REDES DE POLÍTICA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL DA PARAÍBA: FLUXOS E INFLUÊNCIAS NEOCONSERVADORAS E NEOLIBERAIS

Palavras-chave: Políticas educacionais, Poder, Identidades, Neoconservadores, Neoliberalismo

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi de conhecer as redes de políticas que influenciam a produção da política educacional do Programa Escola Cidadã Integral. As discussões partem das “novas” lógicas e racionalidades da Política de Educação Integral da Rede Estadual de Ensino da Paraíba e suas relações com as redes políticas que pautam a agenda neoconservadora e neoliberal no Brasil. Assim, nosso lócus é o Programa Escola Cidadã Integral, instituído pela Lei estadual 11.100/2018. A abordagem foi qualitativa, e o método utilizado foi a etnografia de redes, associado à análise documental. Como instrumento, utilizamos a entrevista semiestruturada com representantes do governo estadual. Os estudos de Bowe, Ball e Gold (1992), Ball (2014, 2013) e Apple (2003) subsidiaram a compreensão sobre as novas formas de governança presentes na política de educação integral e as fontes de autoridades. As análises constataram que a parceria com o Instituto de Corresponsabilidade pela Educação (ICE) possibilitou uma gestão da educação integral com traços neoliberais e neoconservadores a partir da padronização das escolas e da homogeneização dos discentes utilizando o discurso de uma educação de boa qualidade, capaz de formar sujeitos sociais com acesso a oportunidades iguais. Observamos que as bases pedagógicas dessa rede defendem o avanço econômico e o resgate de princípios e valores com vistas a consolidar um currículo que forme para a atuação no mercado de trabalho e a fortalecer o pensamento que reduz a educação a uma mera apropriação de competências e habilidades sem a formação de sujeitos autônomos, mas subordinados ao capital econômico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cláudia Silva Rodrigues, Universidade Federal da Paraíba

Pedagoga, mestre e doutora em Educação pela Universidade Federal da Paraíba. Lotada no Departamento de Fundamentação da Educação. Credenciada no Programa de pós-graduação em Educação do Centro de Educação da Universidade Federal da Paraíba.  Membro dos Grupos de Estudos e Pesquisas em Políticas Curriculares (GEPPC)  e Currículo e Práticas Educativas (GPESC ). E-mail: anaclaudia@ce.ufpb.br

Rafael Ferreira de Souza Honorato, Universidade Federal da Paraíba

Doutorando e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Curriculares (GEPPC). E-mail: rafaelhono@gmail.com

Referências

APLLE, M. W. Educando à direita: mercados, padrões e desigualdades. Tradução de Dinah de Abreu Azevedo; revisão técnica de Antônio Eustáquio Romão. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2003. (Biblioteca Freiriana; v.5).

BALL, S. J. Educação global S. A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Ponta Grossa: Editora da UEPG, 2014.

_______. Novos Estados, nova governança e nova política educacional. In: APLLE, M. W.; BALL, S. J.; GANDIN, L. A. Sociologia da educação: análise internacional. Tradução: Cristina Monteiro; revisão: Luís Armando Gondim. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 177-189.

_______. Vozes/Redes políticas e um currículo neoliberal global. In: PEREIRA, M. Z. C. et al. (org.). Diferença nas políticas de currículo. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2010. p. 21-45.

BALL, S. J.; MAGUIRE, M.; BRAUN, A. Como as escolas fazem as políticas: atuação em escolas secundárias. Tradução de Bridon Janete. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2016.

BERNSTEIN, B. On the classification and framing of educational knowledge. In: YONG, M. F. D. (ed.). Knowledge ando control, London, Collier-Macmillan, 1971. p. 47- 69.

BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. (ed.). Dicionário de Política. 5. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2000.

BOMENY, H. A escola no Brasil de Darcy Ribeiro. Em Aberto, Brasília, v. 22, n. 80, p. 109-120, abr. 2009.

BONAZZI, T. Conservadorismo. In: BOBBIO, N.; MATTEUCCI; N.; PASQUINO,
G. (org.). Dicionário de política. Brasília: Editora da UnB; São Paulo: Imprensa Oficial, 2000. v. 1. p. 242-246.

BÖRZEL, Tanja. Qué tienen de especial los policy networks? Explorando el concepto y su utilidad para el estudio de la gobernación europea. 1997. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2019.

BOWE, R.; BALL, S. J.; GOLD, A. Reforming Education and Changing Schools: Case Studies in Policy Sociology. London: Routledge, 1992. 188 p.

BRASIL. Decreto nº 6.094, de 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação. Diário Oficial da União, Brasília/DF, 2007.

_______. Decreto Nº 7.083, de 27 de janeiro de 2010. Dispõe sobre o Programa Mais Educação. Diário Oficial da União, Brasília/DF, 2010. Disponível em: . Acesso em: 08 jul. 2019.
_______. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. 2014. Disponível em: . Acesso em: 08 jul. 2019.

_______. Rede de saberes mais educação: pressupostos para projetos pedagógicos de educação integral: caderno para professores e diretores de escolas. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2008.

