A aula-oficina na caminhada de aprender a ser professor de História

  • Marília Gago Universidade do Minho e CITCEM - Centro de Investigação Transdisciplinar "Cultura, Espaço e Memória"

Resumo

Ser professor de História implica o engajamento de várias áreas do saber e exige a operacionalização de operações complexas adequadas ao contexto educativo em que se inscreve. A formação de professores tem de ser capaz de desafiar e preparar os futuros professores de História para lidarem em progressão com essas operações. A aula-oficina é um caminho proposto pela educação histórica que parece se adequar ao desenvolvimento de literacia e consciência histórica. Os dados de investigação em Educação Histórica têm demonstrado que quando os aprendentes são desafiados a resolver tarefas com base em fontes, analisadas com questões de graus distintos de complexidade, promove-se o desenvolvimento do pensamento e o conhecimento histórico. Assim, propõe-se a partilha de dados de um estudo qualitativo em linha com a Grounded Theory (Teoria fundamentada), realizado por meio de uma amostragem de conveniência entre 20 alunos do mestrado em ensino da História do terceiro ciclo do ensino básico e do ensino secundário de uma universidade do Norte de Portugal, em várias fases de formação e de recolha de dados, numa lógica longitudinal e em linha com os princípios da aula-oficina – das ideias prévias à metacognição. As ideias foram recolhidas por meio de questionário de resposta aberta acerca dos seguintes construtos: consciência histórica, identidade e profissionalismo docente. As ideias partilhadas pelos alunos, futuros professores de História, sugerem que as tarefas-desafios propostas acompanhadas pelo debate das soluções encontradas e da reflexão continuada acerca do processo promoveram a consciência do seu papel e propósito de professor de História numa lógica de crescente complexidade em termos de identidade pessoal-histórica e de profissional-docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marília Gago, Universidade do Minho e CITCEM - Centro de Investigação Transdisciplinar "Cultura, Espaço e Memória"

Pós-doutorado em Educação Histórica no âmbito do Projeto de Investigação intitulado “Consciência Histórica: Teoria e Práticas II” financiado pela FCT – Fundação para a Ciência e Tecnologia. Doutorado em Educação, especialização em Metodologia do Ensino de História e Ciências Sociais pela Universidade do Minho, com bolsa de doutorado concedida pela FCT – Fundação para a Ciência e Tecnologia. Mestre em Educação, especialização em Supervisão Pedagógica e Metodologia do Ensino de História pela Universidade do Minho. Licenciatura em História e Ciências Sociais (ensino de) pela Universidade do Minho. Autora de manuais escolares de História do ensino básico e do ensino secundário. Formadora da Direção Geral de Educação do Ministério da Educação de Portugal no âmbito da Integração, Autonomia e Flexibilidade Curricular. Formadora certificada do Ministério da Educação no âmbito de formação continuada na área de História e Educação Histórica. 

Referências

BARCA, I. Aula-oficina: do projeto à avaliação. In: BARCA, I. (org.) Para uma educação de qualidade: actas das quartas jornadas de educação histórica. Braga: CIED/IEP, 2004. p. 131-144.

DAY, C.; SACHS, J. Professionalism, performativity and empowerment: discourses in the politics, policies and purposes of continuing professional development. In: DAY, C.; SACHS, J. (ed.). International handbook on the continuing professional development of teachers. Maidenhead: Open University Press, 2004. p. 3-32.

DAY, C. Desenvolvimento profissional de professores: os desafios da aprendizagem permanente. Porto: Porto Editora, 2001.

DONOVAN, M. S.; BRANSFORD, J. D. How students learn history, mathematics and science in the classroom. Washington: National Research Council, 2005.

ESTRELA, M. T.; ESTRELA, A. A formação contínua de professores numa encruzilhada. In: BIZARRO, R.; BRAGA, F. (org.). Formação de professores de línguas estrangeiras: reflexões, estudos e experiências. Porto: Porto Editora, 2006. p. 73 79.

FLORES, M. A. Algumas reflexões em torno da formação inicial de professores. Revista Educação, v. 33, n. 3, p. 182-188, set./dez. 2010.

FLORES, M. A. Tendências e tensões no trabalho docente: reflexões a partir da voz dos professores. Perspectiva, v. 29, n. 1, p. 161-191, jan./jun. 2011.

GAGO, M. Ser professor de história em tempos difíceis: início de um processo formativo. Antíteses, v. 11, n. 22, p. 505-515, jul./dez. 2018.

GERMINARI, G. Educação histórica: a constituição de um campo de pesquisa. Revista HISTEDBR On-line, n. 42, p. 54-70, jun. 2011.

KORTHAGEN, F. A. J. Situated learning theory and the pedagogy of teacher education: towards an integrative view of teacher behavior and teacher learning. Teaching and Teacher Education, v. 26, p. 98-106, 2010.

KORTHAGEN, F. A. J. et al. Linking practice and theory: the pedagogy of realistic teacher education. Mahwah: Lawrence, 2001.

LEE, P. Historical literacy and transformative history. In: PERIKLEOUS, L.; SHEMILT, D. (ed.). The future of the past: why history education matters. Chipre: UNDP-ACT, 2011. p. 129-168.

LORTIE, D. School-teacher: a sociological study. Chicago: University of Chicago Press, 1975.

RÜSEN, J. Studies in metahistory. Pretoria: Human Sciences Research Council, 1993.

SACHS, J. Teacher education and the development of professional identity: learning to be a teacher. In: DENICOLO, P.; KOMPF, M. (ed.). Connecting policy and practice: challenges for teaching and learning in schools and universities. Oxford: Routledge, 2005. p. 5-21.

SACHS, J. Teacher professional identity: competing discourses, competing outcomes. Journal of Education Policy, v. 16, n. 2, p. 149-161, 2001.

SCHMIDT, M.A. Interculturalidade, humanismo e educação. histórica: formação da consciência histórica é mais do que literacia histórica? In: SCHMIDT, M. A.; FRONZA, M. (org.). Consciência histórica e interculturalidade: investigações em educação histórica. Curitiba: W&A Editores, 2016. p. 21-33.

URBAN, A. C. A didática da história nos manuais destinados à formação de professores. Diálogos, v. 19, n. 1, p. 275-287, jan./abr. 2015.

Publicado
17-06-2020
Como Citar
GAGO, M. A aula-oficina na caminhada de aprender a ser professor de História. Roteiro, v. 45, p. 1-18, 17 jun. 2020.
Seção
Seção temática:Aprendizagem histórica e formação de professores: contribuições da pesquisa em educação histórica