaeh/índex. Acesso em: 7 jun. 2019.

HOODLESS, P. Time and timelines in the primary school. London: Historical Association, 1996.

LEE, P. Progressão da compreensão dos alunos em História. In: BARCA, I. (org.). Perspectivas em Educação Histórica. Braga: CEEP, Universidade do Minho, 2001. p. 13-27.

LLONCH, N.; SOLÉ, G. Comparativa de metodologías y experiencias de educación patrimonial en la formación de futuros educadores de las Universidades do Minho (Portugal) y de Lleida (España). In: FONTAL, O.; IBÁNEZ, A.; MARTÍN, L. (coord.). Reflexionar desde las experiencias. Una visión completentaria entre España, Francia e Brasil. In: CONGRESO INTERNACIONAL DE EDUCACIÓN PATRIMONIAL, 2., 2014, Madrid. Actas [...] Madrid: IPCE/OEPE, 2014.

MACHADO, A. O potencial didático das narrativas (lendas, mitos e literatura infantil mito-simbólica) para o desenvolvimento do conhecimento histórico e da compreensão histórica nos alunos do 1º e do 2º ano. 2014. Relatório de Estágio (Mestrado em Ensino do 1.º e 2.º Ciclo do Ensino Básico) – Universidade do Minho, Braga, 2014. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/30139. Acesso em: 4 jun. 2019.

MELO, M. C. A formação de professores de História em Portugal: práticas pedagógicas e investigativas. Revista História Hoje, v. 4, n. 7, p. 41-61, 2015.

MOREIRA, F. O conceito de mudança em História: conceções de alunos do 1.º e 2.º CEB a partir da exploração de fontes visuais e objetuais. 2017. Relatório de Estágio (Mestrado em Ensino do 1.º e 2.º Ciclo do Ensino Básico) – Universidade do Minho, Braga, 2017. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/57251. Acesso em: 5 ago. 2019.

NUNES, G. Azulejaria portuguesa e a valorização do património: interpretação de fontes patrimoniais iconográficas por alunos do 1º e 2º ciclo do ensino básico. 2015. Relatório de Estágio (Mestrado em Ensino do 1.º e 2.º Ciclo do Ensino Básico) – Universidade do Minho, Braga, 2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/41280. Acesso em: 5 ago. 2019.

OLIVEIRA, A. J. A compreensão do tempo e o desenvolvimento da competência da temporalidade em História em articulação com a Matemática em alunos do 4.º ano. 2016. Relatório de Estágio (Mestrado em Educação Pré-escolar e Ensino do 1.º ciclo do Ensino Básico) – Universidade do Minho, Braga, 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/43272. Acesso em: 10 jul. 2019.

PIMENTEL, J. O desenvolvimento da compreensão histórica através de uma abordagem de aprendizagem cooperativa: um projeto com alunos do 3.º ano do Ensino Básico. 2013. Relatório de Estágio (Mestrado em Educação Pré-escolar e Ensino do 1.º CEB) – Universidade do Minho, Braga, 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/28741. Acesso em: 5 ago. 2019.

PINTO, H. Educação histórica e patrimonial: conceções de alunos e professores sobre o passado em espaços do presente. 2011. Tese (Doutorado em Ciências da Educação, Especialidade de Educação em História e Ciências Sociais) – Instituto de Educação, Universidade do Minho, Braga, 2011.

PINHEIRO, J. Visita de estudo virtual versus visita de estudo in loco: contributos para aprendizagem de História no 1.º e 2.º Ciclo do Ensino Básico. 2017. Relatório (Mestrado em Ensino do 1.º e 2.º Ciclo do Ensino Básico) – Universidade do Minho, Braga, 2017. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/59073. Acesso em: 5 ago. 2019.

PORTUGAL. Decreto-Lei n. 43, de 22 de fevereiro de 2007. Aprova o regime jurídico da habilitação profissional para a docência na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário. Diário da República Eletrônico, 22 fev. 2007.

PORTUGAL. Decreto-Lei n. 65, de 31 de março de 2006. Aprova o regime jurídico dos graus e diplomas do ensino superior determina que a entrada em funcionamento de novas licenciaturas, mestrados ou doutoramentos está sujeita ao regime em vigor à data da sua publicação até à criação e funcionamento da agência de acreditação. Diário da República Eletrônico, 31 mar. 2006a.