_______. Saiba Mais: Programa Mais Educação. Brasília, DF, 2016. Disponível em: . Acesso em: 08 jul. 2019.

BURKE, E. Reflexões sobre a revolução na França. Tradução Renato de Assumpção Faria. 2. ed. São Paulo: UNB, 1982.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo – ensaio sobre a sociedade neoliberal. Tradução de Mariana Echalac. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

FLEURY. S. Redes de políticas: novos desafios para a gestão pública. Administração em Diálogo, São Paulo, n. 7, p. 77-89, 2005.

GOLDWATER, B. The Conscience of a Conservative. Qualiteri Publishing; Kindle ebook. 2009.

GOUVEIA, M. J. A. Educação integral com a infância e a juventude. Cadernos Cenpec, São Paulo, n. 2, p. 77-85, 2006.

HABERMAS, J. Neoconservative culture criticismo in the United States and West Germany: na intelectual movement in two political cultures. In: BERNSTTEIN, R. J. (ed.). Habermas na modernity, Cambridge: Polity Press, 1985. p. 75-89.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

ZIMMERMAN, J. Caderno Tecnologia de Gestão Educacional. 1. Ed. Instituto de corresponsabilidade pela educação - ICE, 2015. ´

KIRK, Russell. The Conservative Mind: From Burke to Santayana. Chicago: Henry Regnery Company, 1953.

LIVRETO INSTITUCIONAL. Instituto de Corresponsabilidade pela Educação. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2019.

MARSH, D.; RHODES, R. A. Policy networks in British politics. A critique of existing approaches. In: RHODES, R. A.; MARSH, D. Policy networks in British government. Oxford: Clarendon Press, 1992. p. 1-26.

MOLL, R. Diferenças entre neoliberalismo e neoconservadorismo: duas faces da mesma moeda? Semdiplomacia, São Paulo, 23 jul. 2015. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2019.

PARAÍBA. Decreto n. 36.408, publicado no Diário Oficial do Estado da Paraíba, de 01 de dezembro de 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2019.

_______. Decreto n. 36.409, publicado no Diário Oficial do Estado da Paraíba, de 01 de dezembro de 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2019.

_______. Lei n. 11.100, publicado no Diário do Poder Legislativo, Estado da Paraíba, em 12 de abril de 2018. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2019.

_______. Medida Provisória n. 267, publicado no Diário Oficial do Estado da Paraíba, publicada em 07 de fevereiro de 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2019.

RHODES, R. A.W. Beyond Westminster and Whitehall: the subcentral governments of Britain. London: Allen & Unwin, 1988.

_______. European policy-making, implementation and sub central governments: a survey. Maastricht: European Institute of Public Administration, 1986.

RODRIGUES, A. C. S. Escola Cidadã Integral: proposições curriculares para jovens do ensino Médio. Revista Espaço do Currículo, v. 12, n. 1, p. 139-152, jan./abr. 2019.

SANTOS, H. Perspectivas contemporâneas para a constituição de redes de políticas públicas. Civitas – Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, v. 5. n. 1, p. 59-68, jan./jun. 2005.

SCHNEIDER, V. Redes de políticas públicas e a condução de sociedades complexas. Civitas – Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, v. 5. n. 1, p. 29-58, jan./jun. 2005.

SHIROMA, E. O. Networks in action: new actors and practices in education policy in Brazil. Journal of Education Policy, v. 29, n. 3, p. 323-348, 2014.

SPRING, J. Corporações globais querem usar as escolas para moldar o homem para o Mercado. Tradução de Ana Júlia Galvan. Campinas, SP: Vide Editorial, 2018.

SILVA, M. V.; SOUZA, V. A.; RICHTER, L. M. Educação e classes sociais: as “redes de políticas públicas” e o ethos mercantil na esfera pública. ETD: Educação Temática Digital, v. 17, n. 3, p. 653–672, 2015. doi: https://doi.org/10.20396/etd.v17i3.8638251.

SILVA, A. C.; NASCIMENTO, A. I. N.; RODRIGUES, A. C. S. Relatos de Pesquisa em Educação de Tempo Integral: desafios para a efetivação de uma proposta freiriana. In: LOPES, Eduardo Jorge; AMORIM, Roseana Maria do (org.). Paulo Freire: Culturas, ética e subjetividade no ensinar e aprender. 1. ed. João Pessoa: Editora do CCTA, 2018. p. 175-198.

SUSSEKIND, M. L. Entrevista. Educação em Pauta. ANO v 1 agos p.4-12, 2018.
http://adcpii.com.br/wp-content/uploads/2018/07/ebook_revista_6.pdf.

VIDAL, C. F. O Movimento Conservador Norte-Americano da Década de 1950 e a Percepção Conservadora a Respeito da Sociedade, Economia e Política Externa. TOMO, v. 0, n. 23, p. 259-294, jul./dez. 2013.
Publicado
10-06-2020
Como Citar
RODRIGUES, A. C. S.; HONORATO, R. F. DE S. REDES DE POLÍTICA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL DA PARAÍBA: FLUXOS E INFLUÊNCIAS NEOCONSERVADORAS E NEOLIBERAIS. Roteiro, v. 45, p. 1-32, 10 jun. 2020.
Seção
Seção temática: Políticas educacionais e o avanço da nova (ou extrema?) direita