PORTUGAL. Decreto-Lei n. 74, de 24 de março de 2006. Aprova o regime jurídico dos graus e diplomas do ensino superior, em desenvolvimento do disposto nos artigos 13.º a 15.º da Lei n.º 46/86, de 14 de Outubro (Lei de Bases do Sistema Educativo), bem como o disposto no n.º 4 do artigo 16.º da Lei n.º 37/2003, de 22 de Agosto (estabelece as bases do financiamento do ensino superior). Diário da República Eletrônico, 24 mar. 2006b.

RAMOS, F. C. O potencial didático da genealogia para a construção da identidade e desenvolvimento da compreensão histórica dos alunos do 1º e 2º Ciclo do Ensino Básico. 2016. Relatório de Estágio (Mestrado em Ensino do 1.º e 2.º ciclo do Ensino Básico) –Universidade do Minho, Braga, 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/45201. Acesso em: 5 jun. 2019.

REIS, D. A literatura de ficção histórica na construção do conhecimento histórico. 2013. Relatório de Estágio (Mestrado em Ensino do 1.º e 2.º Ciclo do Ensino Básico) – Universidade do Minho, Braga, 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/28997. Acesso em: 8 maio 19.

RÜSEN, J. Algumas ideias sobre a interseção da meta-história e da didática da história. Revista História Hoje, v. 5, n. 9, p. 159-170, 2016.

SOLÉ, G. A História no 1.º Ciclo do ensino básico: a concepção do tempo e a compreensão histórica das crianças e os contextos para o seu desenvolvimento. 2009. Tese (Doutorado) – Universidade do Minho, Braga, 2009.

SOLÉ, G. Formação de professores e educadores em Educação Patrimonial na Universidade do Minho: estratégias pedagógicas em Educação Patrimonial. In: SOLÉ, G. (org.). Educação Patrimonial: novos desafios pedagógicos. Braga: Cied, Universidade do Minho, 2014a. E-book. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/31352. Acesso em: 5 ago. 2019.

SOLÉ, G. O ensino de História a crianças: perspectivas de formação e investigação em Educação Histórica na Universidade do Minho (Portugal). In: SCHMIDT, M. A.; FRONZA, M. (org.). Consciência Histórica e Interculturalidade- Investigações em Educação Histórica. Curitiba: W.A. Editores, 2016. p. 169-184.

SOLÉ, G. O manual escolar no ensino primário em Portugal: perspectiva histórica e análise do ensino da História através deste recurso didático. Ensayos, Revista de la Facultad de Educación de Albacete, v. 29, n. 1, p. 43-64, 2014b. Disponível em: http://www.revista.uclm.es/index.php/ensayos. Acesso em: 5 ago. 2019.

SOLÉ, G. (org.). Educação Patrimonial: contributos para a construção de uma consciência histórica. Braga: Centro de Investigação em Educação, Instituto de Educação, Universidade do Minho, 2015. E-Book. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/40238. Acesso em: 5 ago. 2019.

SOLÉ, G.; VARELA, P. Modelo de formação de educadores/professores na área de didática de estudo do meio: análise de uma experiência de formação centrada no ensino da história a crianças. In: CONGRESSO INTERNACIONAL GALEGO-PORTUGUÊS DE PSICOPEDAGOGIA, 12., 2013, Braga. Anais [...] Braga: Centro de Investigação em Educação, Universidade do Minho, 2013. p. 2893-2911.

SCHMIDT, M. A. Interculturalidade, humanismo e educação. histórica: formação da consciência histórica é mais do que literacia histórica? In: SCHMIDT, M. A.; FRONZA, M. (org.). Consciência histórica e interculturalidade- investigações em educação histórica. Curitiba: W.A. Editores, 2016. p. 21-33.

UNIVERSIDADE DO MINHO. Instituto de Educação Regulamento do Estágio dos Mestrados em Ensino. Braga: Universidade do Minho, 2019.

VIEIRA, F. et al. No caleidoscópio da supervisão: imagens da formação e da pedagogia. 2. ed. Mangualde: Ed. Pedago, 2010.

VIEIRA, F. et al. O papel da investigação na prática pedagógica dos mestrados em ensino. In: CONGRESSO INTERNACIONAL GALEGO-PORTUGUÊS DE PSICOPEDAGOGIA, 12., 2013, Braga. Anais [...] Braga: CIEd, Universidade do Minho, 2013. p. 2641-1655.

Publicado
15-06-2020
Como Citar
SOLÉ, G. Aprendizagem histórica e formação de professores dos anos iniciais na Universidade do Minho (Portugal): a articulação entre a prática e a investigação em educação histórica. Roteiro, v. 45, p. 1-26, 15 jun. 2020.
Seção
Seção temática:Aprendizagem histórica e formação de professores: contribuições da pesquisa em educação histórica